Deputados cobram esclarecimentos sobre morte de miliciano próximo a Bolsonaro

Brasília, terça-feira, 11 de fevereiro de 2020 - 20:20      |      Atualizado em: 18 de fevereiro de 2020 - 19:1

POLÍTICA

Deputados cobram esclarecimentos sobre morte de miliciano próximo a Bolsonaro


Por: Walter Félix

Morte de Adriano da Nóbrega, ex-policial com estreitas ligações com a família Bolsonaro, repercutiu no plenário da Câmara.

Foto: Reprodução

A morte do miliciano Adriano da Nóbrega, ex-policial com estreitas ligações com a família Bolsonaro, baleado domingo (9) no interior da Bahia, repercutiu no plenário da Câmara na noite desta terça-feira (11). Vários deputados ocuparam a tribuna para falar do crime.

Ex-integrante do Bope, que foi expulso da PM em 2014 por envolvimento com chefes da contravenção, Adriano chefiava o Escritório do Crime – central de assassinatos por aluguel da milícia do Rio de Janeiro.

Nos últimos 20 anos, a trajetória do miliciano se cruzou algumas vezes com a do senador Flávio Bolsonaro, filho mais velho do presidente da República.

O senador já fez homenagens ao ex-policial — quando era deputado no Rio — e empregou em seu gabinete na Alerj (Assembleia Legislativa do RJ) a mãe e a mulher dele. O criminoso também é suspeito de envolvimento no caso do assassinato da vereadora Marielle Franco.

Por esse motivo, os questionamentos sobre as relações entre a milícia e o clã Bolsonaro.

Segundo o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), o assassinato de Adriano da Nóbrega, nos termos que se deu, “é um fato gravíssimo”. “É um fato que ganha contornos políticos e é necessário que o clã Bolsonaro, pelas relações de intimidade explícita, tem que responder à sociedade brasileira”, cobrou o deputado da tribuna.

Orlando lembrou ainda que, quando deputado federal, o próprio Jair Bolsonaro “teceu loas ao chefe do Escritório do Crime” no plenário da Câmara dos Deputados.

“Há uma perplexidade na sociedade brasileira diante de um crime que chegam a dizer até que poderia ser queima de arquivo. É muito grave o que aconteceu”, frisou. Para o parlamentar, o povo brasileiro precisa ter explicações a respeito da “relação promíscua” entre lideranças políticas e o crime organizado no Rio de Janeiro.

A deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) também fez referências ao assassinato do miliciano, quando abordou a questão da violência no Acre. Ela destacou que, a exemplo do seu Estado, a situação da segurança pública no Brasil se agrava a cada dia, sem que sejam tomadas medidas efetivas pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

“Agora, a situação que se agrava cada vez mais, com o assassinato de milicianos, que tudo indica seja queima de arquivo”, observou.

A parlamentar lamentou que o ministro ainda não veio a público se manifestar a respeito da morte do ex-policial, mas preferiu usar suas redes para falar de outros temas – como a falta de programas infantis na televisão. “Enquanto se queimam arquivos da família Bolsonaro, o ministro Sergio Moro está no Twitter pedindo a volta de alguns desenhos animados”, disse.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com