Deputada quer convocar Paulo Guedes para tratar do pacote econômico

Brasília, quinta-feira, 7 de novembro de 2019 - 10:22

POLÍTICA

Deputada quer convocar Paulo Guedes para tratar do pacote econômico


Por: Maiana Neves*

Alice Portugal (PCdoB-BA) protocolou os requerimentos nas comissões de Educação, Trabalho e Seguridade Social.

Richard Silva/PCdoB na Câmara

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) protocolou requerimentos em três comissões diferentes da Câmara dos Deputados (Educação; Trabalho; e Seguridade Social) convocando o ministro da Economia, Paulo Guedes, para prestar esclarecimentos sobre as três propostas de alteração da Constituição Federal (PECs) apresentadas pelo governo como “vitais para a redução dos gastos públicos”: a PEC do Pacto Federativo, a PEC dos Fundos Públicos e a PEC Emergencial.

Para Alice, o pacote é na verdade uma grande desorganização do Estado brasileiro, retira recursos da educação e da saúde e ataca de forma cruel os servidores públicos. A chamada PEC Emergencial prevê congelamento dos concursos públicos, redução em até 25% da jornada de trabalho, com consequente corte proporcional no salário dos servidores. Outra medida absurda é o anunciado fim da estabilidade para o servidor público que for filiado a partido político.

A medida pode atingir os cerca de 600 mil servidores ativos da União, devendo ter ressonância também entre estados e municípios, que terão autorização para promover as mesmas mudanças propostas para o Poder Executivo federal. “O ministro precisa vir à Câmara urgentemente para explicar as motivações, os efeitos e as consequências destas mudanças constitucionais para a Administração Pública Federal, Estados e Municípios e para os milhões de servidores públicos que serão afetados”, explica Alice.

A PEC do Pacto Federativo altera as regras que determinam a forma como serão gastos recursos dos Estados, municípios e da União, impondo uma série de restrições a despesas não autorizadas. A PEC dos Fundos Públicos prevê que recursos acumulados em fundos que tinham destinação específica sejam usados para pagamento da dívida pública.

Nas comissões de Educação e Seguridade, o ministro terá que esclarecer os impactos da PEC do Pacto Federativo, que prevê flexibilizar as regras de gastos mínimos da União e dos Estados e Municípios com saúde e educação.

Atualmente, no caso da União, os pisos são corrigidos pela inflação do ano anterior. Para os Estados, o gasto anual mínimo com educação é de 25% do Orçamento e, com saúde, é de 12%. A proposta prevê unificar esses percentuais, para que tanto a União quanto os Estados possam distribuir como quiserem os valores entre áreas de educação e saúde. Ou seja, um Estado poderá gastar, por exemplo, 35% do Orçamento com educação e 2% com saúde.

Os requerimentos de convocação do ministro serão apreciados nas comissões na próxima semana.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com