Bolsonaro e a questão militar

Brasília, quarta-feira, 31 de março de 2021 - 10:21

OPINIÃO

Bolsonaro e a questão militar


Por: Orlando Silva*

Fábio Pozzebom/Agência Brasil

Em primeiro lugar, importa saber que não é possível entender as ações de Bolsonaro com base no arsenal lógico que costuma nortear decisões políticas. Ele não funciona assim. Bolsonaro se movimenta sempre pela construção de narrativas. A crise que engolfa o governo se agravou com custo do descontrole da pandemia e mudou de qualidade após a carta em que economistas, agentes financeiros e empresários sinalizam que a situação não pode continuar. Faltaram leitos nos hospitais de elite e a Faria Lima chiou.

O Congresso emparedou o governo pela demissão de Ernesto Araújo, um estafermo que atrapalhou a obtenção de vacinas e o comércio exterior, indispondo o Brasil com todo o mundo civilizado. Encurralado, a contragosto, Bolsonaro teve que jogá-lo ao mar. A fragilidade evidente de Bolsonaro começou a pegar mal e parecer frouxidão para sua base extremada nas redes sociais, que vem a ser o único sustentáculo que ainda dá ao presidente alguma viabilidade política e eleitoral. Bateu o desespero, o capetão teve que mostrar as garras.

Então resolveu fazer uma reforma ministerial cujos pilares são: segurar a caneta do impeachment, ceder mais espaço ao Centrão; blindar os filhos investigados com o MJ e fazer uma devassa contra quem não diz amém a tudo o que ele manda. Aí entra o truco às Forças Armadas. Bolsonaro acha que os militares deveriam sustentar seus devaneios autoritários. Não é figura de linguagem: ele age em busca do golpe. Com a demissão do Ministro da Defesa tentou mostrar força e colocar o zap de uma quartelada na mesa. Não contava que o Alto Comando pediria 6!

A posição do Ministro Fernando Azevedo de denunciar a pressão pela subalternização das forças em sua carta de demissão foi a senha. A atitude dos comandantes, que, solidários, entregaram os postos, mostrou que não será fácil para o Genocida enredar as Forças Armadas em um golpe. Fechadas as portas dos quartéis, o governo passou a se movimentar por um projeto de “mobilização nacional” que daria a Bolsonaro poderes extraordinários, inclusive ascendência sobre funcionários de estados e municípios – ou seja, as polícias militares. Fracassou.

Resumo: Animal acuado, Bolsonaro tentou fuga para frente, mas foi derrotado – ao menos por ora. Quis mostrar força e transpareceu fraqueza. Está desorientado. Cabe-nos elevar a vigilância e mobilização em defesa da democracia e unir forças para derrotar definitivamente o Genocida.

*Orlando Silva é deputado federal pelo PCdoB de São Paulo









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com