O novo Programa Habitacional "Minha casa, minha vida"

Brasília, terça-feira, 31 de março de 2009 - 13:15      |      Atualizado em: 21 de agosto de 2009

NOTA DA ASSESSORIA DA LIDERANÇA DO PCDOB

O novo Programa Habitacional "Minha casa, minha vida"


Por: Lecio Morais, assessor técnico

A MP 459, de 26 de março de 2009, cria um ambicioso programa habitacional dirigido principalmente ao setor urbano, mas também contempla as moradias rurais. As linhas de financiamento contemplam a construção de até um milhão de moradias, a maior parte delas com prestações subsidiadas, financiando também com juros subsidiados obras públicas de infra-estrutura urbana. Mas a MP é ainda mais ampla, estabelecendo também um novo marco regulatório para a regularização fundiária urbana em nível nacional.

A MP cria o programa habitacional denominado "Minha Casa, Minha Vida" (PMCMV), que disponibiliza linha da Caixa Econômica Federal - CEF de até 34 bilhões de reais para financiar habitações para famílias na faixa de renda até 10 salário mínimos, em parceria da União com estados e municípios. Segundo o custo médio estimado para a construção das habitações, tais recursos construirão um milhão de moradias.

Por meio do PMCMV, a União:

a. institui o Programa Nacional de Habitação Urbana - PNHU;
b. institui o Programa Nacional de Habitação Rural - PNHR;
c. autoriza a União a transferir recursos em favor do Fundo de Arrendamento Residencial – FAR e do Fundo de Desenvolvimento Social – FDS;
d. autoriza a União participar do Fundo Garantidor da Habitação Popular – FGHab; e
e. autoriza a União a conceder subvenção econômica ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES.

Os dois novos programas habitacionais – Programas Nacionais de Habitação Urbana e de habitação Rural – serão subsidiados pela União mediante as transferências de recursos previstos nos itens "c" a "d".

A seleção de projetos será realizada exclusivamente pela CEF, segundo a análise técnica das condições expressas no Programa para a prioridade de atendimento e contratação.

1. Objetivos e formato do Programa

O PMCMV tem como objetivos:

a. a redução significativa do  déficit habitacional crônico do país;
b. favorecer a regularização fundiária urbana; e
c. a criação de uma nova fonte de demanda de capital e trabalho, como medida anticíclica frente a crise mundial.

O terceiro e último objetivo explica porque o Programa se destina os financiamentos apenas para empresas construtoras e não também para outras formas não-lucrativas de organização do trabalho de construção, como cooperativas.

O Programa inova pelo tamanho de seu objetivo – construir um milhão de casas –, pela padronização dos imóveis, e pelo incentivo à tecnologia de barateamento da construção de habitações. Mas sua principal inovação será as novas formas de articulação federativa – entre União, Estados e municípios – baseadas no estabelecimento de um estímulo concorrencial entre os entes federados para alcançar agilidade, rapidez e baixos custos dos projetos financiados.

Até o momento, o modelo convencional de programa habitacional  é o de fornecer recursos para empresas que se incumbem de construir conjuntos habitacionais e conseguir mutuários.  O modelo do novo Programa é diferente. O PMCMV tem por diretriz a articulação entre governo federal, estaduais, municipais e construtoras, cabendo ao Governo Federal fixar uma meta de um milhão de casas e garantir recursos, advindos do FGTS, por meio da Caixa Econômica. Aos estados e municípios é delegada a tarefa descentralizada de articular as empresas construtoras e incorporadoras e providenciar terrenos e a infra-estrutura urbana necessários para os projetos.

Não existe prazo definido para atingir a meta de um milhão de moradias, que dependerá da capacidade de execução do programa. As prioridades para aprovação dos financiamentos para os projetos fazem com que prefeituras e governos estaduais mais ágeis consigam receber mais recursos, impondo uma concorrência virtuosa à execução do Programa.

Há duas faixas de rendas a serem atendidas pelo PMCMV em condições diferenciadas: a faixa até seis salários mínimos  e a de maior de seis até 10 salários mínimos. A primeira faixa terá as prestações subsidiadas pelo Governo Federal diretamente junto à Caixa Econômica Federal – CEF. Já a segunda faixa, não terá subsídio, mas terá condições de financiamento favorecidos quanto à taxa de juros e o prazo de pagamento.

A Medida Provisória ainda altera dispositivos legais para dar maior segurança jurídica às transações imobiliárias, relativas principalmente a adoção de meios eletrônicos para o registro de imóveis nos cartórios especializados. Inclusive reduzindo a cobrança de custas e emolumentos no registro de empreendimentos e imóveis adquiridos ou financiados no âmbito do "Programa Minha Casa, Minha Vida". Ainda dispõe também sobre condições e prazos mínimos e máximos para os cartórios de registro prestarem seus serviços.

