PLP 1, de 2007: Um projeto que limita o Estado e inviabiliza expansão dos serviços públicos

Brasília, terça-feira, 29 de maio de 2007 - 18:15      |      Atualizado em: 11 de julho de 2007

RESPONSABILIDADE FISCAL

PLP 1, de 2007: Um projeto que limita o Estado e inviabiliza expansão dos serviços públicos


Por: Por: Flávio Tonelli Vaz

O governo enviou ao Congresso um Projeto de lei Complementar que altera a Lei de Responsabilidade Fiscal

O governo enviou ao Congresso um Projeto de Lei Complementar (PLP n.º 1, de 2007) que altera a Lei de Responsabilidade Fiscal, com o objetivo da "contenção do crescimento do gasto com pessoal do governo federal, [por meio da] criação de um teto de 1,5% para o crescimento real anual da folha de pagamento da União". A aplicação desse limite, por 10 anos como estabelecido na proposta, num cenário de crescimento econômico, representa uma grande diminuição dessas despesas frente ao PIB. O PLP 1 foi anunciado em conjunto com o  Programa de Aceleração do Crescimento – PAC, mas, a sua implementação se contrapõe às medidas pró-crescimento econômico do PAC, pois o seu maior efeito é incapacitar o Estado para o exercício do seu papel de emulador do crescimento, regulador e fiscalizador da atividade econômica e instrumento da cidadania por meio da devida prestação de serviços públicos de qualidade.

É preciso discutir as conseqüências que decorrerão da aprovação desse projeto.

1) AS DESPESAS DE PESSOAL REPRESENTAM UM CONJUNTO MUITO DÍSPAR DE ITENS.

Envolvem questões como: a) ativos e inativos; b) servidores civis e militares; c) quadro efetivo,  funções de confiança e despesas com terceirização de pessoal; d) vencimentos e subsídios (membros dos poderes); e) remuneração e despesas com encargos. O estabelecimento de um limite único, mesmo por Poder, poderá criar grandes distorções e gerar conflitos de natureza política.

Como complicador, cada um desses itens de despesas varia de acordo com fatores que têm dinâmica própria. São exemplos desses fatores: a) reajuste da remuneração; b) promoção e progressões nas carreiras; c) acesso a gratificações de titulação; d) reposição de servidores aposentados; e) ampliação do quadro de pessoal ativo; f) aumento do número de aposentados e pensionistas; g) remuneração dos membros dos poderes; h) leis que ampliem outras despesas de pessoal (como a regulamentação da aposentadoria complementar dos servidores) etc. Vê-se que muitos dos fatores independem de atos praticados pelo gestor ou mesmo de alterações normativas.

2) O PROJETO TRABALHA COM UM ÚNICO PARÂMETRO PARA O LIMITE.

O PLP 1 toma por referência única a inflação. Dos muitos fatores que ampliam as despesas de pessoal, apenas o reajuste da remuneração guarda um vínculo com a inflação. Outros fatores, como o aumento populacional, farão crescer as demandas pela ampliação dos serviços de saúde, educação, justiça etc.; outros, como o crescimento ou a diversificação do processo econômico, terão efeito direto sobre serviços de fiscalização, regulação, controle etc. Há ainda fatores externos que podem demandar ampliação de serviços, como os de segurança pública. A demanda pela ampliação dos serviços públicos impacta diretamente as despesas de pessoal, por exigir o aumento do quadro de servidores ativos.

3) O PROJETO ESTENDE ESSES LIMITES POR MUITO TEMPO.

Ao prever uma duração de 10 anos, o limite pode entrar em descompasso com a realidade. Nesse período, o IBGE estima que a população irá crescer 13%. E, com o PAC, a economia estará 60% maior. Nos próximos dez anos, tanto a taxa de crescimento populacional (pouco superior a 1% ao ano), quanto a do econômico (espera-se acima de 4% ao ano) são superiores ao permitido para o aumento real das despesas de pessoal (de 1,5% ao ano). É impraticável, politicamente, congelar a capacidade de estado de prestar serviços públicos à altura da demanda dessa nova realidade.

