Governo quer congelar salário mínimo

Brasília, quarta-feira, 18 de setembro de 2019 - 10:53      |      Atualizado em: 26 de setembro de 2019 - 9:18

POLÍTICA

Governo quer congelar salário mínimo


Por: Da Redação, com informações de agências

Deputadas criticam proposta do governo Bolsonaro.

Reprodução da Internet

O governo Bolsonaro pretende acabar de vez com o aumento real do salário mínimo. Esta semana, informações divulgadas pela imprensa indicam que a equipe econômica do atual governo estuda retirar da Constituição Federal a previsão de que o salário mínimo seja corrigido pela inflação. O argumento é que o congelamento poderia render uma economia entre R$ 35 bilhões e R$ 37 bilhões.

A líder da Minoria na Câmara, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), criticou a proposta. Para ela, o governo quer encerrar uma das maiores políticas de valorização da renda do trabalhador, que é o reajuste do salário-mínimo. “Bolsonaro quer congelar salários quando bem entender”, repudiou.

A vice-líder da Minoria, deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) também é contrária à proposta. Em suas redes sociais, a parlamentar questionou a medida que deve ser adotada pelo atual governo. "E vai ajustar por onde? Como vai ficar o poder de compra de quem recebe salário mínimo?" ‬

De acordo com a proposta em estudo, em momentos de grave desequilíbrio fiscal, como o atual, o governo poderia congelar mesmo os aumentos nominais (ou seja, dar a variação da inflação) da remuneração por alguns anos, até a recuperação da saúde financeira das contas públicas.

Hoje, a Constituição prevê que é direito social do cidadão ter acesso a um salário mínimo "com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo". Dessa forma, o governo precisa, anualmente, recompor ao menos a inflação. Até o ano passado, a política de reajuste fixava uma correção pelo Índice de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior mais o Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes. Com o vencimento desse modelo, o governo se debruça sobre uma mudança.

O congelamento deve ser incluído na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que altera regras fiscais e está em tramitação no Congresso. De autoria do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), o texto está na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara e é debatido por um grupo de parlamentares, representantes do Ministério da Economia e técnicos de Orçamento no Congresso.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com