O modelo de articulação do PMCMV permite aos parlamentares atuar de duas formas na sua operacionalidade. Primeiro, interferindo com emendas e votos para sua aprovação e melhoramento de suas regras; e segundo, atuando junto aos prefeitos, governadores e entidades do movimento popular para incentivar a adesão dos entes federados ao Programa e agilizar sua execução.

2. As prioridades dos projetos e condicionamentos

Os municípios e Estados que quiserem se habilitar ao Programa Minha Casa, Minha Vida precisarão garantir terrenos e garantia de infra-estrutura urbana. Os estados e municípios podem também  oferecer, respectivamente, isenção de ICMS para material de construção e de ISS sobre a construção, além de reduzir custos cartorários.

Exceto o terreno e as condições de infra-estrutura urbana, os outros incentivos não são impositivos, porém quanto maiores os benefícios concedidos, menor o valor da prestação, maior o número de mutuários atendidos e, em conseqüência, maior o volume de projetos aprovados e de recursos aplicados – já que a liberação dependerá exclusivamente do ritmo de implementação das obras.

A União ainda criou linhas de financiamentos junto ao BNDES para financiar infra-estrutura urbana e empresas que desenvolvam tecnologias de construção de moradias de baixo custo. Essas linhas terão equalização de juros, destinando a União até R$ 5 bilhões para custear o subsídio necessário.

3. Como funciona o PMCMV e os subsídios

Para famílias com renda até seis salários mínimos, há recursos reservados de R$ 16 bilhões permitindo a construção de 400 mil casas a um preço médio de R$ 40 mil. O modelo de aquisição a ser empregado é o do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), um fundo que adquire as casas, aluga para os mutuários e, depois de um determinado período, transfere para eles a titularidade do imóvel.

A União aporta os recursos no Fundo, que seleciona cidades e diz quantos imóveis poderão ser construídos por Estado – em função da requisição dos governos estaduais e municipais. Feito isso, as construtoras, sozinhas ou com os municípios, apresentam os projetos, que serão analisados pela Caixa Econômica Federal (CEF). Se houver o de acordo, o FAR contrata a construção do projeto.

Concluído as obras, sob a forma de conjuntos habitacionais, o FAR repassará as moradias para os mutuários dessa faixa de renda, cadastrados por cada prefeitura. Cada adquirente só começará a pagar as prestações quando entrar no imóvel. Pagará o equivalente a 10% da sua renda por dez anos, com prestação mínima de R$ 50,00. Ao final de dez anos, o morador terá a opção de passar a ser o proprietário da moradia inteiramente quitada.

Cabe a União assumir a eventual diferença entre o valor da prestação e o custo do arrendamento durante o prazo de pagamento, eliminando assim a possibilidade da prestação pesar mais que os originais 10% sobre o orçamento da família beneficiada, evitando também os conhecidos saldos devedores a descoberto ao fim do contrato. Esse subsídio se dará apenas uma vez a cada família e por um único imóvel. A MP autoriza a destinação de até R$ 2,5 bilhões ao custeio desses subsídios.

No entanto, o valor subsidiado pode variar conforme a Região e a renda do mutuário. Essa variação difere não na garantia da parcela da prestação que será de 10% da renda, mas sim em relação ao valor do imóvel adquirido. Assim, por exemplo, em São Paulo, o mutuário para ter direito a prestação não superior a 10% de sua renda deve comprar imóveis novos de valor inferior a R$ 130 mil.

Atualmente, os financiamentos com recursos do FGTS já subsidiam financiamentos de imóveis para mutuários com renda até 5 salários mínimos. Para o PMCMV, os recursos serão ampliados, cabendo ao FGTS alocar R$, 7,5 bilhões para imóveis novos e a União outros R$ 2,5 bilhões.

Para famílias na faixa de seis a 10 salários mínimos, permanecerá o modelo atual de financiamento através do FGTS. O benefício trazido pelo PMCMV, no caso, será a redução dos valores do seguro por morte e invalidez e do seguro para danos físicos ao imóvel.

O novo PMCMV também criará um Fundo Garantidor (FGHab), destinado a refinanciar o mutuário caso este venha a sofrer perda de renda e fique um período sem quitar as prestações. O FGHab terá R$ 2 bilhões de recursos da União para cumprir sua função, tendo os agentes financeiros que por ele optarem que aportarem recursos proporcionais aos valores segurados, como prêmio.

Para o Programa Nacional de  Urbana será destinado até R$ 2,5 bilhões em subsídio. Já o Programa Nacional de Habitação Rural – PNHR, que tem como finalidade subsidiar a produção ou a aquisição de moradia aos agricultores e trabalhadores rurais, terá R$ 500 milhões para tanto.

