PEC 438 adota medidas contra os que mais precisam do Estado

Brasília, quarta-feira, 4 de dezembro de 2019 - 13:17

POLÍTICA

PEC 438 adota medidas contra os que mais precisam do Estado


Por: Christiane Peres

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara aprova Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 438/2018, que regulamenta a chamada regra de ouro. Para o deputado Renildo Calheiros (PCdoB-PE), preocupação da proposta é justa, mas ataca os que mais necessitam do Estado.

Pablo Valadares/Agência Câmara

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou por 39 votos contra 14, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 438/2018, de autoria do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), que regulamenta a regra de ouro.

O texto aciona mais rapidamente gatilhos de contenção dos gastos e cria novos freios para as contas do governo. A regra de ouro impede o governo de se endividar para custear despesas como folha salarial, manutenção de órgãos e programas sociais.

De acordo com a PEC, na hora de apertar o cinto, o Executivo vai ter de reduzir incentivos fiscais, suspender repasses ao Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), cortar gastos com publicidade oficial e até mesmo vender ativos e bens públicos.

O texto também prevê a redução da jornada de trabalho e do salário de servidores públicos, além de permitir a demissão de concursados que ainda não têm estabilidade e de funcionários que ocupam cargos em comissão.

Segundo o deputado Renildo Calheiros (PCdoB-PE), a nova regra vai prejudicar a população mais pobre, que depende de serviços públicos.

“É evidente que precisamos de responsabilidade fiscal, mas o foco não deve ser desestruturar o serviço público e muito menos de penalizar o servidor", disse.  "Se há ineficiência, deve ser combatida. Se há desvio de recursos, deve ser combatido", destacou.

Para o parlamentar, a PEC exagera na proteção de quem não precisa: o sistema financeiro.

“O Brasil é uma das economias mais importantes do mundo, mas tem a marca perversa de ser muito desigual. Nosso foco deveria ser o serviço público de qualidade, não apenas pagamento da dívida, como quer a PEC. Ela traz uma preocupação justa, mas adota medidas contra os que mais precisam do Estado e de serviços públicos de qualidade”, pontuou Renildo.

Comissão especial

Com a aprovação do texto, a PEC agora será analisada por uma comissão especial e, depois, pelo Plenário da Câmara.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com