Perpétua defende verba para o KC-390 da Embraer, mas questiona negócio com a Boeing

Brasília, quarta-feira, 16 de outubro de 2019 - 16:13

AVIAÇÃO

Perpétua defende verba para o KC-390 da Embraer, mas questiona negócio com a Boeing


Por: Paulo Pimenta*

A deputada defendeu a destinação de recursos ao programa estratégico da FAB, que prevê a compra de 28 aeronaves para renovar a frota voltada ao transporte tático/logístico.

Richard Silva - PCdoB na Câmara

A deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) defendeu a destinação de recursos do Orçamento da União para o programa estratégico da FAB (Força Aérea Brasileira), o Embraer KC-390, no valor de R$ 650 milhões. Ela lembrou que o projeto, criado no governo Lula, compreende a aquisição de 28 aeronaves, sendo que a primeira delas já foi entregue.

O KC-390, maior avião cargueiro militar, pode transportar cargas e veículos como um tanque médio, realizar operações de salvamento e humanitárias, transportar mais de 60 paraquedistas e até 80 soldados. Além disso, também poderá abastecer caças no ar. Os C-130 Hercules que atualmente equipam a frota da FAB serão substituídos gradualmente.

Segundo a deputada, “a parceria entre a Embraer e a Boeing para a comercialização do KC-390 sempre foi bem-vinda, importante e necessária para tornar o KC conhecido”. No entanto, o governo Bolsonaro permitiu a venda da área civil da Embraer para a empresa norte-americana. “Isso é algo que afronta a soberania nacional. É um entreguismo sem precedentes da mais importante empresa de aviação brasileira”, ressaltou Perpétua.

Para a parlamentar acreana, a venda da empresa impactará no projeto do KC-390. “Com o tempo vai se chegar à conclusão de que a Embraer Defesa e Segurança, a parte não vendida e responsável pelo KC-390, não se sustenta sem a divisão comercial, a parte vendida. Isso fica claro e é revelado no parecer técnico do Comando da Aeronáutica sobre a negociação entre a Boeing e a Embraer, aprovada pelo governo de Jair Bolsonaro no começo deste ano”, afirmou.

De acordo com o relatório da Aeronáutica, já divulgado em vários sites e meios de comunicação, a área de defesa da Embraer concentra os investimentos públicos para desenvolvimento de novas tecnologias, que depois são repassadas para a área comercial. O mesmo ocorre na Boeing.

O documento informa: "Separar a área comercial da defesa irá eliminar o processo de investimento público brasileiro na inovação da Embraer Defesa, pois não será coerente investir recursos para novas tecnologias que serão transferidas para a Embraer comercial, que na verdade seria Boeing". No final, aponta: "Desta forma, a área de defesa [da Embraer] estaria condenada a não ter todas as possibilidades para pesquisa e inovação".

*Ascom deputada Perpétua Almeida









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com