Sob pressão, Bolsonaro desiste da demissão de Mandetta

Brasília, segunda-feira, 6 de abril de 2020 - 21:16

POLÍTICA

Sob pressão, Bolsonaro desiste da demissão de Mandetta


Por: Iram Alfaia

A demissão do ministro chegou a ser anunciada como certa por alguns veículos de comunicação. O ministro também confessou a aliados que dificilmente permaneceria no cargo.

Isac Nóbrega/PR

Sob pressão de ministros da ala militar, do STF (Supremo Tribunal Federal) e do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), o presidente Bolsonaro desistiu nesta segunda-feira (6) de demitir o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

A demissão do ministro chegou a ser anunciada como certa por alguns veículos de comunicação. O ministro também confessou a aliados que dificilmente permaneceria no cargo.

Atuaram na ofensiva para a permanência de Mandetta no cargo os ministros militares Walter Braga Netto (Casa Civil), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Fernando Azevedo (Defesa).

Davi Alcolumbre também avisou a ministros que a demissão do titular da pasta de Saúde não “seria bem digerida” pelo Congresso Nacional.

A pressão também veio das residências brasileiras com panelaços e de ministro do STF que não aceitariam uma mudança de orientação na pasta de Saúde no combate ao coronavírus.

Provável substituto

Mais cedo, Bolsonaro almoçou com o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), ex-ministro da Cidadania, e o mais cotado para substituir Mandetta no cargo.

Alinhado a Bolsonaro, Osmar Terra também é contra o isolamento social com o fechamento do comércio e escolas no país, conforme determina a Organização Mundial de Saúde (OMS). 

Segundo apurou a CNN, antes da reunião ministerial às 17h, que durou mais de duas horas, Bolsonaro teve uma reunião a sós com o ministro da Saúde quando foi decidido pela permanência dele no cargo.

Coletiva

Mais tarde em coletiva, Mandetta agradeceu a equipe técnica do ministério e disse que continua na pasta seguindo a orientação científica de combate ao coronavírus.

Disse ainda que foi um dia estressante com toda sua equipe técnica limpando as gavetas por causa da demissão anunciada. E pediu paz para trabalhar.

O ministro, que em nenhum momento falou no nome de Bolsonaro, afirmou que foi um dia que toda a equipe ficou sem trabalhar.

“Nós vamos continuar, porque nós temos um inimigo comum, que é o coronavírus. O médico não abandona o paciente e vamos ver as nossas condições de trabalho”, disse o ministro, anunciando que não iria responder perguntas na coletiva.

Na chegada ao Palácio do Alvorada, após a reunião, Bolsonaro evitou falar com imprensa.

Repercussão

No meio político, avaliava-se que a demissão do ministro poderia causar um caos no país por causa da mudança de orientação na pasta.

“Não é sobre cálculo político ou popularidade ou isso ou aquilo. Se a revisão da política de isolamento adotada por Mandetta for feita com a entrada de um novo ministro, é cálculo de vidas a serem perdidas! E Bolsonaro será o culpado se a crise sanitária explodir ainda mais!”, afirmou a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) disse ser surreal que o ministro tenha que suplicar para que o presidente pare de criar problemas e o deixe trabalhar.

“Ministro Mandetta diz que o Ministério da Saúde passou o dia sem trabalhar por causa da ameaça de demissão de Bolsonaro. Diz ainda que os médicos – todos, inclusive ele – precisam ter condições para desempenhar seu trabalho, critica endereçada ao presidente. Bolsonaro irresponsável!”, criticou o deputado no Twitter.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) destacou que Bolsonaro "não se importa com a vida dos brasileiros"ao cogitar a demissão de Mandetta.

Já a líder do PCdoB na Câmara, deputada Perpétua Almeida (AC), afirmou que só um presidente muito irresponsável e despreparado, trocaria o ministro da Saúde, "que está fazendo a coisa certa", em plena pandemia de coronavírus por ciúmes de popularidade. Apesar da aparente desistência no comando da Pasta, a líder da legenda teme que Bolsonaro passe a boicotar ainda mais as ações do Ministério da Saúde no combate ao Covid-19.

"Acabou a tinta da caneta do Bolsonaro. Não tem moral nem para demitir ministro. Acabou! Mas Mandetta fica enfraquecido, porque Bolsonaro sabotará todo o trabalho de enfrentamento ao Covid-19. Vamos nos preparar para mais mortes, se é que é possível se preparar para isso", lamentou a deputada em sua conta no Twitter.

A deputada Professora Marcivânia (PCdoB-AP) também comentou o descaso de Bolsonaro com o combate {a pandemia de coronavírus. "Já mais de 550 mortes pelo Covid-19, a economia está derretendo, profissionais de saúde morrendo por falta de EPIs e o governo brincando de demitir ministro, Digam que isso não é verdade, que não estamos vivendo isso", postou em suas redes.

O deputado Márcio Jerry (PCdoB-MA) também não deixou passar a ação de Bolsonaro. "Bolsovírus Jair Bolsonaro ainda não teve coragem para dar um tapa no Brasil, demitindo o ministro da Saúde. Tremeu hoje, mas não desistiu de sua psicopatia genocida. Mandeta tá seguindo roteiro técnico e científico. E isso exaspera o fantasma presidencial Bolsonaro", destacou.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com