Protesto contra Bolsonaro ganha as redes e as ruas em diversos países

Brasília, segunda-feira, 29 de junho de 2020 - 10:53      |      Atualizado em: 30 de junho de 2020 - 20:20

PROTESTO

Protesto contra Bolsonaro ganha as redes e as ruas em diversos países


Por: Christiane Peres

Stop Bolsonaro ganhou adeptos em mais de 20 países, além do Brasil. Ato denuncia omissão do governo diante das mortes por coronavírus e política genocida e autoritária de Bolsonaro.

Reprodução
Ato ocorreu em mais de 20 países

O domingo (28) foi marcado por atos contra o governo de Jair Bolsonaro. Partidos de oposição e manifestantes contrários à política genocida do governo federal promoveram atos nas redes sociais e em mais de 20 países para denunciar a ameaça à democracia brasileira, assim como a falta de uma resposta efetiva por parte do governo à pandemia de coronavírus – que já vitimou mais de 57 mil brasileiros. Em Brasília, um grupo fez um ato simbólico em homenagem às vítimas da Covid-19.

Em publicações nas redes sociais, os manifestantes contrários a Bolsonaro afirmam que o presidente tem posto a democracia em risco com suas declarações e não tem atuado de forma efetiva a combater a pandemia do coronavírus no Brasil. Há também críticas à aproximação de Bolsonaro com o Centrão em busca de apoio no Parlamento em troca de cargos.

O Stop Bolsonaro foi promovido por partidos como o PT e o PCdoB, além de movimentos sociais como o MST, sindicatos como a CUT, entre outras entidades e coletivos. As hashtags #StopBolsonaro e #StopBolsonaroMundial chegaram a ficar entre os assuntos mais comentados no Twitter no Brasil na manhã deste domingo.

Parlamentares do PCdoB participaram do ato e se manifestaram nas redes sociais. A líder da legenda, deputada Perpétua Almeida (AC), afirmou que para além da pandemia, o Brasil possui um governo que trouxe uma “onda de obscurantismo e negação da ciência”. “Nesse governo, o presidente estimula o ódio, a intolerância, o racismo e a discriminação contra as mulheres. Desmonta todas as políticas de enfretamento da violência contra a mulher e qual o resultado disso? O crescimento do feminicídio. Bolsonaro é incapaz de se colocar no lugar da dor do outro. É preciso dizer chega”, enfatizou.

Vice-líder da legenda, o deputado Márcio Jerry (MA) destacou que o “clamor” pelo fim deste governo ecoa pelo mundo. “#StopBolsonaroMundial. O Brasil é muito forte e belo, não merece isso, não merece passar por tantos vexames e tamanha crise”, disse.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) também participou do ato. Para ela, a repercussão do protesto em 70 cidades e mais de 20 países coloca para o mundo a realidade vivida Brasil hoje. “Quando Dilma sofreu o impeachment, sem nenhum crime, vimos as cores da liberdade sendo esmaecidas em nosso país. Resistimos aos anos nefastos de Michel Temer. Vimos direitos sendo retrocedidos. E chegamos a este governo, com os eleitores de Bolsonaro sendo induzidos ao erro nas eleições, marcadas por fake News. Mas as pesquisas mostram que o povo já não aceita Bolsonaro, somos 70% da população, e a população não quer mais sua forma de governar, sobretudo agora, no momento em que devia estar defendendo as vidas”, disse a parlamentar.

Já a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) enfatizou a importância da manutenção do movimento para a efetivação do fim do governo de Bolsonaro. “Esse grito para parar Bolsonaro iniciou com mulheres e se soma às nossas vozes agora. Não é mais possível termos um governo que despreza a vida, debocha das mortes, que não consegue respeitar a democracia e muito menos a nossa liberdade. É nessa força que todos precisam se somar para que a gente consiga virar a realidade do comando do governo brasileiro. Esse movimento não pode parar para que a gente tenha soluções concretas. Já somos maioria nas pesquisas, na sociedade, mas isso precisa se desdobrar em algo concreto. Precisamos parar Bolsonaro”, destacou.
 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com