Oposição acredita em abertura de processo contra Temer

Brasília, quinta-feira, 21 de setembro de 2017 - 12:45

#FORATEMER

Oposição acredita em abertura de processo contra Temer


Por: Christiane Peres

Para comunistas nova denúncia é consistente e deve ser acatada na Câmara.

Evaristo Sá/AFP

O posicionamento favorável de 10 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) em relação ao envio à Câmara da segunda denúncia feita contra Michel Temer pela Procuradoria Geral da República (PGR) já começou a repercutir no Congresso. Apenas Gilmar Mendes se posicionou contrário ao envio. Agora, a Câmara terá mais uma chance de abrir a investigação contra o peemedebista.

Para deputados da Oposição, desta vez Temer terá mais dificuldade para impedir o avanço do processo. Na avaliação da líder do PCdoB, deputada Alice Portugal (BA), a denúncia é consistente e a pressão popular pode contribuir para a mudança de votos de parlamentares que salvaram a pele de Temer anteriormente.

“A denúncia é consistente e dessa vez vem com mais força. É preciso que os deputados que livraram Temer sejam contatados e que se solicite a eles a saída do ilegítimo”, disse Alice.

A segunda denúncia foi encaminhada no dia 14 de setembro pelo então procurador-geral Rodrigo Janot. Desta vez, ele denunciou Temer por organização criminosa e obstrução de Justiça. No entanto, assim como na primeira denúncia, o processo só chegará à Câmara após liberação pelo STF.

“A Câmara terá nova oportunidade de fazer seu papel. Era uma mala na primeira denúncia, agora já são 12. Enquanto isso, o Brasil tem afundado numa crise profunda, com perda de direitos, com entrega do patrimônio público às multinacionais”, pontuou o deputado Davidson Magalhães (PCdoB-BA).

Apesar deste entendimento, a disputa promete ser acirrada novamente. A expectativa é que já na próxima semana a denúncia chegue à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara. O colegiado então analisará a denúncia para só depois enviar ao Plenário. A Constituição Federal determina que, para ser autorizada a abertura de investigação contra um presidente da República, são necessários os votos de 342 deputados, ou seja, dois terços dos membros da Casa. Caso contrário, o Supremo não pode dar continuidade ao processo. Caso tenha andamento, Temer será afastado e poderá perder o mandato se for condenado.

Compras de votos não devem se repetir

Umas das estratégias de Temer para garantir o engavetamento da primeira denúncia foi a compra de votos, por meio de liberação de emendas parlamentares e a edição de medidas provisórias para beneficiar alguns setores, como o agronegócio.

Dos 263 votos de minerva, metade veio da bancada ruralista que garantiu a edição de uma medida provisória que alivia a dívida previdenciária de produtores rurais.

“O que ele fez na outra votação foi um verdadeiro balcão de negócios: troca de emendas, edição de medidas provisórias para garantir o voto corporativo de muitas bancadas, como a anistia das multas dos latifundiários em relação à dívida da Previdência. Ao mesmo tempo que o governo alega que é necessário vender o patrimônio público para resolver o ajuste ou diz que não tem dinheiro para manter as escolas, as universidades, os hospitais, utiliza desses artifícios para se manter no governo. Não vamos aceitar isso e vamos lutar para garantir que Temer seja investigado. É o mínimo que essa Casa pode fazer”, disse a deputada Luciana Santos (PCdoB-PE), presidente nacional da legenda.

Para ela, os meios utilizados por Temer e sua equipe só comprovam que o impeachment contra a presidente Dilma Rousseff não tinha relação alguma com combate à corrupção, como se alegava à época. “Era só para que eles voltassem ao poder para impor as reformas que retiram direitos da população e o desmonte do Estado brasileiro. Nós estamos diante de um governo entreguista, que vira as costas para o povo brasileiro”, pontuou Luciana Santos.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com