Projeto garante internet a alunos e professores da rede pública na pandemia

Brasília, segunda-feira, 13 de julho de 2020 - 12:43      |      Atualizado em: 17 de julho de 2020 - 11:43

EDUCAÇÃO

Projeto garante internet a alunos e professores da rede pública na pandemia


Por: Nathália Bignon*

Apresentada na Câmara, proposta pretende usar recursos de fundo gerido pela Anatel para custear tecnologia.

Richard Silva/PCdoB na Câmara
Jerry quer usar Fust para garantir acesso à internet a professores e alunos da rede pública na pandemia

Em meio a polêmicas protagonizadas por ministros e denúncias de redução de investimentos em educação, um Projeto de Lei apresentado na Câmara dos Deputados espera garantir o fornecimento de  internet banda larga individualizada para estudantes do 9º ano do ensino fundamental, ensino médio e professores da rede pública durante a pandemia.

De autoria do vice-líder do PCdoB, deputado Márcio Jerry (MA), a proposta acrescenta um parágrafo à lei do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust), instituída em 2000 para assegurar o acesso à telefonia e internet nas regiões do país com baixa densidade demográfica e dinâmica econômica.

Segundo dados da Câmara dos Deputados, o total arrecadado pelo fundo, desde a sua criação, supera os R$ 21,8 bilhões, mas os recursos não vêm sendo aplicados para a expansão da telefonia por parte da Anatel. O autor recorda que o artigo 5º da lei determina que ao menos 18% do Fundo deveria ser aplicado em educação, mais especificamente em estabelecimentos públicos de ensino, o que também não se comprova. O valor corresponderia a R$ 3,9 bilhões.

Com um total de 8 milhões de alunos inscritos do 9º ano ao ensino médio e mais um milhão de docentes nas esferas municipal, estadual e federal, de acordo com o último Censo, Jerry aponta ainda que a estimativa de custos para bancar o acesso destes públicos à tecnologia seria de cerca de R$ 1,5 bilhão, por 10 meses, menos da metade do valor determinado como de uso obrigatório para aplicação.

Além da preocupação com a finalização do ensino fundamental por alunos do 9º ano e da preparação dos alunos para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o deputado justifica a urgência do projeto com o provável crescimento da evasão escolar pela falta de recursos que viabilizem a participação dos estudantes.

“O PL quer assegurar a utilização de um fundo já existente para garantir direitos”, frisou Márcio Jerry.

Situação do país

Desde março, com a suspensão das atividades presenciais e a adoção de aulas on-line, cada vez mais estudantes têm abandonado as instituições de ensino. Dados mais recentes do IBGE apontam que 11,8% dos jovens entre 15 e 17 anos — o equivalente a 1,1 milhão de pessoas — estavam fora da escola em 2018. O risco do aumento da evasão escolar vem crescendo pela dificuldade de acesso à internet, gerando novos excluídos.

Um relatório divulgado no fim de junho pela a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) informou que 40% de um grupo de mais de 200 países não têm como oferecer apoio a estudantes no ensino a distância durante a pandemia. No capítulo dedicado ao Brasil, foram feitas observações quanto a escolas que aprovam estudantes que não assimilaram de fato os conteúdos e as barreiras enfrentadas pela parcela negra, definidas como “legado de oportunidades limitadas de educação”.

No início de julho, o Conselho Nacional de Educação (CNE) emitiu um parecer com orientações para a retomada gradual de aulas e atividades pedagógicas presenciais no país. Apesar das sugestões apresentadas, o órgão reforça que o retorno não dará conta de toda a oferta de aprendizado e que a presença do ensino à distância será necessária até, pelo menos, 2021.

*Ascom deputado Márcio Jerry









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com