Jerry volta a cobrar aumento do auxilio emergencial

Brasília, quinta-feira, 8 de outubro de 2020 - 12:22

POLÍTICA

Jerry volta a cobrar aumento do auxilio emergencial


Por: Nathália Bignon*

MP 1000 ainda não tem data para ser votada na Câmara. Esta semana, Oposição obstruiu votações para garantir aumento do auxílio.

Reprodução da Internet
renda básica alcançou, em julho, 50,7% das famílias do país, segundo dados do IBGE

O “combo” formado por pandemia, crise econômica, desemprego e desalento foram apontados pelo vice-líder do PCdoB, deputado Márcio Jerry (MA) como alguns dos fatores que deveriam ter pesado na avaliação do governo federal antes de anunciar a redução do valor do auxílio emergencial de R$ 600 para R$ 300 nos próximos três meses.

“Pandemia, crise econômica, desemprego, desalento. Aí o Bolsonaro surrupia R$ 300 daqueles que mais precisam do apoio emergencial de R$ 600 que aprovamos no Congresso Nacional. Não aceitamos que retirem dinheiro do bolso de quem mais precisa por isso queremos votar a MP [Medida Provisória] nº 1.000”, elencou o parlamentar, nesta quinta-feira (8).

Jerry tem defendido a imediata apreciação da proposta que trata da prorrogação do auxílio emergencial pago a trabalhadores mais afetados pela pandemia do coronavírus.

Distribuído desde abril e com data para acabar, a oposição no Congresso corre para tentar barrar a redução do valor pago aos mais prejudicados pela pandemia da Covid-19. Diante da recessão profunda, da falência de empresas ed a falta de controle sobre a crise sanitária, o temor é que o fim do auxílio leve milhões de brasileiros de volta à pobreza e retarde ainda mais a recuperação econômica.

A renda básica alcançou, em julho, 50,7% das famílias do país, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Naquele mês, 107,11 milhões de pessoas moravam em domicílios com pelo menos uma pessoa recebendo a transferência de renda. Entre os 10% mais pobres, o auxílio chegou a 86,6% dos brasileiros, e no Norte e no Nordeste cerca de 60% dos domicílios o recebem.

Um estudo elaborado pelo Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), indicou que, caso o benefício seja interrompido sem um substituto, o número de brasileiros pobres, com renda menor que ⅓ do salário mínimo per capita, chegaria a 30% da população, ou 63 milhões de pessoas. Um número muito superior ao percentual de brasileiros atendidos pelo Bolsa Família antes da pandemia, aproximadamente 13,5% das famílias.

Eles também calcularam o impacto do fim do auxílio emergencial na desigualdade, medida pelo índice de Gini — quanto mais próximo de 1, mais desigual é a distribuição de renda. O Gini do Brasil em 2019 foi de 0,54. Neste ano, sem o auxílio, seria de 0,57. Devido à renda emergencial está em 0,49.

Enquanto isso, o governo patina em tentativas de estabelecer um programa de auxílio que pretende substituir o Bolsa Família sem, no entanto, achar fontes de recursos factíveis com o momento da economia ou que impacte os brasileiros já penalizados pela estrutura social profundamente desigual.

*Ascom deputado Márcio Jerry
 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com