Deputada cobra explicação de Ernesto Araújo sobre ataque à China

Brasília, quarta-feira, 2 de dezembro de 2020 - 15:6

POLÍTICA

Deputada cobra explicação de Ernesto Araújo sobre ataque à China


Por: Christiane Peres

Itamaraty saiu em defesa de Eduardo Bolsonaro, após resposta dura da embaixada chinesa ao ataque do parlamentar. No início da semana passada, o deputado acusou a China de praticar espionagem na implantação da tecnologia 5G.

Reprodução da Internet
Ernesto Araújo sai em defesa de Eduardo Bolsonaro, após ataque do parlamentar à China

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, deve ser convocado para explicar na Câmara a carta em que repreende a embaixada chinesa pelas críticas feitas ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), após o parlamentar ter acusado o país de espionagem na implantação da tecnologia 5G em suas redes sociais. O requerimento foi apresentado pela líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (AC), esta semana.

Na carta, enviada na última semana, o Itamaraty afirmou que “não é apropriado aos agentes diplomáticos da República Popular da China no Brasil tratarem dos assuntos da relação Brasil-China através das redes sociais”.

“Os canais diplomáticos estão abertos e devem ser utilizados. (...) O tom e o conteúdo ofensivo e desrespeitoso da referida 'Declaração' prejudicam a imagem da China junto à opinião pública brasileira”, disse o Ministério das Relações Exteriores, em carta enviada aos representantes do governo chinês no Brasil na quarta-feira (25).

Para a líder do PCdoB na Câmara, deputada Perpétua Almeida (AC), a carta é prova de que o Itamaraty “virou um braço ideológico dos devaneios da família Bolsonaro”. “Estamos convocando o ministro Ernesto Araújo para que ele explique essa “diplomacia” de prejudicar o Brasil em suas históricas relações”, afirmou que preside a Frente Parlamentar Mista de Fortalecimento da Cooperação entre os países do Brics.

No requerimento de convocação, Perpétua afirma que é indispensável trazer à reflexão as implicações que o texto enviado pelo governo brasileiro pode trazer. “O texto nos passa a ideia de que parte dos membros da diplomacia brasileira, ao contrário de estarem a serviço da defesa dos interesses do Brasil, entra na verdade em uma guerra diplomática ideológica a serviço de interesses diversos à construção e manutenção das boas relações entre Brasil China. É inadmissível continuar neste viés que desconstrói o que muito já se fez e se construiu na histórica relação de boa amizade estabelecida com a República Popular da China. O país precisa seguir os princípios da relação amistosa e de defesa da paz nas suas relações com outros países”, descreve trecho do requerimento.

Na segunda-feira (23), Eduardo Bolsonaro escreveu em suas redes sociais que o Brasil endossou iniciativa dos Estados Unidos para manter a segurança da tecnologia 5G “sem espionagem da China”.

“O governo Jair Bolsonaro declarou apoio à aliança Clean Network, lançada pelo governo Donald Trump, criando uma aliança global para um 5G seguro, sem espionagem da China. Isso ocorre com repúdio a entidades classificadas como agressivas e inimigas da liberdade, a exemplo do Partido Comunista da China”, completou o deputado.

No dia seguinte, o post foi apagado. Ainda assim, a embaixada chinesa no Brasil respondeu e defendeu que Eduardo e outros críticos do país asiático abandonassem a retórica da extrema direita norte-americana, para evitar “consequências negativas”. A Embaixada da China lembrou ainda que as transações comerciais entre os dois países representam 35% das exportações brasileiras, o que representou até outubro uma movimentação de US$ 58,459 bilhões.

Para o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), “o terraplanismo diplomático vai causar prejuízos bilionários ao país”. “Esses boçais estão brincando com coisa séria. São aprendizes de jogador de War lidando com gente preparada. O terraplanismo diplomático vai causar prejuízos bilionários ao país. Até quando setores políticos e econômicos vão ficar inertes? Hora de agir”, afirmou em sua conta no Twitter.

Além da convocação de Araújo, os parlamentares estão se articulando para cobrar o afastamento de Eduardo Bolsonaro da presidência da Comissão de Relações Exteriores da Câmara.

Esta não é a primeira vez que Eduardo protagoniza um choque com a embaixada chinesa em Brasília. Em março, ele comparou a pandemia de coronavírus ao acidente nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, em 1986.

As autoridades, à época submetidas a Moscou, ocultaram a dimensão dos danos e adotaram medidas de emergência que custaram milhares de vidas. A associação feita pelo parlamentar em março gerou duras críticas do embaixador da China no Brasil, Yang Wanming.

O país também já foi alvo de ataques do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub e do próprio presidente da República, Jair Bolsonaro.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com