Parlamentares repudiam ataque de Bolsonaro a jornalista da Folha

Brasília, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020 - 13:37      |      Atualizado em: 19 de fevereiro de 2020 - 9:6

POLÍTICA

Parlamentares repudiam ataque de Bolsonaro a jornalista da Folha


Por: Christiane Peres

Presidente da República faz insinuação sexual sobre trabalho de Patrícia Campos Mello. Comentário foi duramente criticado por parlamentares do PCdoB.

Luis Macedo/Agência Câmara

As declarações machistas do presidente da República, Jair Bolsonaro, voltaram a ganhar destaque na mídia nesta terça-feira (18). Desta vez, o algo foi a jornalista da Folha de S.Paulo Patrícia Campos Mello, responsável por reportagens que revelaram o uso de disparos de mensagens em massa na campanha eleitoral. Na tentativa de desqualificar o trabalho da profissional, Bolsonaro a atacou com insinuações sexuais, tal qual fez o ex-funcionário da Yacows, agência de disparos em massa de mensagens por WhatsApp, na reunião da CPI das Fake News, na última semana.

Parlamentares do PCdoB repudiaram imediatamente a declaração do presidente. Para a líder da bancada comunista, deputada Perpétua Almeida (AC), é preciso união para combater a postura de Bolsonaro.

“Já sabemos o quão baixo tem sido o comportamento de Bolsonaro, com posicionamentos carregados de ódio, preconceito e desrespeito às mulheres que lutam e têm um papel na sociedade. Precisamos nos unir para defender nossa democracia, exigir deste senhor postura de um presidente e combater o machismo! Bolsonaro atenta contra a liberdade de imprensa intimidando e ofendendo a jornalista. Receba minha solidariedade, Patrícia Campos Mello e minha disposição de nunca me calar frente às injustiças”, afirmou.

Em um jogo de palavras, Bolsonaro afirmou que a repórter queria um furo, que na linguagem jornalística, significa uma informação exclusiva. “Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim”, disse, rindo, a um grupo de simpatizantes em frente ao Palácio da Alvorada, num proposital jogo de palavras que sugere a troca de uma informação por oferta de sexo.

Para a líder da Minoria na Câmara, deputada Jandira Feghali (RJ), Bolsonaro tem que responder na Justiça pela insinuação criminosa.

“Não há muito o que esperar dessa criatura neandertal que se acocora na poltrona presidencial. A cada fala machista, grosseira e criminosa de Bolsonaro muitos de nós, indignados, espalham o conteúdo por aí. Apenas pare. Divulgue as denúncias e investigações contra ele - que são parte da nossa democracia e precisam ser feitas, mas não as asneiras que ele estrategicamente fala. Ele precisar responder por isso”, apontou a parlamentar.

A deputada Alice Portugal (BA) também se somou às manifestações contra a declaração de Bolsonaro. “Mais um episódio grotesco de violência contra mulher, ataque covarde. Todo nosso repúdio. Não vamos tolerar”, disse.

Para o deputado Márcio Jerry (MA), Bolsonaro não tem a mínima decência para ocupar a Presidência da República. “Atitude nojenta para qualquer um, inadmissível a um presidente da República. Vergonhoso, repugnante”, pontuou.

Já o deputado Orlando Silva (SP) apontou que o Congresso, mais cedo ou mais tarde, terá de enfrentar as seguidas quebras de decoro de Bolsonaro. “Quanta baixaria e vileza habitam em uma só pessoa. Até quando jornais e jornalistas deixarão esse senhor ter esses ataques de pelanca sem responder à altura? O Congresso, cedo ou tarde, terá de enfrentar as seguidas quebras de decoro desse desqualificado”, disse.

Assim como outras vezes, a fala de Bolsonaro serviu como cortina de fumaça para o presidente se esquivar de responder a perguntas sobre a alta no preço da gasolina e sobre a carta assinada por governadores o criticando. A tática também liberou Bolsonaro de comentar a morte do miliciano Adriano da Nóbrega, que era figura-chave na apuração do assassinato da vereadora Marielle Franco.

Nota de repúdio

À noite, no Plenário da Câmara, deputadas de diversos partidos apresentaram uma nota de repúdio contra o presidente Jair Bolsonaro em razão dos ataques desferidos contra Patrícia Campos Mello. As parlamentares ocuparam a Tribuna durante a votação da Medida Provisória sobre Crédito Rural para ler a nota e repudiar publicamente as ações do presidente.

Nota de repúdio ao presidente da República Jair Messias Bolsonaro

As deputadas federais abaixo assinadas vêm a público declarar total repúdio à declaração do Presidente da República Jair Bolsonaro sobre a jornalista Patrícia Campos Mello, ao dizer que “Ela queria um furo. Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim (risos)”.

A declaração absolutamente desrespeitosa e incompatível com a postura de um Presidente da República se referia à mentira contada pelo ex-funcionário da empresa Yacows durante depoimento prestado à CPMI das Fake News, de que a jornalista teria oferecido favores sexuais em troca de informações.

A própria jornalista publicou prints da conversa com o ex-funcionário, mostrando que foi ele quem insistiu em ir além da relação profissional, convidando-a para sair. Mas isso não foi suficiente para deixá-la a salvo dos ataques na internet e nem mesmo do Presidente Bolsonaro, que já foi condenado por atacar a dignidade sexual de uma parlamentar mulher, e que constantemente ataca a profissão de jornalista.

Esse tipo de discurso não ataca só a jornalista Patrícia, mas todas as mulheres que cotidianamente são vítimas de violência, seja dentro de casa, no transporte público e no próprio ambiente de trabalho.

Por isso repudiamos veementemente a postura do Presidente Jair Bolsonaro de, mais uma vez, atacar jornalistas e os direitos e a dignidade das mulheres em nosso País.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com