Informe-se! O único jeito de não ser vítima de fake news

Brasília, sexta-feira, 30 de agosto de 2019 - 17:15

POLÍTICA

Informe-se! O único jeito de não ser vítima de fake news


Por: Jandira Feghali*

Reprodução da internet

Em março de 1994, o Brasil julgou e condenou os envolvidos no que ficou conhecido como “Caso Escola Base”.

A partir de denúncia, os donos da escola infantil e um motorista do transporte escolar, foram acusados de abuso sexual.

À época, sem redes sociais (o Facebook, foi lançado apenas em 2003), a grande mídia deu plena repercussão ao caso e, antes mesmo que os acusados prestassem depoimento, o veredito já estava consagrado: culpados.

Em junho do mesmo ano, o caso foi arquivado, inocentando todos os acusados.

A justiça se impôs e fechou os olhos à pressão popular mobilizada, especialmente, pela emissora de maior audiência, a Rede Globo.

A justiça concentrou seu julgamento em fatos, depoimentos e provas.

A justiça foi capaz de atuar como dela se espera.

A justiça foi imparcial.

A decisão, no entanto, não foi capaz de recuperar os danos sofridos pelo verdadeiro linchamento a que foram expostos os envolvidos.

Indenizações foram propostas e aprovadas, mas nada foi suficiente para reparar a histeria coletiva em torno de informações amplamente veiculadas e tomadas pelo conjunto da sociedade como verdadeiras.

Passados 25 anos do caso, e num cenário onde as redes sociais disseminam conteúdos em velocidade e quantidade espantosas, é preciso refletir sobre como recebemos essas informações.

Em 1994, as pessoas aderiram à acusação sem questionamentos. Poucas vozes se levantaram contra o julgamento antecipado tamanho o clamor pela condenação.

Hoje, não é diferente. E o volume de fake news e títulos chamativos, mas enganosos, chegou a tal ponto que é difícil saber a diferença entre a verdade e a mentira. Tanto é assim que já há sites que têm como único objetivo a conferência de matérias.

Atualmente, a prática transformou-se em arma política a atacar adversários imputando-lhes falsas ações e falas.

E tidas como verdadeiras têm um alcance tão avassalador que, em poucos cliques e compartilhamentos, o prejuízo é irrecuperável.

O lema desses criminosos é: quanto mais fake news espalhadas, melhor. Mais votos para quem mentir mais.

Enquanto a justiça não age para punir com rigor a veiculação em massa de mentiras e as redes sociais nada fazem para coibir sua disseminação, é preciso o esforço de cada um para uma leitura crítica.

Não podemos ser simples receptores de informações. Nem permitir que nossas angústias e insatisfações sirvam de terreno fértil para propagar mentiras de efeito devastador na vida das pessoas e do país.

Informe-se!

A verdade independe de posição política. Quem se vale da mentira e do discurso de ódio para atingir seus objetivos não merece crédito.

O ambiente de intolerância e desinformação fragiliza nossa democracia.

E mais do que nunca é preciso fortalecê-la. Com coragem e disposição de lutar pela verdade.

*Deputada federal (PCdoB-RJ) e líder da Minoria na Câmara dos Deputados. Reproduzido do portal Viomundo









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com