Aras joga pá de cal na Lava Jato, diz Perpétua Almeida

Brasília, quarta-feira, 29 de julho de 2020 - 10:51

POLÍTICA

Aras joga pá de cal na Lava Jato, diz Perpétua Almeida


Por: Da Redação, com informações de agências

Líder do PCdoB repercute declaração do procurador-geral da República sobre corrigir rumos do “lavajatismo”.

Sergio Lima/Poder 360
"É hora de corrigir os rumos para que o lavajatismo não perdure", diz Aras

Em um debate virtual promovido por um grupo de advogados, nesta terça-feira (28), o procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou que é hora de “corrigir rumos” para que o “lavajatismo” passe e seja substituído no Ministério Público por outro modelo de enfrentamento à criminalidade.

Para a líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (AC), Aras “joga uma pá de cal na Operação Lava Jato”. “Mundão não gira, ele capota… É Aras, o PGR de Bolsonaro, quem joga a pá de cal na Lava Jato. ‘É a hora de corrigir os rumos para que o lavajatismo não perdure.’ ‘A força-tarefa de Curitiba é uma caixa de segredos.’ ‘Dados de 38 mil pessoas não podem servir à chantagem e extorsão’”, elenca Perpétua as declarações de Aras no debate promovido pelo grupo Prerrogativas.

O procurador-geral afirmou que a força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba tem os dados de 38 mil pessoas e funciona como uma “caixa de segredos”. Segundo ele, a operação tem mais dados armazenados do que todo o sistema do Ministério Público Federal. O arquivo do grupo de procuradores de Curitiba tem 350 terabytes, enquanto o sistema do MPF tem disponível apenas 40 terabytes.

“Curitiba tem 38 mil pessoas lá com seus dados depositados. Ninguém sabe como foram escolhidos, quais os critérios, e não se pode imaginar que uma unidade institucional se faça com segredos, com caixas de segredos. Nenhuma instituição”, afirmou o procurador-geral.

Aras disse ainda que recentemente foram descobertos 50 mil documentos invisíveis à corregedoria. “Não podemos aceitar 50 mil documentos sob opacidade. É um estado em que o PGR não tem acesso aos processos, tampouco os órgãos superiores, e isso é incompatível”, afirmou ao comentar a proposta de criação da Unidade Nacional de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Unac) em discussão no MPF.

Críticos do modelo citam risco de excessiva centralização de poder. Um outro ponto seria também a concentração de informações de inteligência em um órgão. O coordenador dessa unidade seria escolhido por Aras, a partir de uma lista tríplice elaborada pelo conselho do Ministério Público.

O pano de fundo da discussão é a desconfiança com que em geral procuradores veem Aras. Ele assumiu o comando da PGR por indicação direta do presidente Jair Bolsonaro, sem ter disputado eleição interna da categoria, como seus antecessores.

O Ministério Público Federal atravessa uma crise que opõe a cúpula da instituição em Brasília e integrantes das forças-tarefas da Lava Jato.

No mês passado, a PGR tentou ter acesso aos dados armazenados pela investigação no Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo.

A força-tarefa em Curitiba recebeu a visita de Lindôra Araújo, uma das principais auxiliares de Aras, mas se recusou a entregar os dados, questionando a legalidade da busca e acusando o procurador-geral de “manobra ilegal”.

Segundo a força-tarefa, não houve comunicação de qual seria a pauta da reunião. Os procuradores afirmaram que "não foi formalizado nenhum ofício solicitando informações ou diligências, ou informando procedimento correlato, ou mesmo o propósito e o objetivo do encontro".

Sob o argumento de que o acesso tem respaldo em decisões judiciais, incluindo despacho de 2015 do então juiz Sergio Moro, Aras recorreu ao Supremo Tribunal Federal.

O presidente da corte, Dias Toffoli determinou o compartilhamento de dados. Ao expedir a ordem, o ministro afirmou que a postura da Lava Jato viola o princípio da unidade do Ministério Público.

O procurador-geral disse nesta terça que não é dono dos destinos de 38 mil pessoas. E defende “que todo o MPF possa, de forma fundamentada, justificar para o que quer saber da vida alheia, para que isso não sirva de chantagem, extorsão”.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com