Daniel Almeida rechaça nova proposta de capitalização na Previdência

Brasília, segunda-feira, 19 de agosto de 2019 - 14:42      |      Atualizado em: 26 de agosto de 2019 - 16:29

POLÍTICA

Daniel Almeida rechaça nova proposta de capitalização na Previdência


Por: Walter Félix

O líder da Bancada do PCdoB, deputado Daniel Almeida (BA), rechaçou a intenção do governo de recolocar em debate a adoção do regime de capitalização na Previdência. “Retomar o assunto ainda nesta legislatura não tem cabimento. Esse tema já foi rejeitado na comissão e no plenário. Vamos cobrar que se cumpra o regimento e que não tramite uma matéria com esse conteúdo se ela chegar aqui”, afirmou.

Richard Silva - PCdoB na Câmara

Após a derrota na tentativa de impor o sistema de capitalização na reforma da Previdência, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, anunciou que o governo deve enviar ao Congresso Nacional nos próximos dias uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) sobre o tema.

Daniel Almeida se posicionou contra o anúncio do governo, apontando que a proposta “tem um mérito que já foi analisado”. “Se o governo enviar essa PEC, vamos fazer o enfrentamento mais duro possível, denunciando essa insistência em acabar com a previdência pública e entregar as contribuições previdenciárias ao sistema financeiro”, acrescentou.

O parlamentar também alertou que, além de representar “enorme risco para o trabalhador”, a mudança para o sistema de capitalização pode implicar em um processo de transição de custo incerto e altamente elevado para os cofres da União.

“A capitalização tem uma etapa de transição, que pode custar duas ou três vezes o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro – ninguém sabe qual é o valor”, avaliou.

O deputado comunista observou que, para fazer a transição de uma Previdência pública para um regime privado, o Estado será obrigado a arcar com os valores que os segurados no atual sistema previdenciário já contribuíram.
“Isso seria algo inaceitável, absurdo. Só cabe uma proposta como essa na cabeça de banqueiro. Como o Guedes é um banqueiro, que procura implementar a sua visão do sistema financeiro, ele insiste nesse absurdo, nessa coisa completamente incabível”, afirmou.

Em maio, o secretário de Previdência do Ministério da Economia, Leonardo Rolim, admitiu em uma audiência na Câmara que o governo estimava um custo de transição do atual sistema para o regime de capitalização de R$ 115 bilhões em dez anos e R$ 985 bilhões em 20 anos.

O líder do PCdoB lembrou ainda que, no Chile, o modelo que o governo quer implementar fracassou, evidenciando os riscos que representa a mudança de um sistema de repartição, no qual os trabalhadores em atividade pagam os benefícios de quem já está aposentado, para o modelo de capitalização, que é uma espécie de poupança individual que o segurando faz.

“Se o banco, a instituição escolhida para gerir essas contribuições, não utilizar bem esse recurso, esse fundo pode ficar pequenininho, como aconteceu no Chile, onde quando o pessoal foi se aposentar não tinha dinheiro”, assinalou Daniel Almeida.

No país vizinho, os aposentados estão recebendo benefícios de menos de um salário mínimo por mês e há registros até de suicídios de idosos desesperados.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com