Oposição defende reforma tributária progressiva

Brasília, segunda-feira, 19 de agosto de 2019 - 10:6      |      Atualizado em: 26 de agosto de 2019 - 16:30

REFORMA TRIBUTÁRIA

Oposição defende reforma tributária progressiva


Por: Christiane Peres

Parlamentares pretendem elaborar uma proposta alternativa para apresentar na comissão especial que analisa o tema.

Richard Silva/PCdoB na Câmara
Líder do PCdoB na Câmara, Daniel Almeida defende proposta baseada na progressividade do tributo

O debate sobre a reforma tributária teve início no Congresso. Na Câmara, uma comissão especial já foi instalada para analisar a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 45/19, apresentada pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP), que prevê uma simplificação de tributos. Mas apesar de todas as legendas defenderem a necessidade da reforma, o conteúdo ainda não é unanimidade. O líder do PCdoB na Câmara, deputado Daniel Almeida (BA), vê com preocupação o texto apresentado por Rossi.

Para ele, a simplificação de tributos pode prejudicar municípios mais pobres. “Nós temos que ter cuidado nessa discussão para não tentar igualar estados muito ricos com estados mais pobres”, alertou.

Segundo o parlamentar, a Oposição está elaborando um texto alternativo que deve ser apresentado à comissão especial. “Ela é baseada na progressividade do tributo. Ou seja, paga mais quem tem mais renda, paga menos quem tem menos renda e paga nada quem não tem nada a pagar. Esse tributo que é feito hoje, baseado no consumo, produz uma profunda injustiça. As grandes fortunas não pagam, as heranças não pagam, os dividendos e lucros das empresas pagam pouco. A lógica de hoje é que rico não paga nada ou paga pouco tributo, mas o pobre não tem por onde escapar”, explicou.

A previsão é que o colegiado vote o relatório no dia 8 de outubro. Até lá, uma série de audiências públicas será realizada para debater o tema na Casa, além de audiências regionais.

Texto em discussão

Elaborada pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF), sob a liderança do ex-secretário de Política Econômica Bernard Appy, a proposta que tramita na Câmara, e já foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça, tem o apoio do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O texto propõe a extinção de cinco impostos que incidem sobre o consumo, sendo três federais: IPI, PIS e Cofins; um estadual: ICMS; e um municipal: ISS. Para substituir a arrecadação, cria o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS), cuja arrecadação ficaria a cargo de um comitê formado por União, estados e municípios. Também cria um imposto federal sobre bens e serviços específicos e o fim de qualquer tipo de incentivo fiscal. A transição completa seria de 50 anos.

As críticas que a proposta recebeu dos deputados se referem à regressividade, ou seja, quando, proporcionalmente, tributa-se mais de quem tem menos capacidade de contribuir, já que tributaria todos os setores com a mesma alíquota que incidiria, por exemplo, sobre a cesta básica.

Outras propostas

Além da PEC 45/19, a equipe econômica do governo Bolsonaro prepara uma proposta própria para enviar ao Congresso. A tendência é que, quando chegar, esse texto tramite em conjunto com a proposta de Baleia Rossi.

No entanto, no Senado, a PEC 110/19, que também trata de alterações na arrecadação e distribuição de recursos, está em discussão e coloca em xeque a defesa do presidente daquela Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), de construção de um único texto para “facilitar” o andamento da reforma no Congresso.

“Reafirmo: não adianta um processo de uma reforma tributária se iniciar na Câmara, outra se iniciar pelo Senado e o governo mandar outra proposta. Se a Câmara aprovar um texto sobre o qual o Senado não estiver convencido, o projeto vai parar no Senado. Se o Senado votar um texto e a Câmara não estiver convencida, vai parar na Câmara. E se o governo mandar outro texto diferente desses dois, também vai parar”, disse o parlamentar no início do mês, antes da instalação das comissões.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com