Amplo rechaço faz governo revogar suspensão de salários

Brasília, segunda-feira, 23 de março de 2020 - 16:38

NOTA OFICIAL

Amplo rechaço faz governo revogar suspensão de salários

Esse recuo do presidente não cessa a luta para garantir estabilidade e renda à classe trabalhadora. Para o PCdoB, em primeiro lugar a saúde das pessoas. A economia deve assegurar a vida. Bolsonaro põe os frios números dos interesses financeiros à frente da vida das pessoas.

Reprodução da Internet

Diante da ampla reação dos trabalhadores, de parlamentares e representantes da sociedade civil, o presidente da República, Jair Bolsonaro, foi obrigado a recuar, suspendendo o artigo 18 da Medida Provisória (MP) 927/2020 (que previa a suspensão do contrato de trabalho por até quatro meses, cessando o pagamento dos salários), editada poucas horas antes.

Esse recuo do presidente não cessa a luta para garantir estabilidade e renda à classe trabalhadora. Para o PCdoB, em primeiro lugar a saúde das pessoas. A economia deve assegurar a vida. Bolsonaro põe os frios números dos interesses financeiros à frente da vida das pessoas.

A MP, publicada em meio à crise da pandemia do coronavírus, a Covid-19, joga todo o ônus da crise nas costas dos trabalhadores.

A medida, corretamente chamada de MP da fome, é mais uma contribuição de Bolsonaro para o cenário de recessão na economia que vem sendo projetado. Como se já não bastasse o descaso com o trabalhador autônomo e informal que, pela decisão do ministro da Economia, Paulo Guedes, está condenado a ter de se virar com míseros R$ 200 por mês.

O PCdoB, junto a sua bancada no Congresso Nacional, defende estabilidade no emprego, é contra a redução de salários e luta para que seja garantida a transferência de renda no valor de um salário mínimo para trabalhadores autônomos e que se encontram na informalidade, além de medidas emergenciais para manter a economia nacional em pé, impedindo que haja quebradeira generalizada.

Cabe ao governo federal socorrer as micros, pequenas e médias empresas, destinando a elas linhas de crédito subsidiadas e aportes para que possam suportar a crise.

Bolsonaro está sendo irresponsável e oportunista ao mesmo tempo. À medida que ele perde popularidade, busca fazer demagogia com os empresários com essa desastrosa MP. E com isso ele ignora o seu papel de presidente da República, que nesse momento deveria estar a serviço da união de todos para salvar vidas.

O PCdoB defende o fortalecimento de ações conjugadas de governadores,  partidos políticos, o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal (STF) instituições da sociedade civil, centrais dos trabalhadores, movimentos sociais, setores da mídia.

Esse é o caminho para a soma de esforços para que o Brasil vença a doença com o menor número possível de perdas de vidas, mantendo, ao mesmo tempo, a economia nacional funcionando, preservando o emprego e o salário dos trabalhadores.

Brasília, 23 de março de 2020

Luciana Santos – presidenta do Partido Comunista do Brasil (PCdoB)

Perpétua Almeida – líder da bancada do PCdoB na câmara dos Deputados









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com