Petroleiros e caminhoneiros se unem contra destruição da Petrobras

Brasília, quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020 - 18:0

POLÍTICA

Petroleiros e caminhoneiros se unem contra destruição da Petrobras


Por: Iram Alfaia

As categorias denunciaram a política de preços da Petrobras, principal responsável pelo alto valor diesel, gasolina e gás de cozinha.

Richard Silva - PCdoB na Câmara

Sob aval da liderança da Minoria na Câmara dos Deputados, dirigentes da FUP (Federação Única dos Petroleiros) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL), que representa caminhoneiros autônomos, combinaram integrar as suas lutas e denunciar a política de preços e de destruição da Petrobras.

Além das duas categorias, estiveram presentes a uma reunião nesta quarta-feira (19), com parlamentares da oposição, representantes dos trabalhadores eletricitários, dos Correios e da Casa da Moeda.

Eles foram recebidos pela líder da Minoria, Jandira Feghali (PCdoB-RJ), mais os deputados Daniel Almeida (PCdoB-BA), Henrique Fontana (PT-RS), Túlio Gadelha (PDT-PE), Arlindo Chinaglia (PT-SP) e Patrus Ananias (PT-MG).

O tema central foi a integração da luta de todas as categorias, que pode culminar ainda este ano numa greve geral contra os ataques aos trabalhadores movidos pelo governo Bolsonaro.

“O momento agora é buscar a integração. É um governo que não tem nenhum compromisso com os pilares básicos da democracia, da convivência, do respeito às organizações da sociedade e nem com o parlamento”, disse Jandira Feghali.

Ela defendeu o estabelecimento de um calendário comum de luta entre os petroleiros e caminhoneiros, para que os parlamentares possam ajudar nas articulações e na pressão política.

Nesta quarta, o STF (Supremo Tribunal Federal) iria julgar a constitucionalidade da tabela do frete dos caminhoneiros, mas a pedido da Advocacia Geral da União (AGU) – seguindo orientação do governo –, o ministro Luiz Fux aceitou o pedido de suspensão da apreciação da matéria.

No dia 10 de março, os parlamentares e as categorias irão até Fux para apresentar suas argumentações.
Antes, no dia 6, os petroleiros também têm importante agenda de mobilização, pois na data termina o prazo da suspensão, determinado pelo Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR), para a demissão de 1 mil funcionários da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados da Petrobras no estado (Fafen).

Outras datas estão no radar da mobilização, como o próprio Carnaval, que será marcado por protestos.

No dia 4 de março, os trabalhadores dos Correios entram em greve; no dia 8, haverá manifestações em comemoração ao Dia Internacional da Mulher; e, no dia 18, será a paralisação nacional dos servidores públicos.

Preços dos combustíveis   

Os trabalhadores também decidiram fazer uma comunicação melhor com a população, a fim de ganhar mais apoio, sobretudo na questão de exigir mudanças na política de preços da Petrobras, verdadeira responsável pelo alto custo ao consumidor do diesel, gasolina e gás de cozinha.

Trata-se da política de Preço de Paridade de Importação (PPI), pela qual o governo favorece a entrada do produto importado competindo com o que é produzido no país.

O produto importado está chegando na Petrobras, que trabalha com apenas 30% da capacidade das suas refinarias e sem utilizar sua malha de gasodutos espelhada pelo Brasil.

Segundo os petroleiros, a estatal pratica ágio no preço para que os importados cheguem no país com valores mais competitivos.

Unidade

Paulo César Martin, da direção da Federação Única dos Petroleiros (FUP), diz que o encontro na liderança serviu para a categoria começar a discutir a pauta dos caminhoneiros.

“A partir daí a gente cada vez mais se aproxima, porque a nossa pauta, que é a redução dos preços dos combustíveis através da reativação das nossas refinarias, dialoga diretamente com os caminhoneiros”, disse o dirigente.

Segundo ele, os caminhoneiros estão com cargas reduzidas por decisão de governo para garantir o produto importado dentro do país, o que está encarecendo “os combustíveis por causa do famigerada política do PPI”.

“Nós saímos daqui com a certeza de que esses movimentos vão continuar. É a integração necessária para o futuro do Brasil, da classe trabalhadoras e da população”, defendeu.

Carlos Alberto Litti Dahmer, diretor da CNTTL, considerou que a atual política de preço está destruindo a Petrobras e acabando com o direito da população de ter um preço do combustível acessível.

Segundo ele, a agenda comum com os petroleiros será fundamental para fortalecer a luta das duas categorias.

Greve geral

Vitor Frota, diretor da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), diz que o movimento dos petroleiros e caminhoneiros é o pontapé para fortalecer a luta contra o desmonte do Estado brasileiro.

“O calendário de mobilização de março até o dia 1º de maio será intenso. A gente está construindo as mobilizações intermediárias, para findar numa possível greve geral no final do primeiro semestre ou no início do próximo”, disse.

O presidente da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Ubiraci Dantas, destacou que o fórum estabelecido na liderança da Minoria fortalecerá a luta de todas as categorias.

“O governo mexeu num formigueiro e isso vai ter desdobramentos importantes. Eles atacaram os direitos, aumentaram o desemprego e ameaçam a democracia. Agora, estão vendendo a Petrobras em pedaços e querem acabar com a Eletrobras e todas as estatais”, criticou.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com