Bolsonaro recua do Renda Brasil com medo das eleições

Brasília, terça-feira, 15 de setembro de 2020 - 17:33

POLÍTICA

Bolsonaro recua do Renda Brasil com medo das eleições


Por: Christiane Peres

Líder do PCdoB afirma que apesar do recuo, destruição de políticas e direitos sociais é norte do governo Bolsonaro. Oposição lutará no Congresso para garantir auxílio mínimo aos mais necessitados no Orçamento de 2021.

Reprodução da Internet

Bolsonaro recuou nesta terça-feira (15) do seu anunciado Renda Brasil, programa que substituiria o Bolsa Família. Em vídeo em suas redes sociais, o presidente afirmou que até 2022 “está proibido falar a palavra Renda Brasil”. “Vamos continuar com o Bolsa Família. E ponto final", afirmou.

Para a líder do PCdoB na Câmara, deputada Perpétua Almeida (AC), o recuo reflete a preocupação de Bolsonaro com as eleições municipais deste ano.

“Esse governo não se entende. Bolsonaro fala uma coisa, a equipe econômica outra. Um vai passando a rasteira no outro. Não trabalham conectados para buscar saídas diante da grave crise econômica que já deixa milhões de desempregados, nem para a crise sanitária, que já tirou a vida de mais de 130 mil brasileiros. Fica claro também que o presidente age apenas por interesses eleitorais. Mudou de ideia, sobre o Renda Brasil com medo de ter prejuízos nas eleições municipais deste ano. Mas o objetivo de destruir políticas e direitos sociais é o norte do governo”, afirmou.

Perpétua Almeida afirmou ainda que a Oposição irá atuar para garantir no Orçamento de 2021 “um programa de auxílio mínimo aos mais necessitados”. “É absurdo, que no meio de tamanha crise econômica, ele queira congelar o pouco daqueles que recebem aposentadorias, pensões e seguro-desemprego”, disse. 

De acordo com informações divulgadas pela imprensa esta semana, o governo de Jair Bolsonaro estuda revisar milhões de benefícios destinados a idosos e deficientes. A medida, que vinha sendo estudada pelos ministérios da Economia e Cidadania, poderia gerar uma “economia” de R$ 10 bilhões por ano. O objetivo seria endurecer a regulamentação dos critérios para recebimento do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Bolsonaro, afirmou, no entanto, que desconhece a medida. Mas sua equipe vem defendendo ainda mais arroxo para os mais necessitados. O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, chegou a dizer, por exemplo, que a equipe econômica defende que benefícios previdenciários, como aposentadorias e pensões, sejam desvinculados do salário mínimo, o que congelaria os benefícios, deixando-os sem reajustes. Esse congelamento abriria espaço no orçamento para financiar o programa Renda Brasil.

Para o vice-líder da Oposição, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), Bolsonaro quer matar os pobres de fome. “O governo covarde corta o auxílio emergencial pela metade, quer tirar R$ 10 bilhões de idosos e pessoas com deficiência e não vai dar nada ao povo! Bolsonaro quer matar os pobres de fome”, afirmou.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com