Parlamentares vão à Justiça contra violência de Bolsonaro com repórter

Brasília, segunda-feira, 24 de agosto de 2020 - 11:11      |      Atualizado em: 26 de agosto de 2020 - 17:8

POLÍTICA

Parlamentares vão à Justiça contra violência de Bolsonaro com repórter


Por: Iram Alfaia

Caiu a máscara do Bolsonaro paz e amor ao prometer porrada a repórter do Globo neste domingo ao lado da Catedral de Brasília.

Reprodução da Internet

Bolsonaro voltou a ser Bolsonaro. Questionado sobre os depósitos de R$ 89 mil feitos por Fabrício Queiroz na conta da primeira-dama Michelle, o presidente respondeu ao repórter do Globo Daniel Gullino: “A vontade é de encher sua boca com porrada”. O contato com os jornalistas, que ocorreu neste domingo (23), ao lado da Catedral de Brasília, revela que o presidente apenas disfarçava uma fase “paz e amor” adotada após o aprofundamento da crise envolvendo Queiroz com a sua família.

O vice-líder do PCdoB na Câmara, deputado Márcio Jerry (MA), afirmou que o desequilíbrio de Bolsonaro diante de questionamentos é uma “confissão de culpa” do presidente sobre seus crimes e que o caso precisa ser levado à Justiça.

“Bolsonaro mostra total desequilibro quando o assunto é a relação dele e familiares com Queiroz e milicianos. Uma espécie de confissão de culpa! Não é a boca da repórter do Globo que Bolsonaro quer encher de porrada; mas de toda a imprensa, de quem o incomode. Um ser violento, psicopata e covarde, eis quem hoje ocupa a Presidência. Esta ameaça é criminosa, atenta contra o cargo que exerce. Por isso, requer acionamento da Justiça”, disse.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) diz que não se pode esperar outra postura de Bolsonaro diante do questionamento. “Para quem se iludiu com a moderação de Bolsonaro no último período, a ameaça de partir às vias de fato contra um jornalista fala por si. É impossível existir moderação em um brucutu, filhote da ditadura, acostumado a enfrentar adversários ao modo das milícias”, disse.

A líder do PCdoB na Câmara, deputada Perpétua Almeida (AC), criticoua postura de Bolsonaro e cobrou respostas sobre o dinheiro recebido por sua esposa. "Esse é o presidente contido?! A família inteira se envolve em corrupção. Mas quando questionado, Bolsonaro promete porrada no jornalista. Para defender liberdade de expressão, insisto: presidente Bolsonaro, por que sua esposa, Michele, recebeu R$ 89 mil de Fabrício Queiroz?", indagou a parlamentar em suas redes.

Para o líder do PSB na Câmara, deputado Alessandro Molon (RJ), além de expor seu desprezo pela imprensa livre, Bolsonaro cometeu dois crimes de responsabilidade: contra o exercício de direitos individuais e falta de probidade na administração. “Ambos serão acrescentados ao pedido de impeachment já apresentado pelo PSB”, revelou.

A deputada Natália Bonavides (PT-RN) já acionou o STF (Supremo Tribunal Federal). “Acabo de protocolar no STF denúncia contra Bolsonaro por crime de constrangimento ilegal. Hoje ele ameaçou agredir um jornalista para impedi-lo de fazer seu trabalho. Bolsonaro é um delinquente contumaz! À proposito, por que Michelle Bolsonaro recebeu R$ 89.000,00 de Queiroz?”, indagou.

O deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ) também avaliou que Bolsonaro agiu conforme sua natureza. “Não é falha de segurança. É falta de educação e compromisso com a vida. Bolsonaro sempre defendeu a ditadura e a tortura. Por isso ameaça jornalistas. Isso não é de hoje. Conhecemos a violência de Bolsonaro”, disse.

Senado

O líder da minoria no Senado, senador Randolfe Rodrigues (AP), vai acionar a OEA (Organização dos Estados Americanos). “Superamos a ditadura, somos uma democracia e Bolsonaro tem que respeitar os direitos adquiridos. Iremos apresentar denúncia à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA para que o órgão acompanhe a violência contra a liberdade de imprensa no Brasil”, anunciou.

“Se o jornalista elogiar o Bolsonaro, isso é liberdade de expressão, se criticá-lo é perseguição política. Na cartilha autoritária do Bolsonaro, bom mesmo é o Queiroz que paga as contas do Flávio (há suspeitas) e faz depósitos para a Michele (mais suspeitas), com o dinheiro de quem?”, escreveu no Twitter o líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE).

O senador Humberto Costa (PT-PE) diz que, além de não responder por que Michelle recebeu R$ 89 mil de Queiroz, Bolsonaro ainda não pediu desculpas ao repórter que ameaçou bater neste domingo. “Ele voltou a mostrar a sua verdadeira face, que envergonha os brasileiros”, afirmou.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com