Câmara aprova mudanças no código de trânsito brasileiro

Brasília, terça-feira, 22 de setembro de 2020 - 18:22

TRANSPORTES

Câmara aprova mudanças no código de trânsito brasileiro


Por: Walter Félix

PCdoB criticou medidas que flexibilizam legislação, alertando que mudanças não trazem dispositivos garantidores da segurança viária.

Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

O Plenário aprovou nesta terça-feira (22) a maior parte das emendas do Senado ao Projeto de Lei 3267/19, do Poder Executivo, que altera o Código de Trânsito Brasileiro. Entre as principais medidas, a proposta aumenta a validade da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) para dez anos e vincula a suspensão do direito de dirigir por pontos à gravidade da infração.

A CNH terá validade de dez anos para condutores com até 50 anos. O prazo atual, de cinco anos, continua para aqueles com idade igual ou superior a 50 anos. Já a renovação a cada três anos, atualmente exigida para aqueles com 65 anos ou mais, passa a valer apenas para os motoristas com 70 anos de idade ou mais.

O deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA) lamentou que, apesar das melhorias feitas pelo relator, deputado Juscelino Filho (DEM-MA), o projeto flexibilizou algumas garantias que a legislação atual estabelece. "Quando tratamos dessa matéria, consideramos que ela não traz dispositivos garantidores da segurança viária. Era preciso nós avançarmos na proteção à vida das pessoas", lembrou.

Emendas do Senado

Os parlamentares aprovaram 8 das 12 emendas do Senado ao texto do relator na Câmara dos Deputados, como a que proíbe converter pena de reclusão por penas alternativas no caso de morte ou lesão corporal provocada por motorista bêbado ou sob efeito de drogas.

Segundo Daniel Almeida, esta foi a alteração mais relevante proposta pelos senadores no projeto, visando aprimorar o texto. "A substituição da pena privativa de liberdade por pena restritiva de direitos é um absurdo total para certas pessoas, como os condutores, que cometem crimes, quando estão alcoolizadas ou usando drogas", comentou.

Cadeirinha

Quanto ao uso da cadeirinha, o Senado propôs que o equipamento, que pode ser um assento de elevação (booster) ou uma cadeira especial presa ao assento, deverá ser adequado ao peso e à altura da criança. Juscelino Filho já havia acrescentado o limite de altura de 1,45 metro à idade de dez anos para a qual é feita a exigência de permanecer no banco traseiro.

A obrigatoriedade da cadeirinha, hoje prevista em resolução do Contran, foi incorporada ao Código de Trânsito e a multa continua gravíssima. No texto original, o Executivo propunha o fim da penalidade.

O texto seguirá para sanção do presidente da República.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com