Pacote anticrime é aprovado sem excludente de ilicitude

Brasília, quinta-feira, 5 de dezembro de 2019 - 13:12

SEGURANÇA PÚBLICA

Pacote anticrime é aprovado sem excludente de ilicitude


Por: Walter Félix

Câmara aprova projeto de lei do pacote anticrime, rejeitando pontos polêmicos que eram considerados lesivos ao estado de direito. O deputado Orlando Silva, que fez parte do grupo de trabalho que elaborou a proposta, ressalta que texto restabelece ordem jurídica do país.

Luis Macedo/Agência Câmara

A Câmara aprovou, nesta quarta-feira (4), o projeto de lei do pacote anticrime (PL 10372/18), que faz diversas mudanças na legislação penal. Entre as alterações, está o aumento de penas e novas regras para progressão de regime pelos condenados.

O texto também amplia os crimes considerados hediondos e pelos quais o condenado não pode contar com anistia, graça ou indulto e deve começar a cumprir pena em regime fechado. O tempo máximo que a pessoa pode ficar presa cumprindo pena aumenta de 30 para 40 anos.

A proposta aprovada foi apresentada em Plenário pelo relator da comissão especial, deputado Lafayette de Andrada (Republicanos-MG), com base no texto do deputado Capitão Augusto (PL-SP), relator do grupo de trabalho criado para analisar propostas feitas pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, e pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Considerada um dos pontos mais polêmicos do projeto apresentado pelo ex-juiz e atual ministro da Justiça, a definição de que não há crime se a lesão ou morte é causada por forte medo (o chamado excludente de ilicitude) foi retirada pelo grupo de trabalho.

Para o líder do PCdoB na Câmara, deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA), a exclusão do excludente de ilicitude foi fundamental para garantir uma legislação equilibrada.

“Vamos oferecer ao Brasil um instrumento de combate à criminalidade sem invadir aquilo que é essencial à preservação do Estado de direito e sem a autorização para matar que Moro queria colocar nesse texto”, ressaltou.
Outros pontos do projeto apresentado pelo ex-juiz que foram rejeitados no grupo de trabalho foram a previsão de prisão após condenação em segunda instância e acordos de plea bargain.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), que fez parte do grupo de trabalho, destacou a importância da participação do Parlamento na elaboração do texto aprovado. “Nós estamos restabelecendo a ordem jurídica no País”, disse.
“Derrotar excludente de ilicitude, derrotar a licença para matar; derrotar o plea bargain; derrotar um banco de perfil genético, que iria expandir sem critério a coleta de DNAs, entre outras medidas foi uma vitória da luta popular”, ressaltou o parlamentar.

A líder da Minoria, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), elogiou o emprenho dos deputados que fizeram parte do grupo de trabalho, que produziu uma proposta equilibrada, “que saneou as ilegalidades e a violação do Estado Democrático de Direito”.

Além do texto principal, os deputados analisaram um destaque que retirava da proposta o juiz de garantias, figura responsável pelo controle da legalidade da investigação criminal e pela salvaguarda dos direitos fundamentais do acusado. A alteração foi negada.

Segundo o substitutivo aprovado, a liberdade condicional dependerá também de o condenado não ter praticado falta grave no presídio nos últimos 12 meses dessa liberação e o comportamento deverá ser considerado bom em vez de satisfatório.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ressaltou o esforço dos parlamentares na busca de um consenso. “O grupo de trabalho teve representação de todos os partidos e chegou a um resultado de quase unanimidade na Casa”, disse. A matéria será enviada ao Senado.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com