Chacina no Rio causa genocídio de pobre e fortalece crime

Brasília, quarta-feira, 25 de maio de 2022 - 19:37

POLÍTICA

Chacina no Rio causa genocídio de pobre e fortalece crime


Por: Iram Alfaia

Luiz Eduardo Soares, ex-secretário nacional de Segurança Pública no governo Lula, disse que se violência policial letal contribuísse para a segurança pública, o Rio de Janeiro seria um paraíso.

Reprodução
Mulher é vitima de bala perdida durante operação policial

O Brasil acompanhou estarrecido mais uma chacina no Rio de Janeiro. Uma ação policial deixou 25 mortos nesta terça-feira (24) na Vila Cruzeiro, Complexo da Penha. A carnificina só foi menor que a do Jacarezinho em 2021, com 28 mortos na mesma cidade. Os números são assustadores. De acordo com o Grupo de Estudos de Novos Ilegalismos da Universidade Federal Fluminense (Geni-UFF), o estado foi palco de 593 chacinas policiais de 2007 a 2021, tendo como resultados 2.374 mortes.

Gabriele Ferreira da Cunha, de 41 anos, moradora da comunidade da Chatuba, vizinha da Vila Cruzeiro foi morta com um tiro durante o confronto.

Os números revelam um estado ineficiente, sem política de segurança pública e que provoca pânico com suas ações na periferia. No meio de tudo isso, o pior é ver Bolsonaro e seus aliados normalizarem a situação e ainda comemorarem.

Luiz Eduardo Soares, ex-secretário nacional de Segurança Pública no primeiro governo Lula e um dos maiores especialistas em segurança pública do país, reforçou a sua tese de que as execuções só contribuem para degradar a instituição policial e fortalecer o crime organizado.

“O que posso lhe dizer, muito simplesmente, é que se violência policial letal contribuísse para a segurança pública, o Rio de Janeiro seria um paraíso, depois de 19.464 mortes provocadas por ações policiais, de 2003 a 2021. Pelo contrário, esse verdadeiro banho de sangue só tem aprofundado o racismo estrutural e as desigualdades sociais, e intensificado o ciclo vicioso da violência”, disse ele ao Vermelho.

Por trás dessa violência ao longo dos anos, de acordo com ele, encontra-se o ímpeto racista e de classe, inteiramente dissociado de qualquer avaliação sobre resultado e evidências. “Está em curso, em nome de uma falsidade e hipócrita ‘guerra às drogas’, na sequência dramática de chacinas perpetradas sob responsabilidade do Estado, um genocídio de jovens negros e pobres, nos territórios vulneráveis”, disse.

O cientista político, que também é antropólogo e escritor, reclamou da política da cruzada bolsonarista pelo acesso ao armamento. “Enquanto isso, o tráfico de armas vem sendo estimulado pela flexibilização do acesso legal”, diz.

Questionado sobre o que fazer para superar essa crise, Luiz Soares afirmou haver uma vasta agenda e ainda a proposta de emenda à Constituição (PEC-51), de autoria do ex-senador Lindbergh Faria (PT-RJ) e que ele ajudou a elaborar, sobre a desmilitarização policial.

“Mas o que se impõe, hoje, com urgência, é a legalização das drogas e o fim do encarceramento em massa da juventude negra e pobre. É a concentração de esforços no controle das armas, o oposto da flexibilização, o que não se faz com operações bélicas em favelas, e, sobretudo, uma repactuação nacional democrática que ponha fim ao genocídio, à violência policial racista sempre renovada e sempre impune”, defendeu.

STF

Sobre as críticas do comando da operação ao Supremo Tribunal Federal (STF), pelas quais culpam a corte por proibir operações policiais em favelas durante a pandemia, o especialista a considerou um acinte. “Uma declaração absurda e desrespeitosa ao STF. O que a ADPF-635 basicamente determina é o cumprimento da legalidade constitucional, sistematicamente violada no Rio. O argumento parte de duas premissas inteiramente falsas: a de que a ADPF-635 vem sendo cumprida e que, em o sendo, estaria impedindo o trabalho policial”, explicou.

Câmera no uniforme

Uma situação curiosa é que, 11 dias antes da chacina, o governo de Cláudio Castro havia anunciado o início de instalação de câmeras nos uniformes de policiais cariocas, mas a regra acabou não sendo cumprida. Procurado pela reportagem do Vermelho, o ouvidor da Polícia do Estado de São Paulo, o advogado Elizeu Soares, considerou o uso do equipamento fundamental para a proteção da vida das pessoas e do policial.

