“Micro e pequenas empresas precisam de dinheiro direto para reagir aos efeitos da crise”, defende deputado

Brasília, sexta-feira, 31 de julho de 2020 - 14:41

POLÍTICA

“Micro e pequenas empresas precisam de dinheiro direto para reagir aos efeitos da crise”, defende deputado


Por: Nathália Bignon*

Pesquisa feita pelo IBGE para medir o impacto da pandemia sobre as empresas brasileiras apontou que as MPE’s foram as que mais sofreram com a crise.

Reprodução da Internet

Nesta sexta-feira (31), o vice-líder do PCdoB, deputado federal Márcio Jerry (MA) voltou a cobrar urgente apoio do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) ao segmento empresarial. Para o parlamentar, a “inércia irresponsável” do presidente é o principal fator da acentuação da crise econômica que afeta micro e pequenas empresas, já abaladas pela pandemia do coronavírus.  Usando o exemplo defendido pelo governador do Maranhão, Flávio Dino, o deputado pediu a injeção direta de recursos para apoiar empresários no resgate do setor.

“Novos dados do IBGE revelam agravamento da situação financeira das empresas no Brasil. Micro e pequenas empresas fortemente afetadas. O quadro, que já é ruim, tem tendência de piorar ainda mais nos próximos meses. Mas, diante dos dados, Jair Bolsonaro mantém a inércia irresponsável. Como tem defendido à exaustão o governador Flávio Dino, as micro e pequenas empresas (MPE’s) precisam de socorro emergencial urgente, de ‘sangue’ na veia, dinheiro direto para reagir aos efeitos da crise. O governo federal dispõe de recursos e meios para fazer isso”, apontou Jerry.

Divulgada nesta quinta-feira (30), a pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para medir o impacto da crise sanitária sobre as empresas brasileiras apontou que 62,4% dos 2,8 milhões de empresas em funcionamento no país foram afetadas na segunda quinzena de junho em razão do avanço da doença. O impacto foi maior em empresas de pequeno porte, aquelas com até 49 funcionários, o maior contingente da amostra, em que 62,7% perceberam efeitos negativos, ante 46,3% das de porte intermediário, com até 499 funcionários, e 50,5% entre as de grande porte, com 500 funcionários ou mais.

Como saída para a crise, o deputado declarou que a imediata colaboração do Governo Federal será decisiva para a recuperação econômica das MPE’s. Ele afirmou que o apoio funcionaria como uma complementação ao trabalho do Congresso, que tem atuado para aprovar a facilitação de empréstimos. Na última quarta, a Câmara aprovou, por exemplo, a Medida Provisória 944/20, que concede uma linha de crédito especial para empresários pagarem sua folha de salários durante o estado de calamidade pública.

“A realidade está mostrando que assegurar empréstimos em condições mais favoráveis, como aprovamos na Câmara, é importante, mas insuficiente. É muito baixo o percentual utilizado do que já foi disponibilizado para empréstimos”, disse.

De acordo com um levantamento divulgado pelo Ministério da Economia em julho deste ano, até o momento, o governo gastou 43% dos recursos federais destinados ao combate à pandemia da covid-19. Passados cinco meses desde o início da situação de emergência, a estimativa é que seis em cada dez micro, pequenas e médias empresas iniciaram julho sem acesso ao crédito prometido pelo governo. Dados do Sebrae indicam que o Brasil tem 16 milhões de empreendedores registrados. Eles são responsáveis por cerca de 52% dos empregos disponíveis no país, onde pelo menos 54 milhões de pessoas perderam renda na crise agravada pelo vírus.

*Ascom deputado Márcio Jerry









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com