PCdoB quer que Bolsonaro e Pazuello respondam por colapso na saúde em Manaus

Brasília, quinta-feira, 21 de janeiro de 2021 - 15:23

POLÍTICA

PCdoB quer que Bolsonaro e Pazuello respondam por colapso na saúde em Manaus


Por: Christiane Peres

Legenda quer incluir o governo federal nas investigações da Procuradoria-Geral da República sobre o colapso no sistema de saúde de Manaus. Augusto Aras já havia pedido abertura de inquérito para averiguar responsabilidade do governador do Amazonas e do prefeito de Manaus, mas deixou os representantes do governo federal de fora da ação. Para o PCdoB, governo Bolsonaro também tem responsabilidade e precisa responder.

Reprodução da Internet

A bancada do PCdoB na Câmara protocolou, nesta quinta-feira (21), notícia crime no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. De acordo com os parlamentares, o governo federal também tem responsabilidade no colapso do sistema de saúde de Manaus (AM) e precisa ser investigado.

Na ação, a legenda aponta que há fortes indícios de que Bolsonaro e Pazuello cometeram crime de prevaricação, tipificado no art. 319 do Código Penal. O documento aponta ainda a prática do ilícito penal tipificado no art. 132 do Código Penal (expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente), visto que ambos propagaram a utilização de medicamentos que não possuem eficácia científica comprovada para tratamento da Covid-19. Os parlamentares pedem a devida apuração dos fatos pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

“O PGR [Augusto Aras] pediu ao STJ [Superior Tribunal de Justiça] investigação contra o governador do Amazonas, Wilson Lima, e o prefeito de Manaus, David Almeida, por colapso no sistema de saúde. Nós entendemos que o governo federal também tem responsabilidade nessa crise. Bolsonaro e Pazuello devem ser responsabilizados pelo crime de omissão. A ação da bancada do PCdoB é para que o presidente e o ministro também sejam investigados”, explicou a líder da legenda, deputada Perpétua Almeida (AC).

O caos no sistema de saúde de Manaus veio à tona na última semana, após divulgação da falta de oxigênio nos hospitais da capital amazonense para atendimento dos pacientes com Covid-19. De acordo com notícias divulgadas pela imprensa, o governo federal tinha conhecimento da situação e não tomou medidas preventivas.

Em visita a Manaus dias antes do caos na saúde do estado, Pazuello defendeu o “tratamento precoce”, composto por medicamentos que não têm comprovação científica, como hidroxicloroquina e ivermectina.

Enquanto Pazuello receitava a fórmula defendida (e agora negada) pelo governo, Bolsonaro afirmava que sua gestão já havia feito sua parte, destinando recursos e insumos.

Para os parlamentares do PCdoB, o governo federal tem responsabilidade no processo que levou a capital amazonense ao status atual de crise de saúde pública.

“O ‘descompromisso’ de Bolsonaro e Eduardo Pazzuelo com o enfrentamento à Covid-19, deixou gestores locais à deriva, tendo que administrar por conta própria fluxos e demandas que, via de regra, dependem de uma lógica conjunta – a mesma que orienta o Sistema Único de Saúde (SUS), que opera de forma tripartite, envolvendo União, estados e municípios”, destaca a ação.

De acordo com a legenda, não há um efetivo plano nacional para enfrentamento à Covid-19; faltou ação conjunta entre União, estados, municípios, além de instituições de pesquisa e as próprias indústrias, para dialogar, participar e interagir na perspectiva de viabilizar todas as condições que a força produtiva, científica e administrativa do país pudesse empreender; faltou acompanhar o desenvolvimento nos estados, apoiando a implementação de lockdown onde fosse necessário; faltou abastecer os entes federados com insumos e equipamentos; assim como faltaram profissionais especializados para o cuidado intensivo dos pacientes que necessitaram de auxílio para respirar.
 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com