4) O PROJETO INVIABILIZA PROGRAMAS E AÇÕES DE GOVERNO.

Vários programas e ações de governo em andamento, ou anunciados dependem da expansão dos quadros de pessoal e da implantação e valorização de planos de carreira. Na Justiça, a ampliação, a interiorização e implantação das varas especializadas e a implantação da defensoria pública federal. Na Saúde, a implementação do Pacto pela Saúde (um conjunto de reformas institucionais do SUS). Na Educação, as medidas do PAC Educação, como a expansão da rede federal de educação tecnológica, a implantação das instituições federais de ensino superior já aprovadas e em fase de aprovação, e ainda aborta a discussão do projeto de Universidade Nova, que permitiria ampliar o acesso a mais de 200 mil estudantes por meio da implantação do bacharelado interdisciplinar. A aprovação do PLP 1 dificultará até mesmo a reposição dos servidores que se aposentarem.

5) O RELATOR PRETENDE ESTENDER ESSE LIMITE PARA ESTADOS E MUNICÍPIOS.

O relator informou que pretende estender esse limite para estados e municípios, o que precarizaria ainda mais a prestação de serviços públicos como de educação, saúde e segurança, que são altamente demandantes de pessoal. Poderão ser enterradas quase todas as medidas para a ampliar as medidas de segurança nos estados. Seria inviável também a implantação do piso salarial nacional do magistério, uma importante medida do FUNDEB.

6) O PROJETO IMPEDE CORREÇÕES DE DISTORÇÕES NA ESTRUTURA DE REMUNERAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO.

A aprovação do PLP congela a capacidade governamental de corrigir as distorções existentes na estrutura remuneratória dos servidores, torna proibitiva a continuidade da Mesa de Negociação com os servidores e deixa o governo na dificílima condição de ter que escolher entre a reposição do poder de compra dos salários ou a mínima expansão dos serviços públicos.

7) O PROJETO É UM ÓBICE À AÇÃO DO ESTADO.

Nesse momento em que o PAC devolve o Estado nacional a uma posição de emulador do desenvolvimento é um contra-senso limitar a sua capacidade de ação, especialmente na prestação de serviços públicos, quer os voltados para a expansão da cidadania, quer para a regulação e fiscalização do mercado.

O PROJETO É MAIS UMA CONCESSÃO ÀS MEDIDAS DE RESTRIÇÃO DO ESTADO.

As despesas de pessoal não representam concretamente nenhum descontrole. Frente ao PIB, caíram de 5,2% para 4,7%, nas médias verificadas no último mandato de FHC e do primeiro do Governo Lula. Com relação à Receita Corrente Líquida, a queda foi muito mais acentuada, de 27,2% para 22,6%, nos mesmos períodos. Com relação à quantidade de empregos públicos frente à população, o Brasil fica abaixo de muitos países, inclusive os que mais defendem o ideário liberal. Com relação ao ano de 2001, os dados da OCDE indicam que o Brasil tem 4,9% da população ocupada pelo setor público. A Alemanha e EUA têm 6,6%; Reino Unido, 7,5%; Itália, 8,2%; Canadá, 9,1%; França, 10,5%; Suécia 17,3%; Dinamarca, 18,5% . Nesse contexto, a aprovação do PLP 1 é mais uma medida para redução dos gastos correntes do Estado, com sérias conseqüências para a prestação dos serviços públicos.
Não é por outro motivo que as entidades sindicais estão a pedir a retirada do projeto. Essa não é uma questão simples, a ser enfrentada pelos servidores e suas entidades sindicais. Ela diz respeito a toda a sociedade, que precisa se envolver, para impedir a aprovação deste projeto.

______________________
* Flávio Tonelli Vaz é assessor técnico da Liderança do PCdoB e membro do corpo técnico do DIAP. O conteúdo desta nota é de inteira responsabilidade do autor.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com