Governo exonera coordenadora do Inpe, após divulgação de desmatamento recorde na Amazônia

Brasília, segunda-feira, 13 de julho de 2020 - 17:36

MEIO AMBIENTE

Governo exonera coordenadora do Inpe, após divulgação de desmatamento recorde na Amazônia


Por: Da Redação, com informações de agências

Deputados criticam postura do governo Bolsonaro. Para eles, Bolsonaro impede transparência de informações.

Peter Muller/WWF
Exoneração acontece após indicação de desmatamento recorde na Amazônia

Na última semana, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontou que junho teve o maior número de alertas de desmatamento para o mês desde 2015, quando teve início o monitoramento. Os alertas indicavam devastação em 3.069,57 km² da Amazônia, aumento de 25% em comparação ao primeiro semestre de 2019. Só em junho, a área de alerta foi de 1.034,4 km².

A divulgação dos números levou à exoneração de Lubia Vinhas, coordenadora-geral de Observação da Terra do Inpe – área responsável, entre outras atribuições, pelo monitoramento da devastação da Amazônia, por meio do sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter). A exoneração, assinada pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, foi publicada na edição desta segunda-feira (13) do Diário Oficial da União (DOU).

Os dados apontados na última semana servem de indicação às equipes de fiscalização sobre onde pode estar havendo crime ambiental. Os números, no entanto, não representam a taxa oficial de desmatamento, que é medida por outro sistema, divulgado uma vez ao ano.

A exoneração de Lubia repercutiu no Parlamento. Para a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), Bolsonaro está “cassando a verdade, a transparência e a informação”.

Já o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) afirmou que “Bolsonero”, como classificou o presidente da República, “quer atear fogo no país e ainda punir quem enxerga a fumaça”. “É aquela velha história: se os fatos estão contra ele, danem-se os fatos”, completou.

Em agosto do ano passado, em meio à escalada nos focos de incêndio na Amazônia, o governo exonerou o então diretor do Inpe, Ricardo Galvão.

Na época, o presidente Jair Bolsonaro havia desqualificado os dados do instituto e disse que o Galvão devia estar a "serviço de alguma ONG". Galvão rebateu as acusações.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com