Em defesa do emprego

Brasília, quinta-feira, 16 de julho de 2020 - 12:30

OPINIÃO

Em defesa do emprego


Por: Orlando Silva*

Reprodução da Internet

Na esteira dos vetos de Jair Bolsonaro na MP 936, o enfoque da grande mídia tem sido quase exclusivamente voltado para a desoneração da folha de pagamentos, tema realmente importante, pois terá impacto negativo para segmentos econômicos e, consequentemente, para a manutenção dos empregos.

Os 17 setores beneficiados são responsáveis por 6 milhões de postos de trabalho. Um estudo feito pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), por exemplo, mostra que o setor cresceu vigorosamente entre 2011 e 2015, em virtude da desoneração, gerando a contratação de 95 mil profissionais. A continuidade dessa política pode representar oportunidades para 303 mil pessoas, segundo a entidade, mas sua retirada abrupta pode significar o fechamento de 97 mil vagas. Já há grande convergência no parlamento para derrubar esse veto.

Contudo, esse não foi o único ataque aos avanços que o Congresso conseguiu incluir no projeto. Como tem sido sua prática reiterada, o governo foi insensível às demandas mais sentidas dos trabalhadores e das representações sindicais.

Desde o início da tramitação da MP, ficou claro que o governo adotaria uma postura antissindical para fragilizar os trabalhadores nas negociações. Lutamos para que as entidades representativas fossem ouvidas na celebração dos acordos de redução de salário e de jornada, como prevê expressamente o artigo 7º, VI, da Constituição Federal. Mas o STF, lamentavelmente, autorizou que as medidas fossem tomadas em acordo individual.

Trabalhando em conjunto com as centrais sindicais, buscamos um mecanismo de proteção para categorias cujos acordos coletivos tivessem vencimento durante a situação de calamidade pública. Nada mais razoável: se é fato que há necessidade de medidas temporárias em benefício das empresas, como diminuição de jornada com redução de salários ou suspensão de contratos, por uma questão de isonomia deve-se observar o prolongamento dos acordos ou convenções coletivas dos trabalhadores pelo mesmo período.

É a chamada ultratividade, vital para que segmentos empresariais e governos não aproveitem a dificuldade de ação imposta pela pandemia aos sindicatos e centrais para retirar direitos historicamente adquiridos e que, por vezes, são tão importantes quantos os salários em certas categorias.

Houve intenso debate e a medida foi aprovada por maioria, uma conquista robusta na atual conjuntura. Nesse particular, o veto é uma covardia contra o trabalhador, que está impossibilitado de reagir. É como uma briga de dois contra um ou a luta de boxe em que um pugilista está amarrado ao corner. Afinal, como fazer assembleias, paralisações e greves para reivindicar direitos em situação de isolamento social?

O Parlamento aprovou, por unanimidade, um auxílio emergencial de R$ 600 para os demitidos que, por ainda não cumprirem os pré-requisitos legais, não consigam obter o seguro-desemprego. Também concedemos o mesmo benefício para aqueles que estão saindo do seguro-desemprego, até porque o cenário do mercado de trabalho é de dificuldades para conseguir realocação. Os vetos nesses pontos criam discriminações a parte dos desempregados da pandemia e lhes negam o socorro de uma renda básica para a sobrevivência. É uma desumanidade.

Conseguimos inserir dispositivos que regravam e conferiam maior transparência na aferição e distribuição da participação de lucros e resultados para os trabalhadores. Mas Bolsonaro retirou da lei sob alegação de que a matéria é estranha ao escopo da MP e que gera renúncia de receita. Não é fato, o presidente quer apenas impedir conquistas dos empregados, por mínimas que sejam.

Vistos de conjunto, os vetos deixam claro que Bolsonaro nunca esteve preocupado com a economia ou com os empregos durante a pandemia. Seu governo só tem compromisso com os banqueiros e os empresários que financiam sua rede ilegal de fake news. Tal qual Justo Veríssimo, seu lema é: “quero que o pobre se exploda!”

Mas, desde o início da crise, 9 em cada 10 medidas de combate ao coronavírus foram originadas no parlamento, que tem demonstrado maturidade e exercido seu papel com altivez. Novamente será assim, com foco nos empregos e na renda para os que mais precisam, derrubaremos os vetos de Bolsonaro.

*Deputado federal pelo PCdoB de São Paulo e relator da MP 936 na Câmara.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com