Parlamentares e indígenas pedem devolução de projeto que libera mineração em terras indígenas

Brasília, quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020 - 18:29      |      Atualizado em: 18 de fevereiro de 2020 - 19:1

MINERAÇÃO EM TERRAS INDÍGENAS

Parlamentares e indígenas pedem devolução de projeto que libera mineração em terras indígenas


Por: Christiane Peres

Lideranças alegam inconstitucionalidade na proposta e pedem que o presidente da Câmara devolva o texto ao Executivo.

Richard Silva/PCdoB na Câmara
Neta da cacique Iracema diz que não quer um presidente como Bolsonaro

“Esse mercúrio que está caindo na terra, e a gente plantando, está nos matando. Maia, eu apelo pra ti, não deixe mais isso acontecer. Chega de nos matar. Chega de matar a mãe terra. Seja melhor, Maia.” A fala da cacique Iracema, do povo Kaingang, do Rio Grande do Sul, deu o tom da entrevista coletiva realizada nesta quarta-feira (12), na Câmara dos Deputados, onde parlamentares e lideranças indígenas anunciaram o pedido feito ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para que ele devolva ao Executivo o Projeto de Lei (PL) 191/2020, que libera mineração em terras indígenas.

O texto enviado pelo governo Bolsonaro no último dia 5, cumpre promessa antiga de Bolsonaro e regulamenta a exploração de minérios, hidrocarbonetos e o potencial hidrelétrico em terras indígenas. A proposta tem gerado críticas e preocupações nas comunidades.

Durante a entrevista, líderes da Oposição e da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Povos Indígenas alegaram a inconstitucionalidade da proposta.

“Esse projeto é absurdo, inconstitucional. O governo Bolsonaro está reunindo uma série de propostas nesse PL. Somos contrários, porque isso atinge a vida dos povos indígenas. O Brasil sequer solucionou problemas relacionados a desastres como Mariana, Brumadinho. Nós precisamos sanar as feridas. O Brasil não mostrou capacidade de fiscalizar, monitorar, essas grandes mineradoras e o governo Bolsonaro se propõe a levar isso paras terras indígenas. Esse PL apresenta vícios, erros. Não se pode regulamentar, alterar artigo, por lei ordinária. Teria de ser por PEC. Ele viola a convenção 169 da OIT, o direito de consulta prévia, livre e informada. Essa proposta deveria retornar ao poder Executivo”, afirmou a coordenadora da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Povos Indígenas, deputada Joênia Wapichana (Rede-RR).

O ofício com o pedido de devolução da matéria foi entregue a Rodrigo Maia no final da tarde em uma rápida reunião com o presidente da Casa. No final do ano passado, quando o governo anunciou que estudava a liberação de terras indígenas para exploração econômica, Maia criticou a ideia e afirmou que receberia e arquivaria a proposta. “A gente não pode usar o argumento de que está tendo mineração ilegal para liberar. Vamos acabar com mineração ilegal, com garimpo ilegal. Coibir atos ilícitos. Primeiro, o governo cumpre seu papel de fiscal, de coibir o ilegal, o desmatamento, os garimpos. Depois disso, vamos discutir em que condições pode-se avançar”, disse o presidente da Câmara à época.

No entanto, não foi o que ocorreu até o momento. Após receber o PL, a matéria já foi designada para uma comissão especial, visto que seria analisada por mais de três comissões permanentes da Casa.

No ofício entregue, os parlamentares destacam que o projeto “regulamenta o § 1º do art. 176 e o § 3º do art. 231 da Constituição para estabelecer as condições específicas para a realização da pesquisa e da lavra de recursos minerais e hidrocarbonetos e para o aproveitamento de recursos hídricos para geração de energia elétrica em terras indígenas e institui a indenização pela restrição do usufruto de terras indígenas”, o que deveria ser feito por emenda constitucional.

Vice-líder da Minoria, a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) destacou que a matéria, além de inconstitucional é predatória. “Totalmente fora de contexto e da possibilidade do desenvolvimento sustentável, da agricultura agroflorestal, da economia criativa e solidária que é possível de se realizar nas comunidades indígenas. É uma iniciativa que vai na contramão do mundo. E precisamos dizer não a este projeto”, pontuou.

A deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) também se somou ao esforço de pedir a devolução da proposta. Para ela, o governo Bolsonaro não está preocupado com a sustentabilidade das comunidades indígenas e quer promover um genocídio.

“Se o governo quisesse discutir a sustentabilidade, jamais discutiria um projeto como esse. Poderia discutir o uso sustentável das terras indígenas. Mas dinheiro pra isso não tem. Quem faz uma proposta como essa quer genocídio. Mas nós vamos resistir”, afirmou.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com