Comunistas apontam teor perverso mantido na Reforma

Brasília, quarta-feira, 19 de junho de 2019 - 10:8

PREVIDÊNCIA

Comunistas apontam teor perverso mantido na Reforma


Por: Ana Luiza Bitencourt

Durante primeira fase do debate sobre o relatório da PEC 6/19, parlamentares indicaram vitórias pontuais nas alterações ao texto, mas defenderam que a proposta segue recaindo sobre as costas dos mais pobres. O parecer pode ser votado ainda na próxima semana.

Alice Portugal (BA), Jandira Feghali (RJ), Daniel Almeida (BA) e Perpétua Almeida (AC)

O debate sobre o parecer do relator Samuel Moreira (PSDB-SP) à Reforma da Previdência teve início na manhã desta terça-feira (18), em comissão especial que trata do tema na Câmara. A primeira parte da discussão durou 12 horas, e deve ter prosseguimento ainda nesta quarta (19).

Esta fase inicial pode durar três dias. Até o momento, pelo menos 173 deputados procuraram a presidência da comissão para se inscrever e fazer uso da palavra. Um acordo feito entre os líderes da Oposição garantiu a não obstrução durante os debates – o que não ocorrerá durante a votação.

A líder da Minoria na Casa, Jandira Feghali (PCdoB-RJ), foi uma das primeiras parlamentares a falar sobre o relatório apresentado ao colegiado na última semana. Para ela, apesar de alguns avanços, o texto segue profundamente danoso à população brasileira, principalmente aos pobres.

“A saída da capitalização foi uma grande vitória, mas muitas questões precisam de leitura atenta. O cálculo do benefício continua reduzido. As desconstitucionalizações se mantêm. Os trabalhadores rurais não estão resolvidos. E ainda há a questão de hoje os regimes previdenciários garantirem cobertura para acidente de trabalho, invalidez e pensão acidentária. A partir deste relatório, serão garantidas apenas aposentadoria e pensão por morte. Isso é gravíssimo”, defendeu. 

Dentre as alterações no texto, pleiteadas pelo povo nas ruas e pelos deputados da Oposição e Centro, também constava a que se referia ao Benefício de Prestação Continuada (BPC). O governo queria que idosos de baixa renda recebessem R$ 400 a partir dos 60 anos, alcançando um salário mínimo somente a partir dos 70. O item foi retirado, sendo mantido o salário mínimo para idosos de baixa renda a partir dos 65 anos.

Ao declarar de adianto o voto contrário do PCdoB ao relatório, o deputado Daniel Almeida (BA), líder dos comunistas na Câmara, também fez uso da palavra para apontar que a essência perversa da Reforma da Previdência continua presente na proposta.

“O texto está longe de atender às demandas que achamos necessárias. Ele prevalece com danos absolutamente irreparáveis e não merecem nossa aprovação. A Reforma não corrige privilégios, os mantém. A lógica de jogar a conta nas costas dos trabalhadores também é mantida. Votaremos não”, indicou.

Em um de seus primeiros pronunciamentos no início da reunião, o relator afirmou que o texto apresentado por ele não é um decreto, e que, depois de ouvir todos os deputados, ainda poderá apresentar um voto complementar com mais mudanças. Aproveitando o ensejo, a vice-líder da Minoria, deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), disse que, assim sendo, ele realmente deveria rever o relatório, pois seu conteúdo promete empobrecer, humilhar e abandonar a população brasileira na velhice.

“A essência não se altera. O texto tem um objetivo muito claro de acabar com a Previdência e favorecer o sistema financeiro. Essa Reforma está contaminada com alterações nas normas da assistência e nos direitos trabalhistas. Estamos falando de vidas, de famílias, de dependentes. Será que dá para compreender que há uma distância entre a natureza imaterial do mercado – um Deus, para alguns – e a matéria que estamos em debate?”, provocou.

A deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), última parlamentar a falar no primeiro dia de reunião, deu destaque à insatisfação geral dos parlamentares com o texto e com ao Reforma.

“Foram muitas emendas, quase 300. Isso sinaliza uma grande insatisfação, que também é evidenciada pela quantidade de inscritos, perto de 200. Ninguém quer estar nessa Reforma. Os que a defendem, o fazem para os outros. Porque quando chega na categoria deles, já pulam”, pontuou.

Estratégia de luta

Enquanto a lista de parlamentares tinha andamento na comissão especial, líderes partidários e da Oposição se reuniram em entrevista coletiva no Salão Verde para repudiar o conteúdo do relatório e a Reforma em si.

Os deputados prometeram obstrução e um bom embate ideológico durante a votação da matéria, prevista para a próxima semana. Para eles, “os problemas do sistema de Previdência devem ser enfrentados com combate a privilégios, com a retomada da atividade econômica e com a realização de uma profunda reforma tributária”, como consta em documento divulgado no ato.

PCdoB, PT, PDT, PSB, e Psol afirmam no texto que o parecer de Moreira continua transferindo para os trabalhadores o ônus da crise econômica. Juntos, os cinco partidos têm direito a apresentar nove destaques na comissão especial e vão decidir isso de forma consensual.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com