Parlamentares querem barrar corte na ciência e tecnologia

Brasília, quarta-feira, 13 de outubro de 2021 - 15:27      |      Atualizado em: 14 de outubro de 2021 - 11:34

CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Parlamentares querem barrar corte na ciência e tecnologia


Por: Christiane Peres

Em audiência com ministro do setor, parlamentares propõem ação suprapartidária contra corte pedido pelo Ministério da Economia.

Will Shutter/Câmara dos Deputados
Marcos Pontes em audiência na Comissão de Educação

O corte no orçamento do Ministério da Ciência e Tecnologia a pedido do Ministério da Economia reverberou esta semana na Câmara. Nas votações do Congresso, o pedido da Pasta de Guedes foi atendido e quase R$ 600 milhões que iriam para a principal fonte de fomento à pesquisa no país, o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), foram cortados, restando apenas R$ 89,8 milhões. A medida ainda não foi sancionada por Bolsonaro e movimentou parlamentares da Comissão de Educação nesta quarta-feira (13), durante audiência com o ministro do setor, Marcos Pontes.

Membro do colegiado, a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) foi uma das que criticou o corte e sugeriu articulação suprapartidária para impedir a medida.

“A ciência agoniza no Brasil. Há anos não tínhamos visto o crescimento de uma posição tão atrasada de um governo em relação a elementos científicos sobejamente comprovados, como as vacinas. O presidente da República negar-se à vacinação, sua mulher ser vacinada no exterior, sem qualquer preocupação com o exemplo... O que aconteceu nesses dias não há precedentes. O que a comunidade científica espera é uma adesão sua ao conteúdo da nota assinada pelo segmento. O corte impacta nas vacinas que estão sendo estudadas, em tudo o que vem sendo heroicamente mantido nas universidades. Minha sugestão é que temos que ir coletivamente à Comissão de Orçamento pedir que não atenda ao redirecionamento pedido pelo Ministério da Economia, nos colocando de forma uníssona, suprapartidária em defesa da Ciência, Tecnologia e Inovação”, destacou.

Segundo o ministro Marcos Pontes, em reunião na terça-feira (12) com Bolsonaro e com a ministra Flávia Arruda, da Secretaria de Governo, houve compromisso com a recuperação dos recursos. Pelo Twitter, Pontes havia mencionado que havia sido pego de surpresa e chegou a afirmar que "foi falta de consideração" os cortes dos recursos e que são "equivocados" e "ilógicos". 

“Não é muito, são 600 e poucos milhões. Não é um recurso alto, mas é um recurso essencial e que trata de coisas estratégicas”, disse Pontes na audiência.

Teto de Gastos

Durante a audiência, o ministro chegou a criticar a manutenção de áreas como Educação e Ciência e Tecnologia dentro do chamado Teto de Gastos. A deputada Professora Marcivânia (PCdoB-AP) endossou a crítica e sugeriu que a base do governo deveria apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) com a proposta de retirada dos setores do teto.

“Endosso essa sua fala, ministro. Acredito que poderia haver uma PEC que traga isso e poderíamos sair com essa proposta dessa reunião. A gente não vai resolver esse problema [falta de orçamento para investimento em ciência e tecnologia] sem isso. A PEC poderia ser assinada por alguém da base do governo, já que é proposta do ministro, e endossada pela comissão. Caso contrário fica apenas uma fala retórica”, propôs a parlamentar.

No entanto, a reunião foi encerrada sem deliberações sobre o assunto.

Agenda neonazista

Além dos cortes no orçamento, os parlamentares questionaram a reunião que Pontes teve com a deputada neonazista Beatrix von Storch, que é vice-líder do Partido Alternativa para a Alemanha, e foi recebida oficialmente no gabinete do ministro. Ele afirmou que "não sabia" se tratar de uma deputada de extrema-direita e que ficou "preocupado" quando viu a repercussão na imprensa.

Para a deputada Professora Marcivânia, Pontes deveria se informar melhor sobre quem recebe para reuniões. “Refuto sua tese de divergência ideológica. Divergência é natural, mas uma deputada neonazista foge a isso. É uma cultura de admitir o genocídio e não podemos admitir isso. Faço essa crítica ao recebimento dessa deputada”, condenou. 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com