“Precisamos investir em pesquisa para combater zika vírus”, afirma Luciana Santos

Brasília, quarta-feira, 16 de dezembro de 2015 - 13:53

SAÚDE

“Precisamos investir em pesquisa para combater zika vírus”, afirma Luciana Santos


Por: Christiane Peres*

Comissão geral na Câmara dos Deputados debate casos de microcefalia no Brasil. Último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde registrou 2,4 mil casos da doença.

Richard Silva/PCdoB na Câmara

A Câmara dos Deputados realizou nesta quarta-feira (16), uma comissão geral sobre as ações do Ministério da Saúde para combater o surto de microcefalia que tem chamado a atenção de todo o país. De acordo com o novo boletim epidemiológico, divulgado pelo Ministério da Saúde na terça-feira (15), foram registrados 2.401 casos da doença e 29 óbitos até 12 de dezembro deste ano. Esses casos estão distribuídos em 549 municípios de 20 unidades da federação.

Segundo o ministro da Pasta, Marcelo Castro, a microcefalia é um dos mais graves problemas de saúde pública da história do país, demandando ações firmes e determinadas dos governos e de toda a sociedade.

“Essa é uma situação completamente nova para a comunidade científica em termos de saúde pública mundial. Prontamente, o Ministério [da Saúde] uniu esforços de especialistas para conduzir estudos no país. Mas é necessário o esforço de toda a população para reduzir a presença do Aedes Aegypt e para combater o zika vírus”, disse o ministro.

Castro destacou que o novo foco das mensagens divulgadas pelo governo não é mais apenas o combate ao mosquito transmissor da dengue, e sim os efeitos do zika vírus em gestantes.

Para a deputada Luciana Santos (PCdoB-PE), o momento pede ações emergências, como as que já estão sendo tomadas pelo ministério, mas é preciso pensar também na pesquisa. “Quando ainda não tínhamos esse surto no país, o estado de Pernambuco estava iniciando pesquisas sobre o zika vírus. Precisamos analisar essas contribuições e investir mais. É um assunto gravíssimo”, pontuou a parlamentar.

De acordo com o ministro, testes vêm sendo feitos pela Fiocruz, que estuda a contaminação do mosquito pela bactéria Wolbachia, na esperança de incapacitar o inseto a transmitir doenças tropicais.

“Essa bactéria é uma espécie de doença sexualmente transmissível, ou seja, quando o mosquito entra em contato com a fêmea ele transmite a bactéria a ela, também a incapacitando para a transmissão de doenças”, explicou Castro.

O ministro citou ainda a intenção do laboratório Sanofi Pasteur de vender ao país vacinas contra a dengue. Ele informou que o laboratório está próximo de conseguir o registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A Sanofi Pasteur pediu autorizações em 20 países da Ásia e América Latina e também fará o mesmo na União Europeia (2016) e Estados Unidos (2017).

*Com informações da Agência Câmara.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com