Capes e CNPq dependem de emendas parlamentares para recompor verbas em 2020

Brasília, quinta-feira, 31 de outubro de 2019 - 16:3

EDUCAÇÃO

Capes e CNPq dependem de emendas parlamentares para recompor verbas em 2020


Por: Agência Câmara

Proponente do debate, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) afirmou que buscará soluções definitivas para a área da ciência e tecnologia.

Richard Silva/PCdoB na Câmara

A área de ciência e tecnologia no Brasil dependerá de emendas parlamentares no valor de, pelo menos, R$ 900 milhões para ter recursos suficientes em 2020. Essa situação foi debatida nesta quinta-feira (31) na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional, com a presença de representantes do governo e especialistas.

A proposta orçamentária enviada pelo Poder Executivo destina no próximo ano cerca de R$ 2,5 bilhões à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), responsável pela concessão de bolsas para pesquisas e formação de professores. É um corte de 40% em relação ao Orçamento aprovado em 2019.

O presidente da Capes, Anderson Correia, disse que o governo Bolsonaro deverá fazer uma recomposição de R$ 600 milhões nas verbas, e duas emendas apresentadas pela Comissão de Educação da Câmara dos Deputados destinarão outros R$ 600 milhões à instituição. Se essas medidas se efetivarem, a Capes terá praticamente a mesma verba a ser empenhada neste ano (R$ 3,7 bilhões).

Para o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a proposta orçamentária prevê aumento de 6% nas verbas totais, destinando R$ 1,06 bilhão para a instituição. No entanto, os recursos para investimentos na infraestrutura, compra de equipamentos e custeio de pesquisas poderão ter um corte de 87%, sendo reduzidos para menos de R$ 17 milhões no próximo ano.

O presidente do CNPq, João Luiz de Azevedo, lamentou o corte nos recursos para o fomento dos centros de pesquisa. Neste ano, o setor já ficou sem recursos, devido à necessidade de remanejar o dinheiro para o pagamento de bolsas.

Para 2020, na avaliação de Azevedo, o CNPq precisaria de mais R$ 400 milhões para todas as atividades. Uma emenda da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara prevê R$ 300 milhões para a instituição.

Batalha

O presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Ildeu Moreira, anunciou que várias entidades pressionarão o Congresso por mais verbas. “Essas emendas para a Capes e o CNPq são fundamentais, vamos batalhar por elas, pois significa recompor minimamente o orçamento”, afirmou.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), que propôs o debate, disse que tentará buscar soluções definitivas para a área de ciência e tecnologia. “O principal é não ficarmos com emendas fazendo remendos, mas o Parlamento tomar medidas mais estruturais, que estabilize o financiamento da pesquisa no Brasil”, afirmou.

Neste ano, com o bloqueio de recursos orçamentários em decorrência da crise fiscal, o pagamento de bolsas a pesquisadores e cientistas ficou ameaçado. Depois, com a melhora na arrecadação de impostos, o Ministério da Economia liberou parte do dinheiro. Na Capes, R$ 550 milhões ainda estão bloqueados.

Impactos

O diretor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), André Biancareli, ressaltou que os bloqueios e os cortes de dinheiro revelam a baixa prioridade que o País dá para a ciência e tecnologia. Ele citou estudo de 2017 segundo o qual, para cada ponto percentual a mais no gasto em ciência e tecnologia em países desenvolvidos, a economia cresce 10% a mais.

No debate, a presidente da Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG), Flávia Calé, lembrou que as bolsas são, também, a remuneração pelo trabalho dos pesquisadores e cientistas. Ela sugeriu que, diante do aumento previsto para os militares (R$ 4,7 bilhões em 2020), o governo estude uma programação financeira que permita recompor também o valor das bolsas, sem correção desde 2013.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com