PEC 241 desmonta Estado brasileiro

Brasília, sexta-feira, 7 de outubro de 2016 - 17:31

PALAVRA DO LÍDER

PEC 241 desmonta Estado brasileiro


Por: Daniel Almeida

Arte Álvaro Portugal/PCdoB na Câmara

Faz 37 dias que o golpe se consolidou e o interino Michel Temer se tornou efetivamente presidente ilegítimo no Brasil. Sem voto popular, o governo golpista iniciou a mais perversa ofensiva de desestruturação de direitos sociais e da capacidade de o Estado intervir na economia.

A ideia é mudar a natureza do Estado Brasileiro, desmontando o caráter desenvolvimentista herdado do século XX, desconstituindo as bases do modelo de cidadania criado pela Constituição de 1988 e limitando a capacidade estatal de agir em prol da construção de um modelo de desenvolvimento, com distribuição de renda.

Caso a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 241/16) seja aprovada, a cada ano, limites de gastos serão fixados pelas despesas do ano anterior corrigidas pelo IPCA, do IBGE. A mudança valeria por 20 anos. Há algumas exceções previstas, mas fundamentalmente esse modelo impõe um extremado grau de limitação deste e dos próximos quatro governos.

Nesse cenário desolador, o compromisso do Plano Nacional de Educação (PNE) de aplicar 10% do PIB nos programas educacionais, por exemplo, seria inviabilizado. Atualmente, investimos pouco mais de 6,6%. Na Saúde, limitar os recursos à reposição inflacionária agravará o quadro de subfinanciamento presente, tornando cada vez mais precário o atendimento público, o que favorece as operadoras de planos de saúde.

Se as novas regras estivessem em vigor entre 2005 e 2015, a educação teria recebido menos de R$ 25 bilhões no ano passado. Isso é aproximadamente um quarto do orçamento real efetivamente realizado em 2015. Ao longo dessa década, o setor teria perdido R$ 350 bilhões. Na Saúde, a perda teria sido de R$ 654 bilhões no mesmo período, estima o IPEA.

Hoje as despesas com saúde e educação possuem critérios específicos de proteção, mas perderão as garantias atuais e apenas a correção inflacionária sobreviverá. E, como o limite é total, qualquer recurso a mais que for direcionado para essas áreas implicará cortes em outros programas. Esse modelo inverte a lógica constitucional: onde há obrigação de gastos mínimos haverá um teto, um máximo de gasto.

Mas o que ocorre com as demais despesas públicas, para as quais não há nenhuma garantia, é uma grande redução. Esse conjunto de despesas fundamentais, como Assistência Social e Trabalho, cairão dos atuais 8,5% do PIB para apenas 3,5%.

A PEC 241 é extremamente nociva à população brasileira. O governo ilegítimo insiste em fazer os ajustes pela redução de direitos e pela restrição dos serviços públicos prestados à sociedade. Enquanto isso, os gastos financeiros não sofrem nenhuma restrição. Michel Temer ignora medidas que poderiam resultar em maior justiça social, especialmente no campo tributário. Foram afastadas as soluções como a taxação de grandes fortunas ou das maiores heranças. Perde-se a oportunidade de acertar as contas com segmentos sociais e econômicos que ganham muito e sempre. É hora de reforçar a luta!

*Deputado federal pela Bahia e líder do PCdoB na Câmara.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com