Resistência ao fascismo não pode ficar restrita à esquerda

Brasília, terça-feira, 12 de novembro de 2019 - 13:36

POLÍTICA

Resistência ao fascismo não pode ficar restrita à esquerda


Por: Iram Alfaia

Em debate na Câmara, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) considera impossível reagir aos avanços do fascismo na América Latina se as forças sociais e populares não se integrarem na luta.

Richard Silva/PCdoB na Câmara
Jandira Feghali participa do seminário Brics dos Povos na Câmara dos Deputados

Representante do PCdoB nesta terça-feira (12) na Câmara dos Deputados, em Brasília, no debate “Crise política internacional e a luta popular”, do “Brics dos Povos”, a líder da Minoria na Casa, Jandira Feghali (RJ), considerou impossível reagir aos avanços do fascismo na América Latina se as forças sociais e populares não se integrarem na luta.

“Essa luta não terá sucesso se se limitar à esquerda. Nós precisamos ser mais amplos que a esquerda para isolar os fascistas nesse país, para isolar os fascistas na América Latina. Essa é uma visão que nós temos, alguns podem não concordar com isso, mas se remontarmos ao período da ditadura militar, nós só fomos capazes de derrotar a ditadura ampliando os nossos horizontes”, disse.

A parlamentar dá o exemplo da árdua batalha dentro do Congresso Nacional. “A gente só isola os fascistas e os fundamentalistas aqui dentro quando a gente amplia nosso olhar. Na sociedade, nós só seremos capazes de derrotar os fascistas se a gente ampliar para (agregar) os democratas e progressistas desses país. Nem todo mundo na sociedade é de esquerda e nem todo mundo é fundamentalista de direita.”

Na sua argumentação, Jandira enfatizou que a esquerda sozinha não conseguirá isolar os fascistas e virar o jogo.

O encontro, que antecede reunião do bloco, reúne cientistas e ativistas de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul para discutir política externa e solidariedade entre povos.

Bolívia

Em sua fala, a deputada prestou solidariedade ao povo boliviano, ao ex-presidente Evo Morales, à prefeita de Vinto, Patricia Arce, agredida por extremistas, vítimas de um golpe naquele país.

“O que aconteceu na Bolívia é muito expressivo para nós e deve nos alertar muito profundamente o que acontece na América latina”, disse.

Jandira criticou ainda o voto do Brasil a favor do bloqueio a Cuba, depois de 27 mantendo posição contrária, uma decisão abjeta de alinhamento automáticos aos Estados Unidos.

Multipolaridade

Segundo ela, num espaço como o “Brics dos Povos”, que expressa a multipolaridade, é fundamental reconhecer que o mundo vive uma grande tensão e uma grande ameaça à paz.

“Não falo aqui de terceira guerra mundial, porque hoje vivemos guerras diferenciadas e de diversas dimensões pelo mundo, mas um mundo de tensão que corresponde a fase do capitalismo contemporâneo, agressivo, de expansão dos mercados e que corresponde a exatamente uma visão de resistência a multipolaridade”, argumentou.

Trata-se da visão do império estadunidense que resiste a multipolaridade no mundo, que tem no Brics a maior expressão. Porém, a parlamentar aponta uma fragilidade no bloco por causa da ausência do Brasil, diferente do período do governo do ex-presidente Lula.

Independentemente da posição do governo Bolsonaro, a deputada diz que se trata de um instrumento fundamental de independência regional de países em desenvolvimento.

A parlamentar diz que o deslocamento para o campo asiático, comandado pela China, de um polo econômico, político e tecnológico, incomoda os EUA que vivem um relativo declínio.

“Esse é um aspecto do mundo em transição que deve realçar aos nossos olhos e realçar na análise da realidade mundial”, afirmou, referindo-se as guerras hibridas e busca de expansão a partir da geopolítica internacional, sobretudo por parte do imperialismo norte-americano na América Latina.

Capital financeiro

A partir dessa análise, Jandira diz que é importante entender que o mundo está refém do chamado capital financeiro, que é o comandante do processo econômico.

“Nós temos hoje como massa financeira quase US$ 300 trilhões circulando que representa três vezes o PIB mundial. Essa busca acumulativa de capital leva a uma completa distorção da realidade mundial e uma profunda desigualdade”, argumentou.

Segundo a deputada, é um capital que não respeita fronteira e visa a desregulamentação do mundo do trabalho, do estado nacional, soberania dos países e a supressão de direitos sociais.

Além disso, aprofunda com grande força as desigualdades sociais. “Nós temos nessa acumulação de riqueza um dado em que 1% da população mundial acumula 50% da riqueza e 75% dos pobres tentam se virar com 3% da riqueza mundial”, diz.

Fake news

Outro grave problema apontado pela deputada é o uso da tecnologia da internet para influenciar na formação de opinião por meio das chamadas fake news violando a soberania popular como aconteceu no Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia) e nas eleições brasileiras, interferindo processo eleitoral.

Ela diz que o uso da tecnologia atua diretamente na formação de opinião, na mudança de comportamento do mundo, nas manifestações de ruas e nos confrontos violentos.

“São uso de profundas máquinas de dados, são big datas. Não é apenas uso de instrumento de comunicação”, explicou.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com