Perpétua: Relatório da Human Rights Watch atesta que Bolsonaro é genocida

Brasília, quinta-feira, 14 de janeiro de 2021 - 13:20

POLÍTICA

Perpétua: Relatório da Human Rights Watch atesta que Bolsonaro é genocida


Por: Da Redação, com Portal Vermelho

Relatório da ONG afirma que presidente da República tentou sabotar medidas contra a disseminação da Covid-19 no Brasil. Deputados condenam postura de Bolsonaro e afirmam que é inadmissível que um governo trabalhe contra vacinas.

Reprodução da Internet
Governo Bolsonaro defende uso da cloroquina contra Covid-19, mesmo sem comprovação científica da eficácia do medicamento

O Brasil soma mais de 200 mil mortes pela Covid-19 e ainda não tem uma data definida para início da vacinação emergencial contra a doença. A morosidade atual nas ações do governo federal para conter a pandemia no país é apenas mais um exemplo que corrobora com o relatório publicado pela ONG Human Rigths Watch nesta terça-feira (13), que afirma que Jair Bolsonaro tentou sabotar medidas contra a disseminação da Covid-19 no Brasil.

Segundo a ONG, diante da postura prejudicial do governo federal, o Supremo Tribunal Federal (STF), o Congresso e os governadores garantiram políticas de proteção à população brasileira durante a crise sanitária.

A líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (AC), ao comentar o documento voltou a condenar a postura do governo brasileiro e disse que é inadmissível um governo trabalhar contra a imunização da população.

“O relatório aponta a realidade desumana que nós brasileiros enfrentamos. A publicação atesta que Bolsonaro é genocida, irresponsável e incapaz. Ele minimizou a Covid-19, chamando de “gripezinha”. Recusou-se a usar máscara e proteger os outros. Disseminou informações equivocadas. Tentou impedir ações dos governos estaduais de distanciamento social. Tentou restringir a publicação de dados da pandemia. Demitiu o ministro da Saúde Mandetta por defender recomendações da Organização Mundial da Saúde. Já o substituto Teich saiu, após Bolsonaro defender o uso de medicamento sem eficácia comprovada. O Brasil é o único país no mundo com mais de 100 milhões de habitantes que conta com um sistema de saúde público, universal e gratuito para toda a população. É inaceitável que mais de 200 mil brasileiros morram de coronavírus, e o governo trabalhe contra vacinas. Incentive as pessoas a não se imunizarem. Bolsonaro está a serviço de quem? É um desastre e vergonha nacionais”, afirmou a parlamentar.

Para o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) Bolsonaro sabotou, sabota e sabotará as medidas contra a Covid. “Ele tem instinto assassino e sua meta é destruir o país”, disse o deputado em suas redes sociais.

O documento lembra que a população negra foi a mais vulnerável aos impactos do novo coronavírus, uma vez que negros e negras são maioria entre os trabalhadores informais. Trata ainda sobre o impacto da pandemia entre os povos indígenas, apontando o veto de Bolsonaro a projeto de lei aprovado no Congresso Nacional que obrigava o governo federal a fornecer atendimento médico emergencial e outras formas de assistência a esta parcela da população.

“O presidente Bolsonaro o vetou parcialmente, mas o Congresso derrubou vetos. Em julho, o Supremo Tribunal Federal ordenou ao governo Bolsonaro que elaborasse um plano de enfrentamento da Covid-19 para povos indígenas”, recorda a Human Rights Watch.

“Com instalações superlotadas, pouca ventilação e cuidados de saúde inadequados, as prisões e unidades socioeducativas no Brasil reuniam condições favoráveis a surtos de Covid-19 (…). O governo Bolsonaro não tomou medidas para reduzir a superlotação das prisões, mas o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão que supervisiona o funcionamento do sistema judiciário, recomendou aos juízes que reduzissem prisões provisórias durante a pandemia e considerassem a saída antecipada de alguns presos”, afirma ainda o documento.

Anna Livia Arida, diretora-adjunta da ONG no Brasil, pediu que as instituições democráticas brasileiras continuem atuando em defesa da população. “O presidente Bolsonaro expôs a vida e a saúde dos brasileiros a grandes riscos ao tentar sabotar medidas de proteção contra a propagação da Covid-19. O Supremo Tribunal Federal e outras instituições se empenharam para proteger os brasileiros e para barrar muitas, embora não todas, as políticas antidireitos de Bolsonaro. Essas instituições precisam permanecer vigilantes”, afirmou.

Além de sabotagem às medidas de combate à pandemia, o Relatório Mundial 2021 aponta violações de direitos humanos no governo Bolsonaro. O documento pontua problemas como o não enfrentamento à violência policial e promoção de políticas que contrariam os direitos de mulheres e pessoas com deficiência, além de ataques à mídia. Também denuncia o enfraquecimento dos mecanismos de fiscalização da legislação ambiental.

Na 31ª edição do Relatório Mundial 2021, a Human Rights Watch analisa a situação dos direitos humanos em mais de 100 países. 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com