Seminário aponta caminhos para resgatar o Brasil da crise

Brasília, quinta-feira, 10 de outubro de 2019 - 18:6

ECONOMIA

Seminário aponta caminhos para resgatar o Brasil da crise


Por: Walter Félix

A Comissão de Trabalho e a liderança da Minoria na Câmara promoveram, nesta quinta-feira (10), seminário com o tema “Repensando a Economia Brasileira”. O evento debateu alternativas para a retomada do crescimento econômico.

Gabriel Paiva/PT na Câmara
Maria de Lourdes Rollemberg, deputadas Marcivânia e Jandira, Esther Dweck e Simone Deos

A Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados realizou, nesta quinta-feira (10), seminário com o tema “Repensando a Economia Brasileira”, que debateu alternativas para a retomada do crescimento econômico no Brasil com geração de emprego e distribuição de renda.

O evento, promovido em parceria com a liderança da Minoria na Casa, recebeu as economistas Simone Deos, professora do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); Maria de Lourdes Rollemberg Mollo, do Departamento de Economia da Universidade de Brasília (UnB); e Esther Dweck, professora do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Convidado para o debate, o professor Luiz Gonzaga Belluzzo não pôde comparecer e enviou um vídeo em que faz um diagnóstico da grave situação econômica do país. “Estamos diante de uma crise conjuntural, que resultou de um ajuste fiscal absolutamente desnecessário”, disse.

O economista lembrou que a economia brasileira, que já foi uma das mais desenvolvidas entre os países emergentes, sofreu o mais intenso processo de desindustrialização, na qual alguns setores praticamente desapareceram – como o caso da indústria de eletroeletrônicos.

A expectativa dos organizadores do evento é que, a partir deste debate, os parlamentares dos partidos da oposição possam identificar e construir eixos para o desenvolvimento, que consigam unir as forças convergentes do país em ações que conduzam a mobilização da sociedade civil e uma atuação coerente no Congresso Nacional.

Segundo a líder da Minoria, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), romper as amarras de uma visão única que vem sendo imposta há pelo menos 25 anos, de que não há outro caminho a ser seguido, é o debate central do momento político e econômico brasileiro.

“A realidade brasileira tem profunda complexidade, com dados econômicos de difícil compreensão. Como a gente chegou a essa situação, com tanto desemprego, precarização, informalidade, falta de oportunidade e perspectiva para o povo brasileiro. Mas não podemos nos limitar às constatações. Precisamos entender porque chegamos até aqui, qual é a doutrina econômica que nos fez chegar até aqui, se temos saída e quais são”, resumiu.

Jandira destacou que a oposição deve apontar alternativas de um outro caminho para o Brasil, com geração de emprego, geração de renda, de novas perspectivas que o povo brasileiro pode ter. “A política econômica do governo Bolsonaro está equivocada. (Paulo) Guedes insiste que a solução é entregar tudo para o mercado e reduzir o papel do Estado. Isso só terá como desfecho o desastre econômico e social”, afirmou.

Debates

Em suas palestras, as convidadas fizeram abordagens sobre a ciência econômica mundial, que serviram de parâmetros para a análise dos rumos da economia brasileira e dos impasses provocados pelo ultraliberalismo dos últimos anos no país.

Para Maria de Lourdes Rollemberg Mollo, o limite de gastos imposto pela Emenda Constitucional 95/2016, que adotou a política do “teto dos gastos” por 20 anos, “só serve a um senhor, o mercado financeiro”. “Sem investimentos do Estado cai a geração de emprego e renda”, assinalou a economista.

“Todas as vezes que se tentou reduzir gastos do governo e iniciar esta campanha de austeridade fiscal, que está vindo cada vez mais, a gente teve uma experiência péssima de um crescimento que rateia e não decola. Isso está acontecendo aqui e no mundo”, pontuou.

De acordo com Simone Deos, a política econômica do governo Bolsonaro “está desestruturada, produzindo um desastre que os dados mostram e os olhos veem”. Ela avaliou também que a retórica oficial está desatualizada em relação ao debate que se faz no mundo atualmente.

Foco no emprego

A economista defendeu uma orientação econômica “desenhada” para a geração de empregos. “Temos que ter programas desenhados diretamente para o emprego. Não esperar que o pleno emprego seja o resultado das ações de política econômica. Tem que ter foco no emprego de qualidade. Não interessa só o crescimento, o que precisamos é de desenvolvimento. Ou seja, crescimento com redução da desigualdade de renda e riqueza”, frisou.

Mediadora do seminário, Esther Dweck sublinhou que o debate revelou como a política econômica colocada em prática pela equipe do atual governo está na contramão das necessidades do país. “Ela não é capaz de promover a recuperação da economia”, disse.

Esther Dweck ressaltou que as opiniões convergiram para uma análise crítica da situação e na apresentação de alternativas que podem tirar o país da crise. “A estratégia principal deve ser retomar o crescimento e a geração de empregos”, apontou.

Para isso, a economista reforçou a necessidade de se barrar o processo de desmonte da economia e aumentar o investimento público para recuperar a capacidade de crescimento.

Alternativas

A presidente da Comissão de Trabalho, deputada Professora Marcivânia (PCdoB-AP), destacou que Bolsonaro “se elegeu com fake news e está governando com mentiras”. A parlamentar lembrou que os trabalhadores têm sido um dos principais alvos dos ataques do governo.

“Uma coisa é certa: essa política econômica não resolve os problemas do país. Estamos vivendo retrocessos em todas as áreas e devemos apresentar caminhos ao nosso povo. Precisamos ir para as ruas e dizer que existem alternativas a esta política tão excludente e perversa, principalmente com os mais pobres”, frisou.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com