Câmara pode ter CPI para investigar monitoramento de opositores ao governo Bolsonaro

Brasília, quarta-feira, 2 de dezembro de 2020 - 17:11      |      Atualizado em: 8 de dezembro de 2020 - 15:16

POLÍTICA

Câmara pode ter CPI para investigar monitoramento de opositores ao governo Bolsonaro


Por: Christiane Peres

Deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) coleta assinaturas para cobrar instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar lista de críticos ao governo Bolsonaro. Esta semana, uma relação de jornalistas e influenciadores digitais divididos em grupos de detratores a apoiadores das ações do Ministério da Economia veio a público. Parlamentar quer estender investigação a outras Pastas do governo Bolsonaro.

Reprodução da Internet

O monitoramento de jornalistas e influenciadores digitais pelo governo Bolsonaro pode virar algo de investigação na Câmara. Nesta quarta-feira (2), a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) protocolou requerimento solicitando a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o levantamento feito pela empresa BR+Comunicação para o Ministério da Economia. No mapeamento, a empresa classifica 77 influenciadores como “detratores”, “neutros informativos” e “favoráveis”.

A lista, divulgada pelo portal UOL, focava as publicações em redes sociais sobre o ministro Paulo Guedes, mas a deputada Jandira Feghali quer estender a investigação às outras Pastas e áreas do governo, visto que a prática tem sido recorrente. Antes da lista de Guedes, já havia vindo à tona a criação de um dossiê contra policiais e acadêmicos antifascismo, além do monitoramento de parlamentares – entre eles, a própria Jandira Feghali.

“Lembramos que tal levantamento não é o primeiro. Outras “listas” foram trazidas a público com rastreamento de posicionamento político de servidores e parlamentares o que faz necessário investigar a legalidade de contratação de empresa privada com recursos públicos para monitoramento de lideres políticos, formadores de opinião, jornalistas e cidadãos”, resumiu a deputada.

Para ela, além de apurar os valores gastos no levantamento é preciso saber quais agentes públicos estão envolvidos e as razões. “Estamos num novo monitoramento, numa nova perseguição política?”

Para que a CPI seja instalada são necessárias 171 assinaturas. Como não há cinco CPIs hoje em funcionamento na Câmara, uma nova comissão pode, regimentalmente, ser instalada. O colegiado, caso instalado, contará com 31 deputados titulares e igual número de suplentes, e funcionará por 120 dias, prorrogáveis por mais 60.

A hashtag #CPIdosDetratores esteve em primeiro lugar nos Trend Topics do Brasil, no Twitter, nesta quarta-feira (2). Para a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), co-autora do pedido de CPI, é essencial investigar o que está por trás desse monitoramento.

“Bolsonaro não pode se calar. Vamos descobrir a verdade. É muito grave o que ocorre neste governo”, afirmou.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com