Contra voto do PCdoB, projeto sobre homeschooling avança na Câmara

Brasília, quinta-feira, 19 de maio de 2022 - 11:29      |      Atualizado em: 25 de maio de 2022 - 19:26

EDUCAÇÃO

Contra voto do PCdoB, projeto sobre homeschooling avança na Câmara


Por: Walter Félix

Em sessão nesta quinta (19), plenário rejeita todos os destaques apresentados pelos partidos na tentativa de aperfeiçoar o texto. Matéria será analisada ainda pelo Senado.

Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados
Oposição faz protesto contra votação da proposta em regime de urgência

O plenário aprovou nesta quarta-feira (18) o texto-base do projeto de lei que regulamenta a prática da educação domiciliar no Brasil, prevendo a obrigação do poder público de zelar pelo adequado desenvolvimento da aprendizagem do estudante.

A Bancada do PCdoB votou contra, apontando uma série de inconvenientes da proposta.

Ao encaminhar o voto, a deputada Alice Portugal (BA) argumentou que a regulamentação do homeschooling deve ter como meta disponibilizar uma ferramenta educacional para casos específicos, como quando houver recomendação médica e para famílias itinerantes, como militares, diplomatas e artistas circenses.

“O homeschooling pode ser ótimo para outros países. Em nosso país, ele deve ser admitido como ferramenta excepcional, com laudo médico e psicopedagógico, para crianças e adolescentes que precisem”, afirmou.

A deputada criticou a educação domiciliar, advertindo que a adoção do modelo vai negar às crianças - cujos pais adotarem a modalidade - a vivência coletiva na escola. “É retirar do aluno a possibilidade de ter colegas. A escola é um centro de convivência alegre, a escola faz com que a criança floresça, divida, faz com que a criança possa ser cidadã do futuro”, disse.

Obrigações

De acordo com o substitutivo aprovado, da deputada Luisa Canziani (PSD-PR), para usufruir da educação domiciliar o estudante deve estar regularmente matriculado em instituição de ensino, que deverá acompanhar a evolução do aprendizado.

Pelo menos um dos pais ou responsáveis deverá ter escolaridade de nível superior ou educação profissional tecnológica em curso reconhecido.

Ao se posicionar contra a matéria, a deputada Professora Marcivânia (PCdoB-AP) assinalou que, da forma está sendo apresentada, a proposta revela um profundo “desrespeito e desvalorização aos profissionais da educação”.

“Só é compreensível que homeschooling seja prioridade em um governo que não só não gosta, mas despreza a educação e seus profissionais”, frisou.

Segundo o deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA), a aprovação do projeto vai representar mais um retrocesso entre tantos que o governo Bolsonaro está impondo ao país.

“Votei contra esse absurdo! Lugar de criança e adolescente é na escola. Ambiente que promove desenvolvimento, socialização e construção de saberes. O avanço desse projeto é mais um ataque a educação pública”, ressaltou.

Também contrária à escola domiciliar, a deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) alertou que o projeto é muito elitista, voltado apenas uma pequena parcela de privilegiados. “Até o nome da lei já é meio chique: homeschooling, que é para estudar em casa”, observou.

“As pessoas mais simples não sabem nem o que estamos discutindo aqui. Só quem tem muito dinheiro, quem pode pagar professor particular para ir todo dia à sua casa, vai ser atendido por essa lei”, criticou.

A parlamentar ressaltou que o trabalhador “que gasta um terço do seu dia dentro do ônibus ou do metrô” não tem como pagar um professor para ensinar seus filhos em casa. “Esse trabalhador quer que a escola pública seja boa, de qualidade”, assinalou.

Instituições de ensino

O texto lista algumas obrigações das escolas nas quais o aluno de educação domiciliar estiver matriculado, como a manutenção de cadastro desses estudantes, repassando essa informação anualmente ao órgão competente do sistema de ensino.

A escola deverá ainda acompanhar o desenvolvimento do estudante por meio de docente tutor da instituição de ensino, inclusive com encontros semestrais com os pais ou responsáveis, com o educando e, se for o caso, com o preceptor.

Para o deputado Márcio Jerry (PCdoB-MA), entretanto, estas travas e controles não terão eficácia, pois a frequência na escola “é fundamental, indispensável, para a formação de crianças e adolescentes”. “A tese do ensino domiciliar é equivocada. Não é disso que nossas crianças e adolescentes precisam. Nossas crianças precisam de creches e escolas de qualidade”, escreveu em uma rede social.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) usou o Twitter para criticar o negacionismo da proposta: “O homeschooling trará evasão escolar e será o paraíso para extremistas educarem crianças com base em teorias negacionistas e discriminatórias. O resultado será enfraquecimento da Educação e menos sociabilidade. Lugar de criança é na escola”.

Entidades criticam

Mais de 400 entidades assinaram nesta terça (17) um manifesto contra a liberação do ensino domiciliar. O manifesto aponta que a aprovação do projeto representa um risco à garantia do direito fundamental à educação e pode intensificar as desigualdades já existentes.

Entre outras, o documento é assinado pela União Nacional dos Estudantes (UNE), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes).









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com