Perpétua rechaça proposta de financiar Renda Cidadã com verbas da Educação

Brasília, segunda-feira, 28 de setembro de 2020 - 17:54      |      Atualizado em: 30 de setembro de 2020 - 10:41

POLÍTICA

Perpétua rechaça proposta de financiar Renda Cidadã com verbas da Educação


Por: Walter Félix

Governo anunciou que pretende custear programa social que pode substituir o Bolsa Família com recursos de precatórios e do Fundeb.

Edilson Rodrigues/Agência Senado
Líder do PCdoB participa da cerimônia de promulgação da EC 108/2020

Após reunião com líderes de partidos aliados no Palácio da Alvorada, o governo Bolsonaro anunciou nesta segunda-feira (28) que as fontes de financiamento do Renda Cidadã, programa de transferência de renda que substituirá o Bolsa Família, virão de recursos já destinados ao setor, além de verbas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e para o pagamento de precatórios (dívidas judiciais).

O senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo, explicou que os recursos para pagar o novo programa social do governo virão do Fundeb e de verbas reservadas no Orçamento para pagamentos de precatórios. Segundo ele, a proposta vai constar no parecer que deve ser apresentado nos próximos dias.

Bittar disse que a proposta do Executivo é usar até 5% do novo Fundeb para bancar o programa de assistência de renda. Com relação aos precatórios, uma espécie de ordem de pagamento decorrente de condenações judiciais, o senador adiantou que o governo deve adotar uma trava de 2% sobre a receita corrente da União para essa finalidade.

A líder do PCdoB na Câmara, deputada Perpétua Almeida (AC), criticou a decisão do governo federal de limitar o pagamento de precatórios e destinar parte do aumento de recursos do Fundeb, aprovada pelo Congresso Nacional em agosto, para reformular o Bolsa Família.

"Além de minar os recursos da educação, o governo quer adiar os pagamentos de suas dívidas para os próximos governos. Esse governo é uma pedalada só", afirmou.

A parlamentar avaliou que as medidas propostas pelo governo são uma burla ao que o Legislativo estabeleceu na Constituição em relação ao financiamento do ensino e um calote nos credores da União.

Perpétua disse que o partido está disposto a lutar por um programa de renda básica, mas não admitirá a redução de percentuais de recursos já destinados a outros investimentos sociais. "Vamos convocar o povo a se posicionar contra esses cortes", assinalou.

Fundeb

Criado em 2007 de forma temporária, em substituição ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), o Fundeb é uma das principais fontes de financiamento da educação no país. Como sua vigência terminaria no final deste ano, o Congresso Nacional aprovou a emenda constitucional 108/2020, que torna o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação permanente e com mais recursos da União.

Segundo a relatora do Fundeb na Câmara, deputada professora Dorinha Rezende (DEM-TO), não houve acordo na votação da emenda para transferir verbas do Fundo para assistência social.

“Os 13% novos de complementação do Fundeb é para educação. É para abrir vaga, pagar professor, melhoria de resultados, mas para programa social não”, disse.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com