Deputados classificam Bolsonaro como genocida após pronunciamento em cadeia nacional

Brasília, quarta-feira, 25 de março de 2020 - 11:0

POLÍTICA

Deputados classificam Bolsonaro como genocida após pronunciamento em cadeia nacional


Por: Da Redação, com informações do Portal Vermelho

Fala de Bolsonaro gera repúdio e população protesta pelo oitavo dia seguido contra presidente da República.

Reprodução da Internet

No dia em que a pandemia do coronavírus totalizou 2.201 casos confirmados e 46 mortes no país, Jair Bolsonaro fez um dos mais escandalosos e irresponsáveis discursos de um presidente brasileiro. Não por acaso, nos cinco minutos de pronunciamento presidencial em cadeia nacional de rádio e TV nesta terça-feira (24), inúmeras cidades do Brasil voltaram a ter “panelaços” – pelo oitavo dia seguido e o repúdio à sua fala foi geral.

“É estarrecedor!”, resumiu a presidenta do PCdoB e vice-goveradora de Pernambuco, Luciana Santos. “Depois de um dia inteiro de medidas que pareciam demonstrar algum tipo de racionalidade para lidar com a pandemia, o presidente Bolsonaro, em pronunciamento, persiste num caminho que ameaça a vida dos homens e mulheres do nosso país. É preciso continuar firme com as medidas implantadas pelos governadores do Brasil, e que têm apresentado resultados positivos, em todo o mundo, na prevenção ao coronavírus e na garantia do emprego e da renda.

As críticas também foram feitas em peso pela bancada do PCdoB na Câmara. Para a líder da legenda, deputada Perpétua Almeida (AC), Bolsonaro, mais uma vez, demonstrou seu despreparo para comandar o país. “Um desequilibrado. Induziu o povo ao suicídio: “sair às ruas e voltar à normalidade”. Bolsonaro se mantém no fio da navalha, ou, como ele prefere, “no cano do revólver” ao apostar no conflito, atacando os governadores e a imprensa e mandando recado desrespeitoso ao médico Dráuzio Varella. Voltou a reiterar que seria uma “gripezinha” e que a imprensa alardeou por conta das mortes na Itália, na opinião dele “um país que tem muitos velhinhos”, pontuou.

Em cadeia nacional, Bolsonaro minimizou os riscos de contaminação da doença, criticou o confinamento em massa, defendeu a circulação normal do transporte público e criticou o fechamento temporário de escolas, comércios e fronteiras. De forma demagógica, tentando responsabilizar governadores e prefeitos pelos impactos econômicos decorrentes da necessária quarentena, o presidente falou em “histeria” e blefou com a população.

“Algumas poucas autoridades estaduais e municipais devem abandonar o conceito de terra arrasada, a proibição de transportes, o fechamento de comércio e confinamento em massa”, tergiversou Bolsonaro, minimizando os riscos à saúde e à própria vida dos brasileiros. “Nossa vida tem que continuar. Os empregos devem ser mantidos. O sustento das famílias deve ser preservado. Devemos, sim, voltar à normalidade”, defendeu o presidente.

Para o deputado Orlando Silva (SP), o discurso de Bolsonaro foi estarrecedor e criminoso. “O presidente quer levar o país ao colapso e terá responsabilidade direta pelo aumento das mortes que vier a ocorrer. É imperativo seguir as evidências médicas e salvar a população”, declarou. Para Orlando, ao defender "vida normal" diante de uma pandemia como o mundo vive, Bolsonaro assumiu uma “posição de genocida”.

“Bolsonaro não foi apenas oligofrênico em seu disparatado pronunciamento, ele também cometeu crime ao chamar as pessoas a voltarem à vida normal. Voltou a criticar governadores que ontem elogiou, atacou absurdamente a mídia”, completou o deputado.

