Após pressão, relator da PEC Emergencial mantém piso para saúde e educação

Brasília, sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021 - 13:34

POLÍTICA

Após pressão, relator da PEC Emergencial mantém piso para saúde e educação


Por: Christiane Peres

Deputados comemoram decisão e cobram auxílio emergencial de R$ 600.

Reprodução da Internet
Votação deve acontecer na próxima quarta-feira (3)

A tentativa de acabar com a obrigatoriedade do gasto mínimo constitucional em educação e saúde caiu por terra antes mesmo da apresentação do relatório final da PEC Emergencial pelo senador Márcio Bittar (MDB-AC).  A medida fazia parte da articulação do governo Bolsonaro para estabelecer o pagamento de um novo auxílio emergencial, mas foi recebida com duras críticas. A pressão pela mudança no texto fez com que a leitura do parecer, marcada para quinta-feira (25), fosse adiada. Nova sessão foi marcada para a próxima quarta-feira (3).

A decisão de Bittar foi comemorada por deputados do PCdoB. “Vitória! Desvinculação da saúde e educação caiu oficialmente da PEC Emergencial no Senado! O texto precisa melhorar muito ainda, garantindo o auxílio no valor original. Vamos à luta que esse tema, sim, é urgente!”, afirmou a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) em sua conta no Twitter.

Os pisos para saúde e educação estão previstos na Constituição. De acordo com o texto, estados devem investir 12% da receita em saúde e 25% na educação. Já os municípios são obrigados a aplicar 15% em saúde e 25% em educação. A União, por sua vez, não pode reduzir o investimento nas duas áreas, que é corrigido pela inflação do ano anterior.

Para a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), é inadmissível o governo federal querer vincular a garantia do auxílio emergencial ao desmonte das políticas sociais. “O governo Bolsonaro faz chantagem ao propor a volta do auxílio emergencial com a condição de revogar os investimentos mínimos nessas duas áreas essenciais. O povo precisa do benefício, mas também precisa de saúde e educação! Foi uma importante vitória. Agora vamos continuar lutando para garantir o auxílio emergencial no valor original. O Brasil precisa de vacina, auxílio e mais investimentos! Auxílio emergencial, sim! Desmonte das políticas sociais, não”, destacou a parlamentar.

O valor do benefício, no entanto, será outra batalha no Parlamento. Em sua costumeira live na noite desta quinta-feira (25), Bolsonaro disse que o auxílio emergencial deve ser de R$ 250 e ser pago de março a junho. No final do ano, o governo federal já havia reduzido pela metade o valor do benefício quando prorrogou seu pagamento.

Para o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) é essencial garantir, no mínimo, os R$ 600 aprovados pelo Congresso no início da pandemia. “Vitória gigante da pressão popular! Foco agora no auxílio emergencial de R$ 600. A fome voltou a assolar as famílias brasileiras e o desemprego, segundo o IBGE, assola e avilta 13,9 milhões de brasileiros. A taxa média de desocupação em 2020 foi de 13,5%, a maior da série histórica iniciada em 2012. Mas o governo só se preocupa em dar sinais aos mercados. É hora de sinalizar ao povo, garantir a vacina e a volta o auxílio emergencial. Se o auxílio de R$ 600 não for prorrogado, o Brasil vai entrar em ebulição. Quem tem fome não pode esperar!”, afirmou.

Bittar vai apresentar até a próxima terça-feira (2) uma complementação de voto de seu parecer, quando vai analisar sugestões de mudanças. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e líderes definiram que a sessão de terça vai servir de debate para o texto e que a ideia é que a votação aconteça na quarta em dois turnos.

#600AtéoFim

A bancada do PCdoB foi uma das que apresentou projeto no início deste ano para a retomada do pagamento do benefício no valor original.

“Quase 70% dos brasileiros não têm fonte de renda para substituir o auxílio emergencial, conforme divulgado numa pesquisa do DataFolha. Os R$ 600 do auxílio movimentou o mercadinho, a padaria, a feira, o açougue. Colocou comida na mesa dos brasileiros e estimulou a economia. Precisamos retomá-lo nesse valor urgentemente”, pontuou o líder do PCdoB na Câmara, deputado Renildo Calheiros (PE).

O PL 463/2021, apresentado pela bancada do PCdoB, estabelece alguns critérios para o pagamento, como estar inscrito no Cadastro Único para Programas Federais do Governo Federal (CadÚnico) e no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), além da limitação de duas cotas por família.

A proposta também sugere o pagamento do novo benefício até que um comitê científico estabeleça que a taxa de transmissão (Rt) do novo coronavírus tenha permanecido abaixo de 0,90 por um período de no mínimo 60 dias. Na justificativa, os deputados argumentam que o indicador é utilizado como parâmetro para estabelecer o quanto a pandemia vem se disseminando.

“Segundo especialistas, para que a transmissão do novo coronavírus seja contida, a taxa de Rt precisa ficar abaixo de 1. Logo optamos por um valor imediatamente abaixo deste limiar para termos um parâmetro que assegure que a transmissão do vírus está efetivamente em declínio”, afirmam no documento.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com