Universidade pública e gratuita: por que defendemos?

Brasília, quarta-feira, 15 de maio de 2019 - 10:44

OPINIÃO

Universidade pública e gratuita: por que defendemos?


Por: Renildo Calheiros

Reprodução da Internet

Assistimos ao anúncio do corte de 30% da verba de três importantes universidades. O motivo era a promoção de “balbúrdia” nesses espaços. Em seguida, o MEC anunciou o bloqueio para todas as universidades e institutos federais e Bolsonaro defendeu que o dinheiro seria investido na educação básica.

Porém, levantamento da Andifes demonstra que os bloqueios em investimentos na educação básica chegam a cerca de 40%, totalizando R$ 2,4 bilhões. Ou seja, o ensino básico também sofrerá e muito. E, ao todo, o Ministério da Educação terá cerca de R$ 7,4 bilhões contingenciados.

Uma instituição de educação superior pública não oferece apenas graduação e pós-graduação. Ela é pesquisa, extensão, hospitais universitários, projetos diversos voltados para a comunidade e esperança para milhares de brasileiros, que, às vezes, são os primeiros de suas famílias a cursarem uma formação profissional. Outra preocupação são os perigos incalculáveis a longo prazo. Quando deixamos de investir em educação, estamos colocando em risco o futuro de toda uma nação.

A gratuidade é o fator mais democrático de uma universidade pública e é garantida pelo artigo 206 da Constituição Federal. Sua condição assegura, a quem não pode pagar, a chance de cursar uma graduação. Uno-me ao companheiro de UFPE Xico Sá, que em crônica, questionou: Tristes trópicos obscurantistas, donde muita gente boa largou de vez a ideia da coisa pública e, mesmo formado nas velhas universidades federais ou estaduais de guerra, agora defende o não-acesso, o muro. Que gente é essa?’

Investir em educação e em ciência e tecnologia torna um país independente e melhora a qualidade de vida das pessoas. O espaço universitário possui princípios fundamentais, como a liberdade. É o lugar para a formação do pensamento crítico e para a defesa de ideias. Por isso, a necessidade da pluralidade, com entrada e permanência no ensino superior garantida pela condição pública e gratuita das universidades federais. Esse diferencial também contribui para o desenvolvimento de políticas públicas efetivas para promover a inclusão cada vez maior das minorias nesses espaços. Por isso, é tão importante defendermos o papel social dessas instituições.

De uma maneira geral, as universidades federais têm mais professores com títulos, como doutorado. Talvez por isso, a Academia Brasileira de Ciências afirma que mais de 95% da produção científica do Brasil são das universidades públicas. Entre 2011 e 2016 o Brasil publicou mais de 250 mil artigos em diversas áreas, equivalendo à 13ª posição na produção científica mundial. Esses dados são da Clarivate Analytics a pedido da Capes. Áreas como agricultura, exploração do petróleo, combate a epidemias, como a zika, tiveram avanços graças aos investimentos na área.

Enquanto no Brasil corremos o risco de encerrar atividades em andamento, com cerca de R$ 7 bilhões a menos em investimentos em educação, outros países priorizam a área. A Alemanha anunciou 160 bilhões de euros (equivalente a pouco mais de R$ 713 bilhões) para pesquisas e universidades, entre 2021 e 2030.

Defendo o acesso amplo à educação, contra a criação de mecanismos que poderão restringir a entrada na universidade. Defendo a universidade pública como um espaço plural e que incentiva a criticidade. Não podemos nos conformar com a imposição de um pensamento único. Um governo não pode colocar a educação como moeda de troca para a aprovação da reforma da Previdência, que também ataca os menos favorecidos.

*Deputado federal pelo PCdoB de Pernambuco.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com