Pedido de prisão de Dilma é nova cortina de fumaça para encobrir escândalos do clã Bolsonaro

Brasília, quarta-feira, 6 de novembro de 2019 - 11:40      |      Atualizado em: 8 de novembro de 2019 - 13:28

POLÍTICA

Pedido de prisão de Dilma é nova cortina de fumaça para encobrir escândalos do clã Bolsonaro


Por: Christiane Peres

Para comunistas, Sergio Moro tenta criar factoides para tirar o foco do seu patrão.

Guilherme Santos/Sul21

Após o clã Bolsonaro ser mencionado nas investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco, tentar obstruir o trabalho da Justiça, estar enrolado em esquemas envolvendo candidaturas laranjas e “rachadinhas”, uma nova onda de destemperos envolvendo a família do presidente estourou na imprensa e nas redes sociais para desviar o foco das ações da família. Um “novo AI-5” – que rendeu pedido de cassação do mandato de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no Conselho de Ética da Câmara – foi a bola da vez na última semana. Nesta, o novo factoide foi patrocinado pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, chefe da Polícia Federal.

Na terça-feira (5), depois da entrega de um novo pacote de maldades no Congresso e falas atrapalhadas do ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmando que os ricos sabem capitalizar seus recursos, enquanto os pobres não poupam, e às vésperas da entrega do pré-sal, um pedido da Polícia Federal ao relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, ganhou destaque. Era a prisão temporária da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega (PT), dos ex-senadores Eunício Oliveira (MDB-CE) e Valdir Raupp (MDB-RO) e do ministro Vital do Rêgo Filho, do Tribunal de Contas da União (TCU). O motivo: suposto envolvimento em inquérito que apura a “compra e venda” do apoio político do MDB em benefício do PT nas eleições presidenciais de 2014.

Os pedidos foram negados por Fachin, mas Moro voltou a ser alvo de críticas por sua postura persecutória. Para deputados comunistas, Moro tenta criar factoides para tirar o foco do clã Bolsonaro.

“Uma clara tentativa de desviar o foco do envolvimento do governo no caso Marielle, no caso Queiroz, nas fake news. Trata-se de abuso de autoridade e uma oportuna cortina de fumaça. Inaceitável”, afirmou a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA).

Líder da Minoria na Câmara, a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) questionou o andamento do processo e a rapidez da ação. “Como podem pedir prisão num processo no qual a presidenta não é investigada e nunca foi chamada a prestar qualquer esclarecimento? Perseguição de Moro! Cortina de fumaça para os escândalos de seu chefe, Bolsonaro!”, afirmou.

Na mesma linha de pensamento, a deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) afirmou que Moro “tenta a todo custo criar factoide para tirar o foco do patrão dele, Bolsonaro, enrolado com os laranjas e agora citado na morte da vereadora Marielle” e usou a hashtag #MoroPerseguidor para classificar o ministro em sua postagem no Twitter.

Para o vice-líder comunista, deputado Márcio Jerry (MA), Moro segue o roteiro. “É incorrigível no desprezo às legalidades, viciado em dirigir ações para adversários. De forma cínica e fria desdenha da democracia”, acusou o parlamentar.

Em nota, a ex-presidente Dilma também reagiu à investida de Moro. Afirmou que a informação era “estarrecedora” e que também revelava “o esforço inconsequente do ministro da Justiça, Sergio Moro, no afã de perseguir adversários políticos”.

“O pedido de prisão é um absurdo diante do fato de não ser ela mesma investigada no inquérito em questão. E autoriza suposições várias, entre elas que se trata de uma oportuna cortina de fumaça. E também revela o esforço inconsequente do ministro da Justiça, Sergio Moro no afã de perseguir adversários políticos. Sobretudo, torna visível e palpável o abuso de autoridade. Ainda bem que prevaleceu o bom senso e a responsabilidade do ministro responsável pelo caso no STF, assim como do próprio Ministério Público Federal”, pontuou Dilma na nota.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com