Comunistas criticam aprovação da previdência de Bolsonaro

Brasília, quarta-feira, 23 de outubro de 2019 - 12:33

PREVIDÊNCIA

Comunistas criticam aprovação da previdência de Bolsonaro


Por: Walter Félix

O plenário do Senado aprovou terça-feira (22), por 60 a 19 votos, o projeto de reforma da Previdência (PEC 6/19) do governo Bolsonaro. A proposta, que ataca a previdência pública brasileira, recebeu duras críticas de deputados do PCdoB.

Marcos Oliveira/Agência Senado

O plenário do Senado aprovou terça-feira (22), por 60 a 19 votos, o texto-base do projeto de reforma da Previdência (PEC 6/19) do governo Bolsonaro. A proposta, votada em 2º e último turno, prevê que o segurado terá que trabalhar mais e receber uma aposentadoria menor.

Uma das principais medidas da reforma da Previdência elaborada pelo ministro Paulo Guedes, um operador do mercado financeiro, é a fixação de uma idade mínima (65 anos para homens e 62 anos para mulheres) para a aposentadoria, extinguindo o acesso ao benefício por tempo de contribuição.

Cumprida a regra de idade, o valor da aposentadoria será de apenas 60% da média de todos os vencimentos do trabalhador que tiver cumprido o mínimo de 15 anos de contribuição.

A proposta de destruição da previdência pública recebeu duras críticas de deputados do PCdoB, que atuaram com firmeza para reduzir os danos do projeto quando a matéria foi analisada pela Câmara. O líder do partido, Daniel Almeida (BA), alertou que a reforma “arrisca o futuro de mais idosos, podendo colocá-los na linha da miséria”.

“A reforma da Previdência proposta pelo governo Bolsonaro promove o aumento da desigualdade social, onde quem sofre mais é o trabalhador e os mais beneficiados são os banqueiros”, afirmou por meio do Twitter.

Para a vice-líder da bancada, deputada Perpétua Almeida (AC), Paulo Guedes teima em usar como exemplo a ser seguido o falido modelo chileno de previdência, que levou o país vizinho à convulsão social que estamos assistindo nos últimos dias. “No Chile, o povo acordou e reage emparedando os canalhas que destruíram seu futuro”, escreveu em suas redes sociais.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) ressaltou que a reforma aprovada é “uma perversidade contra os pobres”. “Ela não combate os verdadeiros privilegiados e nem gerará investimentos”, apontou o parlamentar.

Ele observou que os investimentos alardeados pelos defensores do projeto não virão, enquanto o governo não tiver um projeto efetivo para retomar o crescimento da economia. “Foi só roubo dos pobres. É vil!”, frisou.

“É a proposta mais cruel de todos os tempos, que não combate privilégios, dificulta as regras de acesso, reduz o valor dos benefícios e altera até a legislação trabalhista. Uma tragédia para o Brasil”, acrescentou a deputada Alice Portugal (BA).

Após concluir a votação dos destaques nesta quarta (23), a PEC 6/19 vai a promulgação. O Congresso ainda vai analisar uma segunda proposta (PEC 133/2019) que contém alterações e acréscimos ao texto principal, como a inclusão de estados e municípios nas novas regras previdenciárias.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com