4. As disposições relativas à regularização fundiária urbana

Todo o Capítulo III da Medida Provisória é dedicado à regularização fundiária de assentamentos localizados em áreas urbanas.  Segundo a Exposição de Motivos, desde a criação do Ministério das Cidades, em 2003, o Governo tem buscado apoiar a regularização fundiária das cidades brasileiras, por meio do trabalho conjunto com Municípios, Estados e Distrito Federal.  A regularização fundiária urbana é um passo fundamental na garantia do direito constitucional de moradia, especialmente para as populações de menor renda.

A regularização fundiária resolve também problemas relativos ao meio ambiente, à ordem urbanística e questões jurídicas atinentes ao direito de propriedade, resgatando a cidadania das populações mais pobres. Além disso, permite que o Poder Público local realize investimentos nas áreas precárias, oferecendo-lhes serviços urbanos e infra-estrutura, melhorando a qualidade de vida de seus ocupantes.

Segundo ainda a Exposição de Motivos, "apesar dos esforços dos governos federal, estaduais e municipais, os resultados alcançados ainda estão aquém do necessário", devido a ausência de um marco regulatório específico para a questão da regularização fundiária urbana.

Assim, a Medida Provisória procura estabelecer o arcabouço legal necessário para tornar mais efetivo e célere o rito da regularização fundiária urbana.

A MP estabelece "critérios gerais para a regularização de assentamentos e garantia da segurança da posse urbana, buscando compatibilizar direito à moradia e direito ambiental, reconhecendo o papel preponderante do Município em regulamentar por lei o procedimento de regularização fundiária em seu território". Ela define regras nacionais e específicas para o registro dos parcelamentos de regularização fundiária, institui instrumentos de demarcação urbanística e de legitimação da posse.

Quanto aos aspectos ambientais, a regularização fundiária urbana permite substancial ganho na gestão ambiental das áreas urbanas ocupadas sem planejamento prévio por populações de baixa renda. Desse modo, a MP adota disposições para a gestão de ocupações em Áreas de Preservação Permanentes adjacentes aos cursos d´água urbanos; recuperação de áreas degradadas e de áreas não passíveis de regularização; melhoria do acesso aos sistemas de saneamento básico; e previsão expressa de que a regularização importe em melhoria das condições ambientais da ocupação, com preocupação na sustentabilidade ambiental das medidas.

5. As críticas mais freqüentes

As principais críticas dirigidas à Medida Provisória tem por objeto as regras do próprio PMCMV, em especial, no caso da PNH Urbana, a restrição a municípios de até 100 mil habitantes, e a uma suposta ausência de recursos à habitação rural.

A primeira crítica, na verdade, se destina não a Medida Provisória, que não estabelece nenhuma restrição ao tamanho dos municípios , mas sim a sua provável regulamentação de competência dos Ministérios da Fazenda e da Cidade. Como foi explicado anteriormente, a restrição se explica dado um dos objetivos do PMCMV ser a criação de demanda por habitações, em especial, por emprego e renda. Esse objetivo cria um problema de escala que torna quase inviável a possibilidade de projeto habitacional em municípios com populações menores.

Para esses municípios a necessidade maior é o déficit de habitações rurais que pode ser atendido pelo Programa destinado à habitação rural – o Programa Nacional de Habitação Rural. A existência desse segundo Programa foi eludido pela mídia, mas existe e torna improcedente a segunda crítica ao PMCMV.

Por fim, há uma crítica de conteúdo exclusivamente político-partidário que tenta caracterizar o novo Programa como "eleitoral". Ora, as condições críticas da economia nacional submetida a graves riscos advindos da crise internacional são claras. Tais riscos vem sendo, inclusive, alardeados pela próprias Oposição ao Governo Lula. A necessidade de se atacar o déficit habitacional sempre existiu, é histórica.

Porém, faltava reunir um conjunto de circunstâncias políticas que permitisse a mobilização de recursos em linhas de financiamento de longo prazo, mas também, para justificar o grande subsídio dado ao Programa. A crise internacional determinou esse momento. A circunstância extraordinária de risco por que passa o mundo e também o Brasil foi que determinou o lançamento de um programa habitacional de tamanha monta neste momento e não antes ou depois. Nada tem a ver com motivações eleitorais que só ocorrerão a um ano e meio de distância.

O tamanho ambicioso do Programa e a oportunidade de seu lançamento constitui um dos grandes méritos da Medida Provisória. Mas a MP não trata apenas de criar Programas habitacionais urbano e rural, ela também articula os dois novos programas às iniciativas já existentes, como o do Fundo de Arrendamento Residencial – FAR e o Fundo de Desenvolvimento Social – FDS, integrando a ação de reduzir mais aceleradamente nosso histórico déficit habitacional às preocupações de criar condições de financiamento para a construção da necessária infra-estrutura urbana e de promover mais resolutamente as ações de regularização fundiária urbana.

* O objetivo dessa nota é subsidiar a Bancada de informações necessárias ao tema abordado. A nota reflete as opiniões do assessor técnico responsável,  e não necessariamente expressa opiniões e votos dos deputados federais do PCdoB.








Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com