O presidente declarou que a grande mídia errou ao comparar o Brasil à Itália. “Grande parte dos meios de comunicação foram na contramão, espalharam exatamente a sensação de pavor, tendo como carro-chefe o anúncio do grande número de vítimas na Itália, um país com grande número de idosos e com clima totalmente diferente do nosso.” As estatísticas oficiais – ou seja, do próprio governo federal – indicam que a curva de expansão do coronavírus não apenas se assemelha à da Itália, como em alguns segmentos, o ritmo de avanço da pandemia entre brasileiros é maior do que entre italianos. 

A fala presidencial, no entanto, não apresentou nenhuma nova medida para enfrentar os efeitos perversos do coronavírus. Ao defender a reabertura de escolas, Bolsonaro alegou, ardilosamente, que apenas pessoas acima dos 60 anos de idade estão no grupo de risco e insinuou não haver risco de morte por Covid-19 para quem tem menos de 40 anos. A informação é falsa. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), há registro, sim, de morte de crianças e jovens, em diversos países, por conta da Covid-19.

Os deputados do PCdoB classificaram em uníssono como “criminosa” a fala de Bolsonaro. Renildo Calheiros (PE) e Jandira Feghali (RJ) reiteraram os problemas da fala de Bolsonaro e reforçaram que o presidente ameaça a vida dos brasileiros com tal discurso.

“Bolsonaro é desprezível. É inacreditável que ele vá à TV defender o fim do isolamento, uso de medicamentos sem testagem, atacando imprensa, pedindo volta de jovens às escolas para alastrar contaminação. É uma fala criminosa e ainda desautoriza as ações do seu ministério. O Ministério da Saúde segue corretamente as normas mundiais da OMS, mas o presidente criminoso vai para cadeia de rádio e TV defender fim de quarentena. Ele quer matar o povo brasileiro?”, questionou Jandira.

“Que psicopatia faz Bolsonaro ter esse desejo de ver o povo exposto ao coronavírus? Nenhum respeito pelos mortos até aqui. Nenhuma preocupação com tantos outros que morrerão. Quanta malvadeza! Quanta crueldade”, afirmou o deputado Márcio Jerry (MA).

Sem apresentar evidências, o presidente afirmou que 90% da população não terá qualquer manifestação da doença, caso se contamine. Só omitiu que, mesmo se apenas 10% da população brasileira for atingida, esse contingente equivale a mais de 2,1 milhões de pessoas. O Sistema Único de Saúde (SUS), sem condições de enfrentar essa demanda, ainda que dispersa por quatro ou cinco meses, teria superlotação e crise.

A fala presidencial ainda teve ataques velados ao médico Dráuzio Varella, colaborador da TV Globo. Recorrendo à fake news que descontextualiza uma fala do médico, Bolsonaro afirmou que, por ter “histórico de atleta”, não desenvolveria sintomas da Covid-19, mas, sim, “uma gripezinha”, “um “resfriadinho”.

“Bolsonaro insiste em tratar o coronavírus como uma "gripezinha". Já são 46 mortes no país e até agora não temos um plano de governo pra enfrentar essa crise. Presidente genocida”, criticou a deputada Alice Portugal (BA).
O deputado Daniel Almeida (BA) também lamentou a postura de Bolsonaro. “A vida dos brasileiros está em risco, a ameaça do coronavírus é real. Não vamos admitir mais esse absurdo”, disse.

Panelaço

Pelo oitavo dia seguido, Bolsonaro enfrentou protestos da população. Durante seu pronunciamento, panelaços foram ouvidos em diversas cidades brasileiras.

Para a deputada Professora Marcivânia (AP), os protestos são uma resposta dos brasileiros, que “já não suportam mais tamanha desfaçatez e descaso” com o momento vivido pelo no país.

Segundo ela, mais uma vez, Bolsonaro se prender “a fazer gracejos e incitar rivalidades”. “Nada que indique a liderança necessária que os brasileiros anseiam e precisam. Os brasileiros já não suportam mais tamanha desfaçatez e descaso com o momento em que vivemos. Como resposta, foram ouvidos diversos e sonoros panelaços em vários lugares do Brasil. O Brasil precisa é de um líder que lidere com medidas efetivas”, disse.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com