Oposição recebe embaixador e repudia golpe contra Morales

Brasília, terça-feira, 12 de novembro de 2019 - 19:13

POLÍTICA

Oposição recebe embaixador e repudia golpe contra Morales


Por: Walter Félix

O embaixador da Bolívia no Brasil foi recebido por líderes da oposição ao governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados. Os parlamentares repudiaram o golpe de Estado contra Evo Morales e manifestaram solidariedade ao povo boliviano.

Richard Silva - PCdoB na Câmara

O embaixador da Bolívia no Brasil, José kinn Franco, foi recebido nesta terça-feira (12) por líderes e vice-líderes da oposição ao governo Bolsonaro, que repudiaram o golpe de Estado contra o presidente Evo Morales, deposto no domingo (10). Eles manifestaram solidariedade ao povo boliviano e respaldo à luta pelo restabelecimento da ordem democrática.

Com participação de representantes do PCdoB, PT, PSB, Rede Sustentabilidade, PDT e Psol, o ato ocorreu na sala de reuniões do colégio de líderes e teve a presença dos embaixadores de Cuba e Nicarágua, Rolando Gómez Gonzáles e Lorena Martínez, respectivamente.

O diplomata agradeceu as manifestações de solidariedade e relatou que o golpe, desfechado por fundamentalistas, uma elite retrógrada e setores militares que não aceitaram o resultado eleitoral no país, começou a ser construído já antes mesmo das eleições.

“O imperialismo e os setores mais reacionários nunca compreenderam, nunca permitiram que o povo tenha poder e não quiseram compreender que os setores populares têm direito de governar o seu país”, denunciou.

Segundo o embaixador, o golpe foi organizado, programado e estruturado pela estrema direita, “que é uma direita muito conservadora, violenta, racista e que está, agora, fazendo perseguição às lideranças populares”. O diplomata ressaltou que os golpistas se aproveitaram de uma circunstância particular do pleito, para desencadear uma escalada de violência mesmo após Evo Morales ter anunciado a realização de novas eleições.

“Quero agradecer às múltiplas manifestações de solidariedade. Estamos muito gratos a todos que se somam com o nosso povo, que estava lutando pela sua soberania, pela igualdade, por uma vida digna para os seus cidadãos”, disse.

Em nome da bancada do PCdoB, o deputado Daniel Almeida (BA) transmitiu ao embaixador o “repúdio veemente” do partido ao golpe que está em curso na Bolívia.

“Temos total e absoluta solidariedade ao povo boliviano. A democracia precisa e merece ser estabilizada e retomada na Bolívia”, afirmou o líder partidário, lembrando que o golpe pode interromper um processo de mais de uma década de construção de paz, tranquilidade e superação de desigualdades na nação boliviana.

“As ações que vem acontecendo são, mais uma vez, uma manifestação de ódio, de intolerância e de preconceito contra uma nação que busca construir um processo democrático, o que nós bem sabemos que nunca foi tolerado na América Latina. Sabemos as fontes que estimulam e produzem essas ações de desestabilização”, frisou.

Jandira Feghali (PCdoB-RJ), líder da Minoria na Câmara, também advertiu que a crise no país vizinho não é um fato isolado. “Quando alguém do povo ascende ao comando do país, isso incomoda muito as elites e o império. A América Latina está sob ataque externo”, denunciou. “Há uma ação claramente intervencionista”, completou.

Além das manifestações de apoio à luta do povo boliviano, os líderes oposicionistas saudaram a atuação do governo mexicano de López Obrador que garantiu a integridade física e asilo ao presidente Evo Morales.

Reiteraram ainda a crença de que mais cedo do que tarde, o povo da Bolívia vai recuperar seu protagonismo, restaurar a democracia e retomar a trajetória de desenvolvimento do governo de Evo Morales. “Apoiamos o povo boliviano na sua busca por soberania e democracia. Vamos lutar e resistir juntos”, disse a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA).

Para alguns oradores, a posição adotada pelo governo Bolsonaro é motivo de vergonha para o Brasil. O chanceler brasileiro Ernesto Araújo afirmou, em suas redes sociais, que não houve nenhum golpe no país vizinho, indicou que o governo brasileiro “apoiará transição democrática e constitucional” e que “a narrativa do golpe só serve para incitar a violência”.

“O embaixador veio à Câmara a nosso convite, para nos relatar a situação da Bolívia. Também para que pudéssemos manifestar nossa solidariedade ao presidente Evo Morales, ao povo boliviano e denunciar para o Brasil e à comunidade internacional o golpe de Estado que está acontecendo neste momento em seu país”, assinalou o líder do PT, Paulo Pimenta.

ParlaSul

José kinn Franco recebeu das mãos das deputadas Perpétua Almeida (PCdoB-AC) e Fernanda Melchionna (Psol-RS) uma declaração oficial aprovada segunda-feira (11), pelo Parlamento do Mercosul (ParlaSul), em repúdio ao golpe na Bolívia.

Os membros do ParlaSul – representantes de Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Venezuela – se reuniram em Montevidéu e aprovaram a declaração, com 45 votos favoráveis.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com