“Aqui em São Paulo temos usados as câmeras nos uniformes e reduzido a letalidade policial, sobretudo diminuindo reclamações da população em fase da ação policial”, disse o ouvidor, para quem o equipamento serve para elucidar controvérsias sobre a ação policial.

No caso da chacina no Rio, Soares considerou a incursão policial uma tragédia que se repete por vários anos. “Na verdade, ela é ineficaz, ineficiente e fere um dos princípios basilares da administração pública que é o princípio da eficiência. Ora se eles estão atundo com a função de diminuir a criminalidade, enfim cercear a atividade de tráfico de drogas e outras  ilicitudes, isso não tem tido bom efeito”, afirmou.

Isso porque, na opinião do ouvidor, as atividades criminosas nos morros carioca continuam deixando a população vulnerável entre o fogo cruzado dos bandidos e da polícia. “Nós vamos resolver o problema do Rio de janeiro e de outras comunidades com a presença do estado, possibilitando educação aos jovens e caminhos que não sejam o crime. Mais educação com trabalho, emprego e dignidade e, sobretudo, enfrentando os problemas das desigualdades que existem na sociedade”, defendeu.

Parlamento

Nesta quarta-feira (25), parlamentares avaliaram a situação critica do Rio. A deputada Jandira Feghali (PCdoB), que é do estado, considerou o problema insustentável. “Vocês sabem o que é viver em constante sobressalto? Os moradores das comunidades do RJ sabem. Acordam com tiros. Vão para o trabalho pulando corpos pelo chão. Isso não é vida. Isso é a falência de um estado que não sabe a diferença entre política de segurança pública e chacina”, criticou.

Ele disse que as famílias das vítimas não querem saber de quem é a culpa. “Querem uma política de segurança que as proteja. A cada operação o trágico retrato é o mesmo. Inaceitável, chocante e assustadora a política de atirar primeiro e perguntar depois. Combater o crime, sim. Aterrorizar os moradores das comunidades, não”, afirmou.

O presidente da Comissão dos Direitos Humanos e Minoria da Câmara dos Deputados, Orlando Silva (PCdoB-SP), pediu providências ao governador, procurador-geral de Justiça, Ministério Público Federal, ao Conselho Nacional de Justiça e ao Ministro da Justiça e da Segurança Pública sobre a ação policial do Bope (Batalhão de Operações Especiais) em conjunto com a PRF (Polícia Rodoviária Federal) na região da Vila Cruzeiro.

Ele também criticou Bolsonaro por festejar a chacina. “GENOCIDA! Bolsonaro celebrou o extermínio de 24 pessoas na Chacina policial na Vila Cruzeiro. Como presidente da Comissão de Direitos Humanos, já pedi providências urgentes na investigação à Procuradoria de Justiça do RJ. Quanto a Bolsonaro, vai pagar por seus crimes em Haia!”, escreveu no Twitter.

Lideranças locais

Algumas lideranças do estado também criticaram a violência policial. “Isso não é vida! O Rio de Janeiro precisa de política pública pra favela, não de bala em muro de morador”, protestou a vereadora de Niterói Walkiria Nictheroy (PCdoB).

“A falta de políticas públicas que valorizem a vida da nossa juventude periférica é absurda. Não é dessa forma que a violência e o crime organizado será combatido. Onde estão as movimentações para geração de empregos, para educação popular e formação cidadã daqueles que mais precisam? Chega de genocídio!”, disse Danieli Balbi, militante do PCdoB e professora no estado.

Por meio de nota, a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Rio de Janeiro (CTB-RJ) repudiou o governador Claudio Castro e sua necropolítica de segurança pública.

“Dessa vez, o espetáculo da morte promovido pelo governo em comunidades pobres foi no Complexo da Penha, na segunda ação mais letal das forças policiais da história do nosso Estado. Cabe ressaltar, que a ação mais letal também foi ocorrida durante o governo de Castro e tem pouco mais de um ano seu acontecimento, na favela do Jacarezinho”, lembrou.

De acordo com a entidade, a necropolítica faz bem aos ouvidos de uns e serve apenas para consolidar o fascismo na sociedade. “Foi com ela que Wilson Witzel se elegeu para ‘atirar na cabecinha’ e teve ao seu lado, seu herdeiro político, Claudio Castro. Ambos aliados à época de Jair Bolsonaro, que também se elegeu promovendo ideologias fascistas em nossa sociedade.” 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com