Plenário aprova admissibilidade da PEC sobre imunidade parlamentar

Brasília, quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021 - 0:23      |      Atualizado em: 1 de março de 2021 - 18:16

POLÍTICA

Plenário aprova admissibilidade da PEC sobre imunidade parlamentar


Por: Walter Félix

Emenda à Constituição disciplina as situações em que a independência e harmonia entre os poderes deve ser exercida.

Najara Araújo/Câmara dos Deputados

O Plenário aprovou nesta quarta-feira (24) a admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição 3/21, que regulamenta a imunidade parlamentar e ações contra autoridades. Com a votação favorável de 304 deputados contra 154 e duas abstenções, a votação da matéria em primeiro turno pode ocorrer nesta quinta (25).

A proposta procura reforçar as prerrogativas do Congresso Nacional em face da persecução penal de seus membros, buscando aprimorar o modelo constitucional vigente de independência e harmonia entre os poderes.

O texto, apresentado pelo deputado Celso Sabino (PSDB-PA), restringe as hipóteses de prisão em flagrante de deputado, regulamenta o trâmite a ser observado após prisão, veda o afastamento do mandato por decisão judicial e determina que apenas o Conselho de Ética pode se pronunciar sobre ações, palavras e votos de parlamentares.

Com a restrição, somente poderá haver prisão em flagrante nos casos citados explicitamente pela Constituição: racismo, crimes hediondos, tortura, tráfico de drogas, terrorismo e a ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático.

A PEC cria recursos contra ações penais, trata de busca e apreensão e outros atos processuais contra autoridades.

Inicialmente, os deputados rejeitaram um requerimento para retirar a matéria da pauta.

O líder do PCdoB na Câmara, deputado Renildo Calheiros (PE), considerou importante aprofundar o debate na Casa acerca da independência e separação dos poderes.

"O partido considera essa matéria muito relevante. É importante que ela seja debatida na Câmara dos Deputados. Concordamos que a imunidade parlamentar não deve, em nenhuma hipótese, ser confundida com a impunidade, mas também achamos que este debate precisa ser enfrentado. O que nós reivindicamos durante esta semana inteira é mais oportunidade de debate, é mais tempo de debate, para que as pessoas tenham uma compreensão melhor do texto constitucional que está se querendo modificar nesta Casa, ou seja, nós somos a favor de mais debate, somos a favor de uma construção coletiva, mas, sobretudo, somos a favor da independência dos poderes e da independência do Congresso Nacional e da Câmara dos Deputados", disse.

Ele ressaltou que, durante toda a semana, a Bancada lutou para que houvesse mais debates, para que a matéria tramitasse numa velocidade mais lenta, a fim de permitir uma reflexão maior da Casa e, com isso, possibilitar também oportunidades à sociedade de acompanhar as discussões.

Calheiros reafirmou o compromisso da legenda com a independência entre os poderes, lembrando que a história do PCdoB é marcada pela luta contra o autoritarismo. "Lidero a bancada de um partido que teve o seu registro cassado pela Justiça, que teve toda a sua bancada, deputados e senadores, cassada. Nós sabemos a diferença entre democracia e ditadura", afirmou.

Segundo o parecer da relatora pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), deputada Margarete Coelho (PP-PI), a proposta tem o objetivo de fortalecer as imunidades parlamentares, o que "significa oferecer valiosa contribuição para a consolidação do processo democrático brasileiro".

Foro privilegiado

A PEC também atualiza a Constituição com interpretação dada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de que o foro por prerrogativa de função (foro privilegiado) somente se refere a crimes cometidos durante o exercício do mandato e relacionados às funções parlamentares. Quanto aos demais crimes, eles deverão começar pela primeira instância.
 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com