Renildo Calheiros repudia Bolsonaro por mentira contra ele sobre vacina

Brasília, segunda-feira, 17 de outubro de 2022 - 16:47      |      Atualizado em: 1 de novembro de 2022 - 14:54

POLÍTICA

Renildo Calheiros repudia Bolsonaro por mentira contra ele sobre vacina


Por: Iram Alfaia

O presidente mentiu dizendo que emenda do líder do PCdoB liberava a compra de vacina sem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Richard Silva/PCdoB na Câmara

O líder do PCdoB na Câmara dos Deputados, Renildo Calheiros (PE), repudiou mais uma mentira dita por Bolsonaro durante debate com o ex-presidente Lula (PT) neste domingo (17). Questionado pelo atraso na compra de vacina, fato revelado pela CPI da Covid, o presidente disse que teria acabado com a comissão caso aceitasse uma proposta de emenda de autoria de Renildo e do senador Omar Aziz (PSD-AM), que presidiu o colegiado.

Bolsonaro mentiu dizendo que a emenda em questão liberava a compra do imunizante sem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Então, digo uma coisa, Senhor Lula, eu poderia ter acabado com a CPI da Covid rapidamente. Sabe como? Se eu acolhesse uma emenda do Senhor Omar Aziz, teu amigo, senador lá do Amazonas, e do irmão do senador Renan Calheiros, Renildo Calheiros. Porque queriam, nessa emenda, a uma medida provisória nossa, que qualquer governador e prefeito que pese grande maioria serem honestos, pudessem comprar vacina em qualquer lugar do mundo sem a certificação da Anvisa e sem a licitação. Seria a festa, a roubalheira maior. E quem pagaria a conta?”, questionou Bolsonaro.

Com isso, Calheiros diz que Bolsonaro tentou “desesperadamente envolver seu nome no escândalo da Covaxin”.
“Em nenhum momento, a MP e a lei tornam desnecessária a autorização da Anvisa. O Congresso atuou para ampliar as possibilidades de vacinas, diferentemente do Bolsonaro, que dificultou a aquisição de todas as demais vacinas, ignorou todas as ofertas, se posicionou contra a vacinação e somente facilitou e agilizou aquela em que poderia fazer a suas negociatas”, criticou o líder.

“Essas emendas foram apresentadas em 03/02/2021, 17 dias após o início da vacinação, quando a carência de vacinas no país era dramática. Em nenhum momento, a MP e a lei tornam desnecessária a autorização da Anvisa”, explicou Renildo.

A fake news de Bolsonaro contra o líder começou após escândalo da compra superfaturada da vacina indiana Covaxin. O contrato só não foi fechado porque o servidor Luís Ricardo Miranda, chefe da divisão de importação do Ministério da Saúde, disse ter sofrido uma “pressão incomum” de outra autoridade da pasta para assinar o contrato com a empresa Precisa Medicamentos, que intermediou o negócio com a Bharat Biotech.

O irmão do servidor, deputado federal Luís Claudio Miranda (DEM-DF), disse na CPI que informou a Bolsonaro a respeito da pressão e o presidente respondeu que acionaria a Polícia Federal (PF), o que não foi feito.

Por meio de carta ao primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, Bolsonaro disse que a Covaxin tinha sido uma das vacinas “escolhidas”, junto com a AstraZeneca. Na ocasião, o governo já havia ignorado cinco ofertas da Pfizer e quatro do Instituto Butantan.

O governo priorizou a compra de 20 milhões de doses da Covaxin ao preço total de R$ 1,6 bilhão, ou US$ 15 por dose (R$ 80,70). O valor estava bem acima do preço inicialmente previsto pela empresa Bharat Biotech, de US$ 1,34 por dose.

Atraso da vacina

O tema da pandemia foi um dos bons momentos de Lula no debate. O ex-presidente falou sobre a recusa das vacinas da Pfizer, o escândalo de cobrança de propina da Covaxin, a promoção feita por Bolsonaro dos medicamentos ineficazes, a falta de humanidade do presidente que não visitou hospitais, e o deboche feito por ele com as vítimas da doença.

“O Brasil tem 3% da população mundial. E o Brasil teve 11% das mortes da pandemia no mundo. Por que que houve tanta demora para se comprar vacina? O senhor não se sente responsável? O senhor não carrega nas costas um pouco do sofrimento dos brasileiros de ser responsável pelo menos por 400 mil mortes nesse país?”, questionou Lula.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com